BRASÍLIA

BRASIL DIVERSOS

Ofertas de imobiliárias mostram que Flávio Bolsonaro pagou caro em mansão

Publicados

em

Apenas três dos 21 imóveis à venda na região têm valores superiores, mas são bem maiores

O valor de R$6 milhões pago pelo senador Flávio Bolsonaro (Rep-RJ) por sua mansão em área nobre de Brasília pode ter sido, afinal, péssimo negócio.

Por sugestão de corretores consultados pela coluna, uma busca nas ofertas da região mostra que apenas três dos 21 imóveis à venda nas imediações têm valores superiores, mas são bem maiores, citados em revistas famosas ou têm luxos como elevador e casa de hóspedes. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A maioria dos imóveis na região está anunciada com preços entre R$3 milhões e R$4,5 milhões, reforçando que Flávio Bolsonaro pagou caro.

Segundo o senador, não há problema algum e a maior parte do imóvel foi financiada, com escritura pública. “Tudo redondinho, dentro da lei”, disse.

Os corretores ouvidos pela coluna não quiseram se identificar com medo de represálias de “antibolsonaristas”, e serem prejudicados no trabalho.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  A Covid-19 matou dona QUITA, seu filho JOÃO e 270 MIL BRASILEIROS!
Propaganda

BRASIL DIVERSOS

Mais de 35 mil restaurantes fecharam as portas este ano no Brasil

Publicados

em

Ao todo, 300 mil estabelecimentos voltados à alimentação encerraram suas atividades em 2020, diante da pandemia da Covid-19

Reprodução/Instagram

Nos três primeiros meses deste ano, a pandemia da Covid-19 provocou o fechamento de mais 35 mil restaurantes no país. Ao todo, 300 mil estabelecimentos voltados à alimentação encerraram as atividades em 2020.

O levantamento também aponta os desafios desses comerciantes para honrar salários, dívidas e as contas do dia a dia.

O atraso na compra de vacinas, que promoveu o fechamento do comércio por longos períodos, zerou o faturamento de alguns negócios. De acordo com a Abrasel, os estabelecimentos que faturavam acima de R$ 140 mil ao mês caíram de 23% para 10% (comparando março de 2020 com março de 2021).

No geral, 82% do comércio alimentício operou o mês de março no vermelho, ante 66% em janeiro, quando as medidas de lockdown estavam mais flexíveis diante das festas de fim de ano.

Fonte: Metropoles
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  “Cunha é Temer e Temer é Cunha”... E agora, Cunha cobra a fatura
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA