BRASÍLIA

BRASIL POLÍTICA

Boulos gastou R$ 23 mil em 13 viagens pagas pelo governo federal de 2014 a 2016

Publicados

em


source


Guilherme Boulos
Cyla Ramos

Guilherme Boulos é o candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL










atual candidato a prefeitura de São Paulo pelo PSOL, Guilherme Boulos fez ao menos 13 viagens pagas com dinheiro público entre julho de 2014 e dezembro de 2016. Os dados são do Portal Transparência do governo federal e mostram que nelas foram gastos R$ 23.271,69.


As viagens — com exceção de duas ligadas a instituições de ensino superior onde  Boulos participou de eventos — são para reuniões com o governo federal na época administrado pelo Partido dos Trabalhadores (PT). Foram três viagens em 2014, sete em 2015 e três em 2016.

Das 13 viagens, oito foram pagas pela Presidência da República. Nessas oportunidades, Boulos se reuniu com membros da Secretaria Executiva da Presidência da República e na maioria das pautas os temas moradia e habitação estavam presentes, inclusive nas três reuniões de 2014.

Leia Também:  Bolsonaro filia-se ao PSL para corrida presidencial em outubro

Em agosto de 2015, segundo informações do Portal da Transparência, ele esteve em Brasília para uma reunião dos “movimentos sociais com a presidenta (Dilma Rousseff)”. 

Outra autoridade visitada por Boulos, como dinheiro público, em setembro de 2015, foi o então ministro do Trabalho e Previdência Social Miguel Rossetto , que hoje é candidato a vice-prefeito de Porto Alegre na chapa de Manuela D’Ávila (PCdoB). O psolista também ser reuniu em novembro do mesmo ano com Juca Ferreira, que ocupava o cargo de  ministro da Cultura .

Minha Casa, Minha Vida

Em 2016, no mês de maio, Guilherme Boulos viajou para participar “do evento de assinatura de contratos MCMV (Minha Casa, Minha Vida) na presidência”, segundo a justificativa da viagem, divulgada no portal do governo. Ele é citado como “colaborador eventual” no mesmo documento.

Uma pouco antes, em março, ele havia viajado para participar de “reunião prévia do lançamento do Programa Minha Casa Minhas Vida (PMCMV) III, lançamento oficial PMCMV III e reunião de avaliação e balanço das ações do departamento de diálogos sociais, da SNAS/SGPR (Secretaria Nacional de Articulação Social e Secretaria-Geral da Presidência da República) com movimentos sociais urbanos e rurais”, informa a justificativa dessa outra viagem.

Leia Também:  Bolsonaro manda o Exército ‘se preparar’ para o artigo 142

Em nota enviada ao portal iG, o candidato Guilherme Boulos reconhece que a “faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida era um instrumento importante nessas políticas” se referindo aos projetos na área da habitação.

Ele ainda reiterou que a faixa 1 do MCMV “foi extinta pelo governo Bolsonaro, o que, aliado à completa ausência de investimentos públicos, causou um colapso na construção de moradias acessíveis à população mais pobre de São Paulo e de todo o Brasil”. 

Veja a íntegra da nota do candidato:

Na condição de coordenador-nacional do MTST, o maior movimento social de moradia da América Latina, Boulos teve uma série de reuniões com representantes de todas as esferas federativas para apresentar a pauta de reivindicações do movimento e negociar sua execução em benefício de milhares de sem-teto – só hoje, existem 25 mil pessoas morando na rua em São Paulo devido à falta de políticas públicas eficientes na área da habitação.

A faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida era um instrumento importante nessas políticas, mas foi extinta pelo governo Bolsonaro, o que, aliado à completa ausência de investimentos públicos, causou um colapso na construção de moradias acessíveis à população mais pobre de São Paulo e de todo o Brasil.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

BRASIL POLÍTICA

Câmara pode votar nesta quinta-feira pena maior para maus-tratos de crianças e idosos Fonte: Agência Câmara de Notícias

Publicados

em

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados Fonte: Agência Câmara de Notícias

A Câmara dos Deputados realiza sessão de votações nesta quinta-feira (15), às 10 horas, com nove itens em pauta. Entre eles, o Projeto de Lei 4626/20, do deputado Helio Lopes (PSL-RJ) e outros, que agrava penas para abandono de incapaz e maus-tratos de crianças, idosos e pessoas com deficiência.

“O projeto visa endurecer as penas para casos de abandono de incapaz, maus-tratos e exposição a perigo da integridade e da saúde, física ou psíquica, do idoso, da criança e de pessoas com deficiência, aumentando a punição para quem expuser essas pessoas a perigo ou submetê-las a condições desumanas ou degradantes”, explica o autor.

Segundo o texto, a pena de reclusão passa de 4 a 12 anos para 8 a 14 anos se as ações resultarem em morte.

Ao defender a urgência da proposta, Helio Lopes ressaltou que, no ano passado, desde o início da pandemia, houve um aumento de violência e maus-tratos contra o idoso de 59% e contra a criança de 48%. Esses dados foram obtidos pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Leia Também:  Bolsonaro filia-se ao PSL para corrida presidencial em outubro

“Trago o exemplo da morte do menino Henry Borel, que acompanhamos, tristemente, com forte sentimento de impotência. Porém, infelizmente, esse não é um caso isolado. Temos diversos casos todos os dias de abusos e de maus-tratos contra crianças, idosos, pessoas com deficiência. São anônimos que não estampam os jornais, porém estão na grande maioria das estatísticas”, afirmou o deputado.

Ao aprovar o regime de urgência para o projeto, na sessão do Plenário desta terça-feira (13), os deputados fizeram 1 minuto de silêncio em memória das vítimas de abusos e maus-tratos.

Cultura

Entre as propostas em pauta está também o Projeto de Lei 795/21, do Senado, que reformula a Lei Aldir Blanc para prorrogar prazos de utilização de recursos repassados a título de apoio ao setor cultural em decorrência da pandemia de Covid-19.

Outro projeto pautado é o PL 5222/20, do deputado Luís Miranda (DEM-DF), que dispensa bombeiros e policiais militares de justificarem multas tomadas no exercício do trabalho com viaturas oficiais.

Fonte: Agência Câmara de Notícias   Link: https://www.camara.leg.br/noticias/746191-camara-pode-votar-nesta-quinta-feira-pena-maior-para-maus-tratos-de-criancas-e-idosos/

Leia Também:  MEC liberou R$ 125 milhões para investimento em energia limpa em 63 universidades federais

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA