BRASÍLIA

BRASIL DIVERSOS

Representantes de bares e restaurantes criticam limitações ao funcionamento

Em debate promovido nesta segunda-feira (7) pela Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado (CDR), representantes de bares e restaurantes apresentaram dados para ressaltar as dificuldades econômicas enfrentadas pela maioria desses estabelecimentos, prejudicados pela pandemia de covid-19. Eles também criticaram as limitações impostas ao funcionamento dos estabelecimentos e cobraram políticas públicas específicas para o setor.

Representando o Ministério do Turismo, William França, secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo, lembrou que o segmento foi um dos primeiros a serem afetados pelo início da pandemia, mas espera que “não seja o último a retornar ao cenário anterior”. Ele salientou as políticas públicas do governo federal em apoio ao setor de turismo, que registrava crescimento até a crise provocada pela pandemia, e lamentou que muitos estabelecimentos tenham sido fechados.

— O governo tentou, da parte do que nos coube, salvar o setor e evitar as perdas e os fechamentos. É óbvio, o resultado não foi o que a gente gostaria; a pandemia se prolongou, ceifando vidas.

Segundo William França, o ministério tem buscado criar condições para auxiliar o setor na retomada do movimento turístico, que, ressaltou ele, deverá ser favorecido na medida em que a vacinação for avançando e os casos de covid-19 forem diminuindo.

No mesmo sentido, Fernando Blower, diretor-executivo da Associação Nacional de Restaurantes (ANR), alertou para as consequências das restrições a uma atividade que emprega muitas pessoas e requer fluxo contínuo de receita. Ele afirmou que a maioria desses estabelecimentos é de pequeno porte e trabalha com um nível de endividamento muito alto, o que aumenta a demanda por financiamentos.

— Cerca de 71% dos estabelecimentos estão endividados, e um terço deles está endividado com mais de um ano de faturamento comprometido. São empresas que demorarão alguns anos para quitar suas dívidas, porque esse é um setor com margens muito apertadas — ressaltou, pedindo um “olhar especial” do Estado para as questões tributárias e de financiamento do setor.

Graco Terceiro Neto Parente Miranda, diretor da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), criticou as taxas de entrega das empresas de delivery, que, segundo ele, chegam a 27%, e lembrou que muitos estabelecimentos, por suas características, não podem adaptar-se ao sistema de entregas de alimentos. Entre os obstáculos enfrentados por essas empresas, Graco apontou a dificuldade de obtenção de certidões negativas de débitos (para a contratação de financiamentos) e a edição “na calada da noite” de decretos estaduais e municipais que limitam a atividade de bares e restaurantes.

Leia Também:  Jovem de 18 anos estupra a própria prima, de 6

— Eles esquecem que nosso estoque é perecível. Não podemos deixar para vender o alimento após 15 ou 20 dias. Isso gera um prejuízo imensurável para o segmento — criticou, apresentando estatísticas que não indicam correlação entre a imposição de medidas restritivas aos restaurantes e a redução da incidência de covid-19.

Representando a seccional de Alagoas da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Brandão Junior também questionou a associação entre funcionamento de restaurantes e casos de covid-19.

— Se os números [da covid-19] não caem com o fechamento do nosso setor, por que os governantes insistem em restringir nosso funcionamento por dez meses, um ano? — indagou.

Segundo Brandão Junior, desde os primeiros momentos da pandemia a Abrasel nacional estabeleceu todos os protocolos sanitários para o setor, o que, no entanto, ainda não resultou na suspensão das restrições de funcionamento.

Segundo Marcelo Maia, diretor da Associação Brasileira de Franchising (ABF), o setor de bares e restaurantes é predominante no mundo das franquias, mas foi “aniquilado” durante a pandemia. Ele expressou as preocupações dos franqueadores, principalmente no âmbito fiscal e no que se refere à abrangência do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), que ele considera insuficiente. Maia chamou atenção para a dificuldade que os franqueados enfrentam com o pagamento de aluguéis diante dos elevados índices de reajuste.

—  Quando as relações privadas chegam a um ponto de difícil convergência entre duas partes, acho fundamental, para a saúde da economia e das empresas, a mão do Congresso Nacional.

Para Ely Mizrahi, presidente do Instituto Foodservice Brasil (IFB), as perspectivas para bares e restaurantes seguem limitadas devido à insuficiência do processo de vacinação e a falta de políticas específicas para os mais afetados.

Leia Também:  Sikêra Jr. se revolta com absurda soltura de presos: 27 mil só em SP (veja o vídeo)

— Os nossos governantes, nas diferentes esferas, continuam com a percepção de que a pandemia afetou todos os setores da mesma forma. Mas essa não é a realidade.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) nacional, Paulo Solmucci, ao ressaltar que ele representa um dos setores que mais perdeu com a pandemia, defendeu ações específicas e urgentes para enfrentar a situação. Ele disse que 74% dos estabelecimentos ainda precisam de novos empréstimos, e, em março, 91% não conseguiram fechar a folha salarial em dia.

— É um setor muito machucado, que pagou uma conta desproporcional e até injusta para o bem-estar da sociedade, e que merece uma atenção especial de toda a sociedade.

Paulo Solmucci manifetou apoio ao PLP 33/2020, projeto de lei que cria o marco legal do reempreendedorismo, destinado a facilitar a reestruturação de dívidas das pequenas empresas. Ele teme que o fechamento de negócios devido à pandemia leve os empreendedores a um “drama de 20 anos” e desestimule novas atividades empresariais.

O presidente da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado (CDR), Fernando Collor (Pros-AL), lamentou a perda de empregos e o fechamento de empresas causados pela pandemia e também salientou a importância do projeto que cria o marco legal do reempreendedorismo. Ele destacou a atuação decisiva do Congresso Nacional em apoio à sociedade neste momento.

— Tudo isso necessita de avaliação aprofundada por parte do Congresso Nacional: como podemos ajudar para que esses nomes não estejam mais negativados, como estão milhares e milhares?

Fernando Collor também declarou-se favorável a uma discussão entre o Congresso e o Ministério da Economia sobre a renegociação de dívidas fiscais de bares e restaurantes.

A audiência desta segunda-feira foi a quinta do ciclo de debates sobre turismo promovido pela CDR. O ciclo teve início em 10 de maio, a partir de requerimento de Collor. O próximo debate ocorrerá em 14 de junho, com o tema “O papel dos parques como indutores do turismo de lazer: estratégias para a ampliação de turistas nacionais e internacionais”.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Federal

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

BRASIL DIVERSOS

Marcas de carros com mais seguidores do Instagram no Brasil

Publicados

em

Por

Marcas de carros com mais seguidores do Instagram no Brasil

Se o ranking de vendas no Brasil tivesse a ordem abaixo e seria muito interessante (e insólito), não é mesmo? Mas, essa sequência aí não contém vendas de carros, mas seguidores do Instagram.

Pelo que a rede social reporta através das páginas oficiais dos fabricantes e dos importadores – igualmente oficiais – a marca mais popular no Instagram em âmbito nacional é a Volkswagen.

Falem bem ou mal, a VW é a que está no topo com um milhão de seguidores ou quase uma Maceió inteiramente de fãs da marca alemã. A seguir, quem tem uma São José dos Campos e ainda sobra seguidor com 745 mil pessoas.

Marcas de carros com mais seguidores do Instagram no Brasil

VEJA TAMBÉM:

Líder em vendas não quer dizer primeira em popularidade no Instagram. Assim, a Fiat é a terceira, mas a Jeep expõe sua participação no mercado com a quarta posição nesse ranking.

Luxuosas como Land Rover e Audi podem não vender tanto quanto estas, mas possuem legiões de seguidores, superando a popular Hyundai e a igualmente premium Mercedes-Benz.

Marcas de carros com mais seguidores do Instagram no Brasil

Novamente, volume não quer dizer nada no Instagram e a Jaguar é a prova disso com 406 mil seguidores, superando a Ford (por que será hein?) e Nissan. A Porsche é bem vista também, mas observe a discreta Volvo Cars…

Leia Também:  Garota de 9 anos é encontrada morta com corda em Biritiba-Mirim

Também não é surpresa a Citroën ser mais popular que a Peugeot, mas note a JAC com mais seguidores que a Caoa Chery, que vem se destacando no mercado.

Marcas de carros com mais seguidores do Instagram no Brasil

Já as japonesa que restaram no ranking mostram duas coisas. A primeira é que a Honda anda mesmo apagada e a segunda é que falta visibilidade para Suzuki, Lexus e Subaru. E a RAM? Não tem muitos seguidores, mas está avançando em vendas no “interiorzão”…

Confira abaixo as 30 marcas de carros com mais seguidores do Instagram no Brasil:

  1. Volkswagen – 1 milhão
  2. BMW – 745 mil
  3. Fiat – 701 mil
  4. Jeep – 623 mil
  5. Land Rover – 552 mil
  6. Audi – 528 mil
  7. Hyundai – 515 mil
  8. Mercedes-Benz – 500 mil
  9. Chevrolet – 484 mil
  10. Renault – 460 mil
  11. Toyota – 450 mil
  12. Jaguar – 406 mil
  13. Ford – 344 mil
  14. Nissan – 306 mil
  15. Volvo Cars – 295 mil
  16. Porsche – 276 mil
  17. Citroën – 267 mil
  18. Ferrari – 219 mil
  19. Peugeot – 166 mil
  20. Kia – 142 mil
  21. JAC Motors – 133 mil
  22. Caoa Chery – 130 mil
  23. Lamborghini – 128 mil
  24. Troller – 114 mil
  25. Honda – 79,7 mil
  26. McLaren – 78,9 mil
  27. RAM – 76,8 mil
  28. Suzuki – 38,8 mil
  29. Lexus – 35,1 mil
  30. Subaru – 33,2 mil
Leia Também:  Após um mês de namoro virtual, homem ataca e mata “sogro” a facadas

AUTOMOTIVO

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA