BRASÍLIA

BRASIL DIVERSOS

“Pai deixa eu ficar mais um dia” disse Henry ao pai

Publicados

em

Pai lembra o último pedido de Henry: “Deixa eu ficar mais um dia”

Criança morreu no último dia 8, vítima de agressões. Padrasto e mãe foram presos, nesta quinta-feira (8/4)

Henry e Leniel Borel - menino morto no Rio de Janeiro

Em entrevista à TV Globo, o pai de Henry Borel relatou os últimos momentos com o filho. Segundo Leniel, a criança estava extremamente nervosa e chegou a vomitar quando se aproximavam do condomínio em que Henry morava com a mãe e o padrasto, o ex-vereador Dr. Jairinho.

Em outro trecho da entrevista, o engenheiro contou que a criança estava resistente a deixar o pai: “Eu falei: ‘Vai com a mamãe’. E ele: ‘Não papai, não quero ir. Me dá mais um dia. Deixa eu ficar mais um dia com você’”, lembra.

Mensagens de celular obtidas pela polícia mostraram que a babá relatou à mãe a rotina de violência contra Henry. O pai da criança, no entanto, contou que não acreditava na possibilidade de Monique saber das agressões.

“Mãe é mãe. Eu não acreditava que uma mãe poderia estar encobrindo algo de tamanha monstruosidade.”

Na entrevista, Leniel relatou que a criança chegou a dizer ao pai que havia sido machucada pelo padrasto, mas que Monique havia negado a possibilidade.

Leia Também:  Feira Central de Santa Maria ganha reforma de R$ 6 mi

“Ela falou: ‘Esquece, isso não acontece. Inclusive, eu mataria se eu descobrisse que o Jairinho faz… que ele machuca o nosso filho (…)’. Como é que pode uma mulher que fala que mata por causa do filho estar do lado de alguém que matou o dela?’, disse o pai. “Demoníaco, assustador.”

Leniel continuou: “É muito estranho. Eu não consigo explicar o que pode ter sido isso. Será que é a ganância, a luxuria, um novo cargo público?”.

A criança morreu no último dia 8, com marcas de agressão. O padrasto, Jairinho, e a mãe da vítima foram presos, na manhã de quinta-feira (8/4).

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL DIVERSOS

Mãe de Gael diz não se lembrar da morte do menino

Publicados

em

Advogado afirma que a mulher tem traumas por conta de uma relação abusiva

Gael foi encontrado desacordado e com sinais de violência Foto: Reprodução

Andréia Freitas, mãe de Gael de Freitas Nunes, de 3 anos, afirma que não se lembra do momento da morte da criança. Segundo Fábio Costa, advogado de defesa da mulher, ela teria relatado um lapso de memória entre a noite de domingo (9) e a tarde da segunda-feira (10). Ela foi presa na madrugada desta terça-feira (11), por suspeita de assassinar o próprio filho.

De acordo com o boletim de ocorrência, a mulher foi indiciada por homicídio qualificado por meio cruel.

Andréia disse que se lembra de estar deitada com Gael e sua filha mais velha quando sentiu seu corpo quente. Ela teria ido tomar banho, dormido e acordado apenas no momento em que várias pessoas a tiravam do chuveiro.

O advogado ainda afirmou que a mãe de Gael tem traumas por conta de uma relação abusiva que teve com o pai da sua filha mais velha. Tanto sua vida pessoal, quanto a profissional foram afetadas por estes problemas conjugais, visto que ela não trabalha há muito tempo.

Leia Também:  Em uma semana, mãe, três irmãos e cunhada morrem de Covid-19 no RS

A mãe de Gael não soube dizer qual foi seu último emprego e, segundo o advogado, ela tem dificuldades com a escrita. Andréia de Freitas tem 37 anos e passará por audiência de custódia no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). A defesa afirmou que pedirá o relaxamento da prisão da acusada.

O CASO
A Polícia Civil de São Paulo está investigando a morte de Gael de Freitas Nunes, de 3 anos, ocorrida na manhã desta segunda-feira (10), no bairro dos Jardins, região nobre da capital paulista. A criança foi encontrada no apartamento onde morava com a mãe, desacordada e com sinais de violência.

Gael chegou a ser socorrido, ao ser levado para a Santa Casa de São Paulo, mas não resistiu.

Segundo o boletim de ocorrência, Gael foi encontrado na cozinha pela tia-avó. A mãe do menino estava com ele. A irmã de Gael, de 13 anos, chamou a ambulância.

A Polícia Militar foi acionada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que socorreu o garoto. A suspeita é de que a mulher tenha sofrido um surto psicótico. Segundo relatos, ela estava em estado de choque quando foi encontrada.

Leia Também:  Pequenos empresários em duvida sobre Normas de dispensa de alvará de construção e habite-se para obras e edificações consideradas de baixo risco.

Advogado afirma que a mulher tem traumas por conta de uma relação abusiva

Fonte: Pleno.News
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA