EG NEWS Mostrando a Verdade

0

 

Bom dia leitores do Portal EG NEWS, obrigado pelos acessos que o Portal vem recebendo, por este motivo que procuramos fazer e divulgar matérias que tenham um cunho verdadeiro, pesquisamos, ouvimos, analisamos e só assim, levamos ao conhecimento dos leitores. Muito obrigado e tenham certeza que acessando o Portal EG NEWS sempre nossas matérias serão verdadeiras.

Recentemente, publicamos uma matéria com o titulo ” Será que enfim, o ATACAREJO DO ITAPOÃ, irá ser inaugurado?”. Um blogueiro que chegou à região recentemente, totalmente desinformado, não conhecendo a real situação da cidade do Itapoã, e também não sei com qual interesse, editou um áudio bastante agressivo de sua opinião sobre o contido na matéria.

Todos as notas, fatos e fotos divulgadas foram pesquisadas, analisadas e constatadas verdadeiras. Para confirmarem os fatos acessem o portal do TJDF e confirmem a veracidade da matéria por nós publicada.

Amo a Cidade (ITAPOÃ) que moro a 18 anos e sempre estarei em luta para o que de melhor puder trazer para o desenvolvimento e melhoria de vida para os que aqui residem.

Não tenho a minima duvida que um empreendimento tão grandioso como este, traria um grande alavancamento de melhorias para nossa cidade, como geração de empregos diretos e indiretos, valorização dos imóveis, qualidade de vida, facilidade do acesso a alimentos, eletrodomésticos etc.

Mais vamos parar e fazer uma pequena reflexão, o que toda a população de Brasilia e do Brasil mais clama hoje???  ” Eliminarmos a corrupção” não é isso mesmo?????

Vamos aos fatos das coisas:

Quando do cercamento dessa obra aqui em nossa Cidade, o propenso comprador foi alertado por ação judicial que a área estaria sub judice e não poderia haver qualquer empreendimento no local. Porque após várias notificações de embargos a obra não foi paralisada?? Quem de alguma forma dava cobertura para que os mandados não fossem cumpridos??? Porque deixaram a construção chegar a ponto de sua inauguração???  Se é uma obra irregular porque fecharmos os olhos para o errado???

Fico pensando:

“Será que vamos afastar a grande corrupção que hoje vivemos, sendo coniventes e agindo dessa forma”???

Pasmo fiquei quando hoje pela manhã acessando o Portal de Noticias Metropolis e Correio Brasiliense e vi confirmadas minhas informações.

Vejam as matérias na integra logo abaixo:

Donos de supermercados são alvos de operação por sonegar R$ 12 milhões

Segundo a Polícia Civil, nove pessoas foram presas por suspeitas de sonegar ICMS e lavagem de dinheiro com uso de empresa de fachada

Michael Melo/MetrópolesPin this!
MICHAEL MELO/METRÓPOLES
Maria Eugênia

Nove pessoas foram presas na manhã desta sexta-feira (6/7) no Distrito Federal acusadas de sonegação tributária e lavagem de dinheiro. Segundo informações da Polícia Civil do DF, entre os alvos da operação estão donos e funcionários de supermercados e distribuidoras de alimentos. O prejuízo aos cofres públicos teria superado a casa dos R$ 12 milhões.

Tiveram a prisão preventiva decretada Hélio Felis Palazzo e Angelo Balsanulfo, das redes Supercei e Bellavia, e Pedro Henrique Briere, do Grupo Veneza.

Batizada de Invoice, nota fiscal em inglês, a operação foi autorizada pela 1ª Vara Criminal de Samambaia. De acordo com as investigações, os empresários montaram um esquema fraudulento contra a Secretaria de Fazenda, com a criação de empresa de fachada e utilização de laranjas.

Os suspeitos, de acordo com a PCDF, negociavam a compra de produtos com fornecedores de outros estados e as notas fiscais não eram emitidas pelos supermercados, mas pela empresa de fachada IASS Distribuidora e Logística, com Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em alíquota menor, fraudando o fisco local.

As investigações revelaram que a IASS, com sede em Samambaia Sul, tem movimentação financeira incompatível com seu capital social e instalações.

