Política de informações sobre violência contra a mulher é sancionada com vetos

29/10/2021 – 12:26  

Gil Ferreira/Agência CNJ

Novo sistema deve reunir informações relacionadas a violência contra a mulher

O presidente Jair Bolsonaro sancionou com dois vetos o projeto de lei que institui a Política Nacional de Informações Estatísticas Relacionadas à Violência contra a Mulher (Pnainfo). A Lei 14.232/21 foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (29).

Entre os objetivos da Pnainfo estão fornecer dados para o planejamento e a avaliação das políticas de enfrentamento da violência contra as mulheres, e manter as informações disponíveis em sistema eletrônico para acesso rápido e pleno, ressalvados os dados cuja restrição de publicidade esteja disciplinada pela legislação.

Registro
A nova lei prevê a criação de um registro nacional unificado de dados sobre violência contra a mulher. O texto determina a inserção do quantitativo de mortes violentas de mulheres no registro e permite que órgãos estaduais e municipais participem da Pnainfo e destinem dotações orçamentárias para custeá-la.

O Registro Unificado de Dados e Informações sobre Violência contra as Mulheres será composto por dados administrativos referentes ao tema, sobre serviços especializados de atendimento às mulheres em situação de violência e sobre políticas públicas da área. Ele permitirá a coleta de dados individualizados sobre as vítimas e o agressor, além da compilação de mortes violentas.

Leia Também:  Relator do projeto sobre "supersalários" estima economia de R$ 3 bi com aprovação da proposta

Entre os dados individualizados, devem ser registrados local, data, hora e descrição da agressão, o meio utilizado e perfis da vítima e do agressor (idade, raça/etnia, deficiência, renda, profissão, escolaridade, procedência de área rural ou urbana e relação entre eles).

Também devem constar um histórico de ocorrências envolvendo a vítima e o agressor, as medidas protetivas requeridas e concedidas para a mulher e a relação de atendimentos médicos, sociais, policiais e judiciais que ela já tenha recebido.

Vetos
Um dos trechos vetados no projeto estabelecia o que seria entendido como violência contra a mulher para inserção no banco de dados: o ato ou a conduta praticados por razões da condição de sexo feminino que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, na esfera pública e na esfera privada.

Jair Bolsonaro argumentou que o conceito não contempla os danos moral ou patrimonial sofridos, em consonância com a  Lei Maria da Penha.

O outro trecho vetado tratava da criação de um comitê, formado por Executivo, Legislativo e Judiciário, para monitorar a implementação da Pnainfo. Aqui, o presidente observou que a medida criava obrigação para o Executivo por meio de lei de iniciativa parlamentar, o que violaria o princípio constitucional da separação dos Poderes.

Leia Também:  Comissão externa da primeira infância debate importância de uma política nacional integrada

Alteração na Câmara
O texto, originário de um projeto de lei do Senado Federal (PLS 8/16), havia sido aprovado pelos senadores em 2016, mas foi alterado pela Câmara, onde tramitou como PL 5000/16.

Os deputados retiraram da proposta a menção à palavra “gênero”.

Reportagem – Noéli Nobre
Com informações da Agência Senado
Edição – Rachel Librelon

Câmara Federal

COMENTE ABAIXO:

Últimas Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Quer receber as notícias em
primeira mão?

TODOS OS DADOS SÃO PROTEGIDOS CONFORME A LEI GERAL DE
PROTEÇÃO DE DADOS (LGPD).

ENVIAR MENSAGEM
Estamos Online!
Olá
Podemos Ajudar?