BRASÍLIA

CÂMARA DISTRITAL

Leandro Grass: Em comemoração ao Dia do Cerrado, audiência traz iniciativas de preservação do bioma

Dar visibilidade às iniciativas de preservação do cerrado foi um dos objetivos da audiência pública da Câmara Legislativa em comemoração ao Dia do Cerrado. O evento remoto, na tarde desta segunda-feira (13), foi transmitido ao vivo pela TV Web CLDF e pelo portal da Casa no Youtube, com participação pelo e-democracia.

O mediador do encontro, deputado Leandro Grass (Rede), ao lembrar o Dia Nacional do Cerrado (11), destacou a importância do segundo maior bioma brasileiro. Ele lamentou os dados divulgados pelo Instituo Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), na semana passada, que revelaram a destruição de 3.774 quilômetros quadrados de cerrado, desmatados entre janeiro e agosto deste ano, o que representa um aumento de 25 % em comparação ao mesmo período do ano passado. Em que pese o quadro de destruição do bioma no País, ele sinalizou que no DF houve avanços, como a Lei de Proteção do Cerrado (Lei 6364/2019). “No entanto, isso não é suficiente, sendo necessárias outras ações para manter o cerrado de pé nas mais diferentes perspectivas”, afirmou, ao enfatizar a importância de conferir visibilidade às iniciativas da sociedade civil organizada.
Empreendedorismo 
“Conciliar a conservação do cerrado com a geração de alternativa de renda a partir do que a natureza oferece” é o foco da Central do Cerrado, segundo o representante da organização, Luis Carrazza. Ele explanou que a central, com sede em Sobradinho (DF), reúne cooperativas de base comunitária de agricultores familiares e extrativistas que se juntaram para comercializar coletivamente mais de duzentos itens do cerrado, como o jatobá, baru, cajuzinho, babaçu, buriti e mangaba. Ainda segundo Carrazza, o uso sustentável orienta a Central do Cerrado, que está no e-commerce, Mercado Livre, entre outros pontos de comercialização.
A comercialização é um das principais dificuldades da agricultura familiar, observou a representante do Fórum Distrital Permanente das Mulheres do Campo e do Cerrado, Teresinha Araújo. Ela narrou sua história, cujo sustento familiar é oriundo dos produtos que são feitos com frutos do cerrado, como geleias e licores. Nesse sentido, o deputado Leandro Grass reforçou que a logística e comercialização da produção é um “desafio imenso”, o que demonstra a necessidade de fortalecer os produtores rurais para além do cultivo.
Nessa questão, a subsecretária de Gestão Ambiental e Territorial da Secretaria do Meio Ambiente (Sema), Maria Sílvia Rossi, chamou a atenção para o enorme potencial logístico do DF, pela sua localização estratégica. Este fator, somado ao uso da biodiversidade, entre outros aspectos, pode alargar a base econômica do DF, na avaliação de Rossi, que é engenheira agrônoma. “É fundamental fortalecer a atividade produtiva do campo”, reforçou, ao defender o redirecionamento do foco, na revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT), para a área rural.
Em outro ângulo, a subsecretária considerou como positiva a construção da sustentabilidade a partir da legislação sobre zoneamento ecológico e econômico. Rossi ainda salientou a importância da participação da sociedade civil nos cursos de capacitação para novas tecnologias, oferecidos pela Secretaria.  Oficinas e atividades também estão sendo ofertados pelo Jardim Botânico de Brasília (JBB) como parte das comemorações pelo Dia do Cerrado, segundo a diretora adjunta do local, Lenise Gomes. Ela lembrou que o lugar é conhecido como “jardim do cerrado” e enfatizou as ações do JBB pela preservação desse bioma.
Educação Ambiental 
A educação ambiental por meio do programa Parque Educador, do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), é uma ação de longo prazo, de acordo com o coordenador do projeto, Luís Felipe Alencar. “Educação não é algo que se faz de um dia para o outro”, salientou. O programa, desde 2018, já atendeu mais de sete mil e quinhentos alunos de 122 escolas. Em cinco anos, o alvo é atender todas as escolas do DF, acredita Alencar, ao apoiar as iniciativas educacionais acerca da proteção e preservação do cerrado. “Você só preserva aquilo que você conhece”, argumentou o poeta e ecologista Nicolas Behr, autor do livro “Aves, cores e flores do cerrado” voltado ao público infanto-juvenil.
De modo tangente, o idealizador do projeto Caminhos do Planalto Central, João Carlos Machado, salientou a integração do território para a valorização das experiências. No próximo domingo (19), na 110 Norte, haverá atividades destinadas às crianças sobre as trilhas e também  apresentações sobre a fauna e a flora, anunciou.
Riscos à biodiversidade
Os riscos à biodiversidade do cerrado foram expostos pelo presidente da Associação Brasileira de Medicina Antroposófica, seção Centro-Oeste, Marcos Trajano, que trabalha com fitoterapia e é idealizador do projeto de cultivo agroflorestal biodinâmico de plantas medicinais. Ele defendeu com veemência políticas públicas de fortalecimento no combate a incêndios florestais “criminosos”.
Por sua vez, a diretora do Museu do Cerrado, Rosângela Corrêa, discorreu sobre a riqueza da biodiversidade do cerrado e sua importância para os aquíferos da América do Sul. “O cerrado tem no seu interior uma fantástica bomba de água”, explicou Corrêa, que também é professora da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB). Ela chamou a atenção para o fato de que “a crise hídrica é fruto de uma crise civilizatória”, que não percebe a interdependência dos biomas.
As queimadas e ações depredatórias com relação ao cerrado motivaram diversos protestos de participantes pelos canais virtuais da Casa, entre outras manifestações lidas pelo deputado Leandro Grass durante o evento.

Leia Também:  Câmara Legislativa aprova criação da Universidade do Distrito Federal

Franci Moraes – Agência CLDF

COMENTE ABAIXO:

CÂMARA DISTRITAL

Jorge Vianna o Deputado que trabalha pela Saúde e Educação do DF

Publicados

em

Por

Deputado Jorge Vianna tem cerca de 4,2 milhões em emendas liberadas para a educação de todo o DF

Após Saúde, segmento é considerado segunda mais prioritário para deputado

O deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), ao longo dos três anos de mandato, destinou um total de R$ 4,42 milhões em emendas parlamentares, para as escolas públicas do DF. Ao todo, 72 unidades de ensino foram beneficiadas com as destinações do parlamentar, algumas por mais de uma ocasião.

Desse montante, em 2019, 17 unidades foram beneficiadas, com um total de R$ 810 mil (19%) do montante total. No ano seguinte, 40 escolas receberam o aporte de 1,8 milhões (43%) e até agosto de 2021, 47 escolas de todo DF foram contempladas com cerca de 1,6 milhões (38%) dos R$ 4,42 milhões. A Região Administrativa (RA) Samambaia, base do deputado foi contemplada em 2019 com 73% dos R$ 810 mil, seguido de Taguatinga (15%) e Ceilândia (12%).

Em 2020, 40 escolas de Samambaia receberam R$ 910 mil (51%) das emendas destinadas por Vianna à Educação, Taguatinga, R$ 240 mil (13%), Ceilândia R$ 80 mil (4%), porém, outras 11 unidades de ensino nas RAs, Núcleo Bandeirante, Recanto das Emas, Brazlândia, Riacho Fundo I, Gama, São Sebastião, e Santa Maria, dividiram outros R$ 634 mil (34%) dos recursos, dos 1,8 milhões enviados às escolas públicas do DF.

Leia Também:  Projeto que institui o Estatuto da Juventude no DF recebe contribuições em audiência pública

Nesse ano, Samambaia já recebeu R$ 490 mil (32%), Taguatinga R$ 340 mil (22%), Ceilandia R$ 250 mil (16%) e outros R$ 550 mil foram destinados ao Núcleo Bandeirante, Recanto das Emas, Brazlândia, Riacho Fundo I, Gama, São Sebastião, Santa Maria, Sobradinho, Plano Piloto e Paranoá.

Para o deputado Jorge Vianna, egresso da Saúde, em que destina cerca de 70% da verba parlamentar, anualmente, a Educação é a segunda prioridade em relação ao mandato, pois considerando que infelizmente nosso sistema de saúde, mesmo com a maravilha do SUS ainda é extremamente deficitário, é um compromisso de campanha, destinar a maior parte das suas emendas à Saúde, pois sem saúde.

“Educação é o eixo fundamental que dá estrutura e que prepara o cidadão para a jornada da vida, um segmento que para mim também é prioritário.”, disse Vianna ao ponderar para a pouca disponibilidade de verba a ser destinada pelos parlamentares, “Infelizmente, nós parlamentares não dispomos de tantos recursos quanto gostaríamos para ajudar a atender as demandas da população do DF, mas tenha certeza que estou fazendo o melhor possível.”, concluiu.

Leia Também:  CLDF comemora os 38 anos da CUT em sessão solene

Fonte: Com informações do Blog Politica Distrital

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.