Os laranjas seriam escolhidos a dedo: pessoas de baixa renda, sem patrimônio, que não teriam bens disponíveis em caso de execução fiscal. O esquema foi desmontado após sete meses de investigação e com a ajuda de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça.

Além de autorizar as prisões, busca e apreensão, a Vara Criminal de Samambaia determinou o sequestro de bens e bloqueio de contas dos acusados, e a quebra de sigilos fiscal e telefônico.

O Super Veneza informou que não vai se pronunciar. O Metrópoles tenta contato com representantes das demais empresas citadas pela PCDF.

Presos donos de supermercados suspeitos de usar empresas de fachada para sonegar impostos no DF

Operação Invoice

Publicado em 06/07/2018 – 06:30CB.Poder

ANA MARIA CAMPOS

Enquanto o Governo do Distrito Federal (GDF) padece com a falta de recursos para investimentos em áreas fundamentais e para reajuste de salários de servidores públicos, uma organização criminosa se especializou em fraudar o Fisco na capital do país e em embolsar dinheiro de impostos que deveriam ser repassados aos cofres públicos.

É o que aponta investigação conduzida pela Divisão de Repressão aos Crimes contra a Ordem Tributária (DICOT), subordinada à Coordenação Especial de Combate ao Crime Organizado, aos Crimes contra a Administração Pública e contra a Ordem Tributária (CECOR). Com autorização da 1ª Vara Criminal de Samambaia, foi deflagrada nesta manhã (06/07) a Operação Invoice, com a prisão preventiva de nove pessoas, entre as quais os donos e funcionários das redes de supermercado Superce e Veneza. A Justiça decretou o bloqueio dos bens no valor de até R$ 12,1 milhões, prejuízo estimado aos cofres públicos.

Entre os suspeitos que deverão ser presos, estão também o dono de uma agência de automóveis, supostamente usada para lavagem de dinheiro, e os empresários que se especializaram em montar empresas que duram apenas até a Secretaria de Fazenda descobrir a fraude e cobrar o recolhimento dos impostos devidos. O esquema funciona da seguinte forma: uma empresa é criada em nome de laranjas, pessoas sem patrimônio suficiente para sofrer uma execução fiscal futura, e passa a intermediar a compra de produtos em outros estados para serem vendidos por mercados do DF.

A empresa se torna a responsável pelo recolhimento dos impostos envolvidos na transação comercial. Na prática, no entanto, cabe a ela apenas emprestar o nome para a emissão das notas fiscais. A compra dos produtos é um negócio entre os atacados e os supermercados. Mas todos saem ganhando, os empresários que sonegam impostos e a firma intermediária que cobra uma comissão. Só perde o contribuinte que paga seus tributos em dia.

Os policiais civis também cumprem mandados de busca e apreensão em 21 endereços, entre os quais as casas e escritórios dos envolvidos. Parte dos bens em poder dos investigados também será recolhida e ficará indisponível até que os prejuízos aos cofres públicos sejam ressarcidos. Na lista, há, por exemplo, um corvette, duas BMWs, uma motocicleta Harley Davidson e uma lancha.

A investigação tem entre os alvos a empresa IASS Distribuidora e Logística Ltda,  que, de acordo com a Polícia Civil, foi criada com o único propósito de fraudar a Receita. Segundo a DICOT, a empresa não tem estrutura para suportar as movimentações que apresentam em notas fiscais emitidas e recebidas. Com sede em Samambaia Sul, a empresa possui um capital social de R$ 100 mil, incompatível com a movimentação declarada. Entre 2016 e 2017, recolheu menos de R$ 5 mil em impostos, segundo dados da Secretaria de Fazenda. Mas emitiu milhares de notas fiscais de compras em atacados.

A Operação Invoice apura a prática de crimes de organização criminosa, sonegação tributária e lavagem de dinheiro. Entre os empresários que tiveram a prisão preventiva decretada, está Hélio Felis Palazzo, apontado como um dos proprietários das redes de supermercado Supercei e Bellavia. Também deve ser preso o gerente de compras da rede, Angelo Balsanulfo de Oliveira, e Pedro Henrique Briere, vinculado ao Grupo Veneza.

Fonte: EG NEWS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here