BRASÍLIA

BRASIL DIVERSOS

Por que a Terra está refletindo menos luz nos últimos anos?

Tierra

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

A Terra tem ‘brilhado’ menos nos últimos anos

Faz alguns anos que a Terra está “perdendo brilho”.

Isso quer dizer que nosso planeta está refletindo, ou devolvendo, menos luz do Sol para o espaço, segundo um novo estudo publicado na revista Geophysical Research Letters, da União Geofísica dos Estados Unidos, em setembro.

Os autores da pesquisa, dos EUA e da Espanha, chegaram a essa conclusão depois de analisar dados da quantidade de luz que a Terra reflete na Lua, reunidos durante os últimos 20 anos por satélites e pelo Observatório Solar Big Bear, da Califórnia.

Os cientistas ainda esperam identificar com precisão as causas da redução do brilho terrestre, mas já apresentam algumas hipóteses.

Saiba quais são elas e as consequências que esse fenômeno pode provocar no planeta.

Como a luz é refletida

Como já se sabe sobre a luz em geral, as superfícies claras refletem, e as escuras a absorvem. Com a luz do Sol e a Terra acontece a mesma coisa.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

As partes claras da Terra, como os polos, onde há geleiras, refletem a luz do sol

As partes escuras do planeta absorvem a luz e o calor da nossa estrela, o Sol. As partes claras, como as superfícies de gelo dos polos e as nuvens, refletem e devolvem a luz ao espaço.

A quantidade de luz do Sol que a Terra reflete é conhecida como albedo e, em média, é composta por cerca de 30% de toda a luz solar recebida.

“As mudanças na cobertura de gelo, nebulosidade, cobertura da Terra (como florestas ou terras de cultivo) e contaminação do ar provocam efeitos sutis no albedo global”, explica em seu site o Observatório Terrestre da Nasa, a agência espacial americana.

Durante as últimas duas décadas, o albedo tem se reduzido. “A Terra agora reflete cerca de meio watt menos luz por metro quadrado do que há 20 anos. Isso é o equivalente a uma redução de 0,5% na refletância da Terra”, disse a União Geofísica dos EUA.

Leia Também:  Covid: por que o Reino Unido é líder mundial em novos casos da doença

Essa redução se concentrou principalmente nos últimos três anos. “A queda do albedo foi uma surpresa para nós, quando analisamos os últimos três anos de dados, depois de 17 anos de albedo quase estável”, disse Philip Goode, pesquisador do Instituto de Tecnologia de Nova Jersey, nos EUA, e autor principal do estudo, se referindo aos dados da luz refletida pela Terra de 1998 a 2017.

Mas a que se deve essa redução?

Possíveis causas

Os autores do estudo não detectaram mudanças no brilho do Sol nos últimos três anos, portanto, a diminuição da luz refletida não está relacionada ao Sol, mas sim a fatores ligados à Terra.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Cientistas detectaram redução de nuvens no Oceano Pacífico oriental.

A causa detectada pelos cientistas na Terra foi uma variação “substancial” na quantidade de nuvens em certas zonas do oceano Pacífico, disse à BBC News Mundo Enric Pallé, um dos autores do estudo e pesquisador do Instituto de Astrofísica de Canárias e do Departamento de Astrofísica da Universidade La Laguna, na Espanha.

Há menos nuvens — portanto menos superfícies brancas e brilhantes que refletem a luz no oceano Pacífico Ocidental — em comparação com as costas ocidentais da América do Norte e América do Sul, segundo dados do Sistema de Energia Radiante das Nuvens e da Terra, da Nasa.

Essa redução nas nuvens se deve a um aumento da temperatura do mar, “com prováveis conexões com a mudança climática global”, disse a União Geofísica dos EUA num comunicado em setembro.

Mas Pallé disse à BBC News Mundo (serviço de notícias em língua espanhola da BBC) que não sabe “se seria tão fácil atribuir (o aumento da temperatura do mar) à mudança climática, porque o sistema climático é muito complexo” e porque o albedo só tem sido medido nos últimos 20 anos, enquanto os “processos naturais possuem ciclos mais prolongados”.

Leia Também:  Operação prende envolvidos em falsificação de alvarás de soltura

“Ou seja, acho que é provável que se deva às mudanças climáticas, mas acredito que seja prematuro afirmar isso por enquanto. Pode ser que haja ciclos naturais de nebulosidade que podem estar modificando o albedo”, destacou Pallé.

“Dentro da tendência de aquecimento global, há episódios de aumentos e reduções (de temperatura), então, quem sabe estejamos vendo algo episódico”, acrescentou o pesquisador.

O especialista em clima John Nielsen-Gammon, professor do Departamento de Ciências Atmosféricas da Universidade do Texas, disse à BBC News Mundo que a “cobertura das nuvens está intimamente ligada aos padrões de temperatura e vento na atmosfera, que são afetados pelo aquecimento global e a variabilidade natural”.

“(Mas) o registro de 20 anos de brilho da Terra não é realmente suficientemente longo para separar esses dois efeitos”, afirmou também Nielsen-Gammon, que não participou da pesquisa.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Os cientistas calcularam o albedo medindo a luz do sol que a Terra reflete na lua

Para determinar exatamente a que se deve a variação no albedo, “temos que seguir medindo como ele vai mudar nos próximos anos, medir por um tempo suficientemente longo para ver se realmente podemos associar isso às mudanças climáticas e estar seguro de que não é uma variação natural”, destacou Pallé.

Consequências

Enquanto investigam as causas da redução do brilho terrestre, os cientistas sabem que a luz e o calor do Sol que a Terra deixa de refletir ao espaço permanece no planeta, nos oceanos e na atmosfera. Portanto, pode influenciar na temperatura.

“Se a quantidade de luz que a Terra reflete muda ao longo de dias ou décadas, haverá uma influência nas mudanças climáticas, porque deixará entrar mais ou menos energia do sol”, disse Pallé à BBC Mundo.

“O que está claro é que o albedo sempre foi considerado nos estudos climáticos como algo constante, mas não é. E temos que continuar medindo porque afetará muito a nossa capacidade de prever as mudanças climáticas entre agora e 20, 30 ou 50 anos “, acrescentou o cientista.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

BBC

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

BRASIL DIVERSOS

Homem é preso com meia tonelada de maconha escondida em meio a carregamento de milho em SP

Publicados

em

Por

Caminhão já era monitorado por agentes do Decap desde que saiu do Paraná; motorista foi detido em flagrante

Reprodução / Twitter / @PoliciaCivilPolícia Civil apreendeu 1.012 toneladas de maconha em caminhão na rodovia Anhanguera

Um homem de 25 anos foi detido pela Polícia Civil nesta terça, 26, ao transportar meia tonelada de maconha escondida em meio a uma carga de milho. A apreensão foi feita por agentes no km 15 da rodovia Anhanguera, na zona oeste de São Paulo. No total, foram apreendidos 1.012 tijolos de maconha, totalizando 521,5kg, além de dois celulares. Segundo a Polícia, o caminhão que levava o carregamento já era vigiado desde que saiu do Paraná por causa de um trabalho de investigação e inteligência realizado por membros do 5º Distrito Policial (Decap), e um bloqueio foi montado na rodovia Paulista para pegá-lo. O motorista alegou não saber o que carregava, foi preso em flagrante por tráfico e segue detido.

Jovem Pan

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  CPI da Covid: o que pode acontecer com Bolsonaro após a divulgação do relatório
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.