Da teoria à pratica: estudantes lançam foguetes de garrafa PET em Brasília

Com o objetivo de estimular interesse científico e fomentar o interesse dos jovens pela astronáutica, a física, a astronomia e as ciências, cerca de 50 alunos que participam da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e da 16ª Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG), lançaram foguetes feitos de garrafas PET ao céu, nesta quinta-feira (19), em Brasília.

O evento é organizado pela Sociedade Astronômica Brasileira em parceria com a Agência Espacial Brasileira em escolas públicas, privadas, urbanas ou rurais, para difundir os conhecimentos em astronomia. Diferentemente da OBA, que é uma prova teórica, a MOBFOG é uma competição prática de lançamento de foguetes.

O aluno do 3° ano do ensino médio, Vitor Nesi Kurovski, que participa da olimpíada e da mostra desde o ensino fundamental, conta que os eventos são importantes para a formação dele. Para o adolescente, reunir teoria e prática torna a aprendizagem mais interessante.

“Esse também é um momento de reforçar as parcerias. Eu não fiz isso [o foguete] sozinho, fiz em conjunto com os meus amigos”, diz o estudante.

 

Leia Também:  Nova CNH: é possível pedir documento antes do vencimento do antigo?

A MOBFOG avalia a capacidade dos estudantes de construir e lançar, o mais longe possível, foguetes feitos de garrafa PET, de tubo de papel ou de canudo de refrigerante. Para a professora e assessora da área de Ciências da Natureza, Rosely Braz, do Colégio Marista João Paulo II, da Asa Norte, o principal é trazer a teoria para atividades práticas e incentivar a ciência.

”O objetivo é estimular os estudantes a terem curiosidade e interesse pela ciência, não só a física, mas também a astronomia e a astronáutica. Eles têm, nesse momento, a oportunidade de entender a importância do peso, da gravidade e vários outros conceitos”, diz a professora.

Luiza Nodari Neves, aluna do 3°ano do ensino médio, conta que participar da Olimpíada é importante para a sua formação acadêmica porque incentiva a aplicação pratica dos conhecimentos adquiridos na sala de aula.

”Essa atividade é pra a gente conseguir construir uma base prática e teórica, aí, ficamos mais preparados para exames, tipo o Enem”, diz Luiza. 

Alunos e professores juntos

 

Os professores auxiliaram os lançamentos dos foguetes produzidos na escola. Depois, mediram o alcance obtido por cada um, do ponto de lançamento até o local onde o foguete parou.

Leia Também:  BBC escolhe as '100 melhores séries de TV do século 21'; confira a lista

O resultado da competição deve ser divulgado entre 21 e 31 de maio. Segundo a professora Rosely Braz, apesar de se tratar de uma competição, a cooperação entre os grupos e as duplas, ou trios, responsáveis por cada foguete é outro ponto positivo do trabalho.

”Isso favorece o trabalho em equipe, a cooperação, e permite entender a necessidade de parcerias”, diz Rosely. 

No final, todos, incluindo professores e diretores, recebem um certificado e os estudantes que alcançarem os melhores resultados ganham também medalhas. Já a prova escrita da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica é nesta sexta-feira (20), presencialmente, na escola.

Fonte: G1

COMENTE ABAIXO:

Últimas Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Quer receber as notícias em
primeira mão?

TODOS OS DADOS SÃO PROTEGIDOS CONFORME A LEI GERAL DE
PROTEÇÃO DE DADOS (LGPD).

ENVIAR MENSAGEM
Estamos Online!
Olá
Podemos Ajudar?