BRASÍLIA

BRASIL POLÍTICA

Justiça suspende nomeação de dentista aliada dos Bolsonaro para órgão federal

Publicados

em


source
Presidente Jair Bolsonaro e a dentista Edianne Abreu
Reprodução/redes sociais

Presidente Jair Bolsonaro e a dentista Edianne Abreu

A Justiça suspendeu a nomeação da dentista Edianne Paulo de Abreu para o cargo de coordenadora-geral do Centro Técnico do Audiovisual da Secretaria Nacional do Audiovisual, vinculada à Secretaria Especial de Cultura do Ministério do Turismo . A experiência profissional da indicada e sua formação acadêmica  foram consideradas sem relação com as atividades desenvolvidas pelo órgão que ela iria coordenar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A decisão apoiou um pedido do Ministério Público Federal, que defendia que a indicação de Edianne ao cargo Centro Técnico do Audiovisual violava critérios para a nomeação de cargos em comissão, e atendia “ao contexto da guerra contra o marxismo cultural instaurada no Brasil, configurando desvio de finalidade”.

“A inexistência de políticas públicas minimamente definidas, a propaganda heroico-nacionalista de Alvim e Frias, a paralisação dos projetos no âmbito da ANCINE – como se tem visto nas centenas de mandados de segurança impetrados no curso deste ano de 2020 – demonstram claramente que o gestor federal pretende, agora no CTAv, finalidade diversa da pública, meramente política, como recompensa aos trabalhos prestados por Edianne durante a vitoriosa campanha eleitoral de 2018, o que põe em risco a continuidade efetiva dos relevantes serviços prestados naquele centro especializado em audiovisual”, registra a ação.

Leia Também:  Políticos verde-oliva: 4 generais se articulam para disputar as eleições de 2018

De acordo com o portal, a Procuradoria informou que Edianne é formada em odontologia, tem experiência na área de saúde, já foi assessora parlamentar de dois deputados federais e exerceu funções administrativas no Governo do Rio de Janeiro e na Prefeitura de Nova Iguaçu.

Em 2018, a mulher também foi candidata a deputada federal pelo PSL e coordenadora voluntária no Rio de Janeiro das campanhas de Flávio e Jair Bolsonaro , “demonstrando, em redes sociais, intimidade com a família”, afirmaram os procuradores.

Sem formação no audiovisual

O Ministério Público Federal indicou que Edianne não possuía formação ou atividade profissional no setor de audiovisual. Sendo assim, sua nomeação violaria o Decreto 9.727, de 15 de março de 2019 que “estabelece que o ocupante tenha perfil profissional ou formação acadêmica compatível com o cargo ou a função para o qual tenha sido indicado, possuir experiência em área correlata, ter ocupado função de confiança em qualquer poder por no mínimo dois anos ou possuir título acadêmico em área correlata”.

Ainda conforme as informações do Estadão, a Procuradoria ressaltou que o órgão que a dentista coordenaria, o CTAv, tem como objetivo “transferir tecnologia internacional, apoiar o desenvolvimento da produção cinematográfica nacional independente e promover a capacitação e aperfeiçoamento de pessoal técnico necessário à atividade cinematográfica”.

Leia Também:  Nenhuma senadora apoia a descriminalização do aborto

O MPF destacou que, entre as funções do indicado, há atribuições técnicas, que não poderiam ser exercidas por Edianne. “O CTAv tem um acervo com mais de 6 mil títulos, vários em película, e entre as suas atribuições estão uma série de atividades técnicas de apoio à produção audiovisual”.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

BRASIL POLÍTICA

Após sinalização de interferência de Bolsonaro, ações da Eletrobras valorizam 23% na semana

Publicados

em

Ações da Eletrobras valorizam 23% na semana, mas não se falou em ‘interferência’

Bolsonaro sinalizou interferência, e o papel da Eletrobrás saltou de R$27,04, na segunda, para R$33,83 na quinta

A estatal federal Eletrobrás valorizou 23% esta semana, mesmo após o presidente Jair Bolsonaro avisar que iria interferir no setor elétrico, mas ninguém atribuiu a essa atitude a valorização expressiva da estatal de energia.

No início da semana, o papel da Eletrobrás era vendido a R$27,04 e, nesta quinta (25), registrava valorização de 23%, cotada a R$33,83. O dedo presidencial, no setor elétrico, afinal só gerou lucros. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O gesto do presidente de levar ao Congresso a medida provisória que deflagra a privatização da Eletrobrás ajudou a valorizar suas ações.

A MP 1031 (Eletrobrás) teve objetivos vitais para o êxito do governo. Um deles foram os grandes investidores privados, nacionais e internacionais.

A MP também é uma investida contra aumentos tão cruéis quanto os dos combustíveis: só em 2021, o povo amarga alta de 13% na conta de luz.

Leia Também:  Nenhuma senadora apoia a descriminalização do aborto

Confiar ao BNDES os estudos para privatizar a Eletrobrás gerou alívio. A pior escolha seria entregar a tarefa ao corporativismo dos eletrocratas.

Fonte: Diário do Poder

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA