BRASÍLIA

BICADA DA ÁGUIA

Deputados distritais que acreditaram no terceiro setor durante o mandato estão em alta com eleitores do DF

Publicados

em

Deputados distritais que apoiaram o terceiro setor durante o mandato

Os distritais Julia Lucy, Leandro Grass, Jorge Vianna, Rodrigo Delmasso e Claudio Abrantes foram parceiros das OSC’s

O terceiro setor é um seguimento que tem crescido muito no país e, em especial, no Distrito Federal, gerando trabalho e renda, mesmo em época de pandemia.

De acordo com a Lei 13.019/2014 o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil – MROSC a gestão do terceiro setor tem se qualificado gradativamente e as parcerias com a administração pública aumentado bastante.

No DF, projetos de empreendedorismo voltados à economia criativa, à economia colaborativa e à economia circular têm recebido apoio dos cinco deputados distritais visionários e que se preocupam com a missão e os valores da sociedade civil organizada.

A deputada Julia Lucy quando se fala de empreendedorismo, a parlamentar brilha os olhos e quer ajudar de alguma forma. O deputado Leandro Grass é oriundo de seguimentos organizados e tem colaborado bastante, principalmente com projetos de empreendedorismo, mas o interessante é que o distrital Jorge Vianna que tem sua base na saúde também entendeu a importância do terceiro setor e destinou emendas para a execução de projetos relevantes, que desperta e fortalece o empreendedorismo. Um dos projetos de sucesso hoje no Distrito Federal é o “SUPEREMPREENDEDORES”, da parceria CDDF / LUMIART, e esses 3 visionários apoiaram neste ano de 2021, capacitando mais de 300 jovens nas escolas públicas nas Regiões Administrativas do Itapoã, Paranoá e Sol Nascente.

O vice-presidente da CLDF, o distrital Rodrigo Delmasso, fez até uma lei que beneficia as OSC’s como as associações de moradores, as prefeituras comunitárias, os conselhos comunitários e as cooperativas, no sentido de promoverem convênios com a Novacap e as administrações regionais para manutenção e reparos nos espaços públicos das quadras das regiões administrativas do DF. Entusiasmado com o sucesso do projeto SUPEREMPREENDEDORES, comprometeu-se a atender no ano de 2022, 10 Regões Administrativas do DF, com o projeto, tanto é que, neste ano de 2021 apresentou moção de louvor aos membros do CDDF e Entorno, por relevantes serviços prestados à comunidades do DF.

“Sou um dos entusiasta dos projetos do CDDF e Entorno através do “EPCDDF Capacitando Jovens para o Futuro” e, esses deputados estão de parabens por apoiarem projetos que atendem à demandas sociais e contribuem com as políticas públicas. Faço votos que todos os outros deputados os acompanhem” Eugenio Piedade, presidente do CDDF e Entorno

Leia Também:  Feriado de Corpus Christi: Ibaneis decreta ponto facultativo na sexta

O deputado Claudio Abrantes veio de uma OSC, o grupo Via Sacra de Planaltina. O parlamentar tem destinado recursos para os eventos religiosos, para as ações culturais e de empreendedorismo com agentes e OSC’s envolvidos no terceiro setor e na economia criativa, bem como na economia circular em todo o Distrito Federal.

Seria muito bom se todos os 24 deputados distritais seguissem o modelo desses cinco parlamentares e investissem no terceiro setor, colaborando para o desenvolvimento de projetos que qualificam os profissionais da área como também as OSC’s responsáveis por arrefecerem as demandas de políticas públicas do estado.

Fonte: BSB TIMES

COMENTE ABAIXO:

BICADA DA ÁGUIA

4 mulheres são vítimas de feminicídio por dia; estupros se multiplicam

Publicados

em

Por

Nos primeiros seis meses deste ano, quatro mulheres foram mortas por dia no Brasil por um atual ou ex-parceiro, totalizando 666 vítimas de feminicídio de janeiro a junho, de acordo com dados de um levantamento inédito do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A diretora-executiva do Fórum, Samira Bueno, acredita que a violência de gênero tem ‘proporções epidêmicas’ mas foi ‘naturalizada socialmente’.

Os casos de estupro em geral e de vulnerável, com vítimas mulheres, aumentaram 8,3% no País no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período de 2020, quando houve subnotificação pela pandemia. No ano passado, 24.664 mulheres foram vítimas de estupro, passando para 26.709 neste ano. Em 2021, janeiro foi o mês com maior número de registros: 4.774 casos.

O levantamento realizado pelo Fórum foi divulgado em primeira mão pelo portal G1 e confirmado pela reportagem do Estadão. “Estamos falando de formas de violência que foram naturalizadas socialmente. A violência de gênero também tem proporções epidêmicas, mas faz tão parte do nosso cotidiano que ostenta números alarmantes todos os dias”, observa.

Os números podem ser ainda maiores, pois nem todos os crimes cometidos contra mulheres por atuais ou ex-parceiros são registrados como feminicídio. No caso de estupro em geral e de vulnerável, a subnotificação já era tema importante na análise dos dados, mas a falta de acesso aos órgãos para realizar a denúncia durante a pandemia pode ter contribuído para uma piora no cenário.

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2021, realizado pelo Fórum e divulgado em julho, aponta que os crimes sexuais apresentam ‘altíssima subnotificação‘ e a falta de pesquisas periódicas de vitimização tornam ‘ainda mais difícil sua mensuração’.

“Estudos que especulam as hipóteses sobre as razões de tal fato tem ganhado espaço. Fala-se em aspectos como uma construção coletiva de pactos que ocultam e silenciam estes crimes, a assim chamada cultura do estupro, somada ao compartilhamento de práticas de masculinidade violentas que perpassam essas ações”, diz trecho do texto sobre os dados de violência sexual no País.

A pesquisa ‘Percepções da população brasileira sobre feminicídio’, realizada pelo Instituto Patrícia Galvão e Locomotiva, divulgada em novembro deste ano, mostrou que para nove em cada dez brasileiros, o local de maior risco de assassinato para as mulheres é dentro de casa, por um atual ou ex-parceiro. Ela apontou, ainda, que 57% dos brasileiros conhecem alguma mulher que foi vítima de ameaça de morte pelo atual ou ex, o que equivale a 91,2 milhões de pessoas.

Leia Também:  Comissão Especial da Vacina debate resultado de diligências

Em entrevista ao Estadão, a especialista avalia as consequências da subnotificação no enfrentamento da violência contra a mulher, como reverter esse cenário nos próximos meses e criar mecanismos para que as denúncias sejam realizadas e as vítimas, acolhidas.

Os dados mostram um aumento real ou apenas a diminuição da subnotificação?

Tem duas análises diferentes. Quando falamos de violência sexual, especialmente de estupro, é difícil precisar se estamos falando de aumento real ou diminuição da notificação, em especial porque a gente sabe que a subnotificação cresceu no ano passado – não só para crimes de gênero, mas para várias modalidades. A queda não necessariamente significa que teve redução da violência sexual. Sobre o crescimento de 8,3% nos casos de estupro neste ano, posso dizer que o dado do ano passado não era real. O dado deste ano é principalmente um aumento da notificação. Em casos de violência sexual, precisa do exame de corpo de delito, então estamos falando de um registro que exige a presença da vítima.

Os recursos financeiros que existiam para as políticas para as mulheres desapareceram. Se você não tem dinheiro para financiar o equipamento público de acolhimento, isso já está restrito. E isso dentro do contexto de pandemia, em que os serviços de saúde, que são porta de entrada para essas mulheres, estavam sobrecarregados pela crise sanitária. Tiveram casas-abrigo que foram desativadas para receber pessoas em situação de rua, isso é fundamental, mas a questão é que não deveríamos ter que escolher entre duas crises: a sanitária e a de enfrentamento da violência de gênero. A violência de gênero também tem proporções epidêmicas, mas faz tão parte do nosso cotidiano que ostenta números alarmantes todos os dias.

O que a subnotificação causa em termos de políticas públicas e de enfrentamento da violência contra as mulheres?

Um problemão. Se a gente não sabe exatamente o tamanho do problema, como a gente vai preparar os equipamentos públicos para atender essas vítimas? O que conseguimos medir do feminicídio hoje no Brasil é o que ocorre a partir de violência doméstica. A violência sexual, em geral, ocorre dentro de casa contra crianças e adolescentes. No ano passado, mais de 60% das vítimas de violência sexual era vulneráveis. A gente está falando de formas de violência que acontecem no espaço privado. Se a gente quer ter mecanismos para acolher as vítimas, punir os autores dos crimes e criar ferramentas de prevenção, a gente precisa saber qual o tamanho do serviço necessário para fazer o atendimento.

Leia Também:  Deputado José Gomes: Distrital solicita vacinação prioritária a dentistas e assistentes

Falamos de violências que são endêmicas, que fazem parte do nosso cotidiano. A sociedade condenar essas formas de violência é algo bastante recente pra gente, foram séculos em que isso era aceitável até do ponto de vista legal. Há 30 anos era comum um feminicida ser absolvido em um Tribunal do Júri por legítima defesa da honra. Estamos falando de formas de violência que foram naturalizadas socialmente. Se a gente não tiver mecanismos para mensurá-las de forma adequada, não somos capazes de preparar os serviços públicos para atender a totalidade das vítimas.

Há casos que não são registrados como feminicídio. É comum? Por que isso ocorre?

Em média, 35% dos assassinatos de mulheres são registrados como feminicídio. Nos estados que qualificam de forma adequada, que têm protocolos específicos de investigação baseada em gênero e que treinaram suas polícias civis, o número pode ser até um pouco maior. Em compensação, quando falamos, por exemplo, do Ceará, só 8% dos casos são lançados como feminicídio. Para se ter uma ideia, no Ceará, no ano passado, houve pouco mais de 300 casos de homicídio de mulheres e só 8% de feminicídio. Existe um preconceito por parte da Polícia Civil. É um estado que sofre muito com crime organizado, então se ela vítima se relacionava com pessoas de facções, eles atribuem que ela morreu em decorrência do tráfico.

Como reverter a subnotificação no segundo semestre?

A gente precisa, principalmente, de campanhas. Fortalecer campanhas e serviços para incentivar a mulher a denunciar. Tem o componente do poder público de fortalecer políticas públicas de prevenção e acolhimento e tem o componente de sociedade civil organizada e empresas que podem fazer para fortalecer suas políticas. Elas precisam ser acolhidas e, para isso, precisam denunciar. É importante que pessoas do ciclo de convivência saibam que ela está sofrendo violência, senão fica difícil resgatá-la desse ciclo. A denúncia só faz sentido se ela for acolhida.

Fonte: IstoÉ
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.