BRASÍLIA

DISTRITO FEDERAL II

Criança de três anos passa por transplante de pele no Hran

Morador de Flores, município goiano a cerca de 240 km de Brasília, o pequeno A.M.L, 3 anos, sofreu um acidente doméstico e teve 40% do corpo queimado por líquido inflamável – álcool 70% manuseado de forma inadequada. No dia 30 de maio, ele deu entrada na Unidade de Queimados do Hospital Regional da Asa Norte e passou por um transplante de pele, na última quinta-feira (3), e nesta terça-feira (9), tornando-se o paciente mais jovem a realizar o procedimento no hospital.

O enxerto é uma solução temporária para os primeiros dias de tratamento. Depois, vai sendo substituído pelo autoenxerto, que é a pele do próprio paciente | Foto: Breno Esaki/ Agência Saúde

A queimadura atingiu os membros superiores, tórax posterior, ombros, região lombar e membro inferior (coxa esquerda). A cirurgia consiste, primeiro, em retirar a pele morta, que contém uma substância que causa diminuição da imunidade dos pacientes com queimaduras graves (de 2º e 3º graus), como foi o caso da criança, e deixa o paciente suscetível a infecções. Em seguida, é colocada a pele de um doador já falecido para que possa ocorrer a recuperação das áreas atingidas. Todo o processo durou cerca de duas horas.

“Em torno de 10 a 14 dias a pele do doador é perdida. Nesse período, vamos substituindo pelo autoenxerto”Fernando Pontes, cirurgião plástico

Esse enxerto é uma solução temporária para os primeiros dias de tratamento. “Essa pele vai agir como se fosse a dele e chega a se integrar inicialmente. Nesse tempo, conseguimos melhorar o paciente clinicamente, controlar infecções e, assim, realizar o autoenxerto – quando o doador recebe a própria pele, retirada de partes do seu corpo que não sofreram queimadura”, relata o cirurgião plástico, Fernando Pontes, que conduziu a cirurgia. Confira o vídeo:

O médico explica que isso permite que o paciente tenha condições de se recuperar até que possa pouco a pouco receber sua própria pele. “Em torno de 10 a 14 dias a pele do doador é perdida. Nesse período, vamos substituindo pelo autoenxerto”, afirma. Segundo Pontes, o menino começou o autoenxerto nesta quarta-feira (9) e, a cada três dias, deve ser substituído parte do enxerto transplantado por pele própria.

Leia Também:  Organizadores do "Projeto Do Povo Para o Povo", homenageiam Lideranças Comunitárias

Recuperação

De acordo com o especialista, a meta é fechar 1% de superfície corporal por dia. “Como ele teve 40% do corpo queimado, esperamos que em 40 dias ele esteja todo coberto. Isso dá uma ideia de quanto tempo vai permanecer internado”, estima.

Após esse período, entra na fase de tratamento das sequelas. “Essa parte do tratamento é para reduzir o impacto das funções e não ficar com retrações que impeçam os movimentos e, no caso dele, o desenvolvimento”, aponta o médico, que acrescenta ainda que é indicado ao paciente a fisioterapia e o acompanhamento psicológico. “Os cuidados vão até a fase adulta”, completa.

A pele que ajudou a salvar o paciente veio do banco de pele de Porto Alegre. Foi preciso 1.700 cm² de pele para realizar o transplante| Foto: Breno Esaki/ Agência Saúde

Banco de tecidos

A pele que ajudou a salvar o pequeno A.M.L. veio do banco de pele de Porto Alegre. O caminho, segundo o cirurgião, é solicitar à Central Estadual de Transplantes e eles entram em contato com o banco de pele para verificar a disponibilidade. O material é transportado em voos comerciais ou da Força Aérea Brasileira.

Ao realizar o pedido, é preciso especificar a quantidade necessária. No caso da criança, foi preciso 1.700 cm² de pele para realizar o transplante.

Todo o trâmite segue as diretrizes estabelecidas pelo Ministério da Saúde. Além do banco de Porto Alegre, existem outros três no Brasil, localizados em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba.

Leia Também:  Vacinação de novos grupos não prejudica a imunização dos idosos no DF

De acordo com o chefe da Unidade de Queimados do Hran, Gilberto de Aguiar, existe a expectativa de em breve o Distrito Federal contar com um banco de também. “Estamos na fase de negociações para a implantação de um banco de pele aqui em Brasília”, declarou.

“Estamos na fase de negociações para a implantação de um banco de pele aqui em Brasília”Gilberto de Aguiar, chefe da Unidade de Queimados do Hran

Referência

A Unidade de Queimados do Hran é referência para tratamento de queimaduras e recebe pacientes do Distrito Federal e do Entorno. O hospital é o único que faz transplante de pele e já fez 10 procedimentos do tipo em 2019, 2 em 2020 e outros dois este ano – sendo que o segundo ocorreu no paciente mencionado nesta reportagem.

O local conta com equipe multiprofissional formada por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, nutricionistas e farmácia clínica para oferecer um tratamento integral aos pacientes.

“O paciente com queimadura é complexo e exige um cuidado multidisciplinar. Aqui temos essa equipe para abranger todas as áreas que demandam atenção no cuidado e recuperação desse paciente”, destaca o chefe da unidade.

A emergência do hospital funciona 24 horas, todos os dias da semana. Além disso, há o ambulatório de portas abertas, que funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h, em que são realizadas trocas de curativos e acompanhamento de pacientes com queimaduras menos graves.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Agência Brasília

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DISTRITO FEDERAL II

Detran-DF lança o emplacamento totalmente digital

Publicados

em

Por

O Primeiro Emplacamento Inteligente – PEI de veículos zero km acontece diretamente na concessionária, sem a interferência de terceiros

(Brasília, 17/6/2021) O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) lança mais uma inovação para facilitar o dia a dia do cidadão. A novidade é para quem adquirir veículo zero km: o Primeiro Emplacamento Inteligente – PEI, e foi publicada nesta quinta-feira (17), no Diário Oficial do DF, por meio da Instrução nº 350, de 16 de junho de 2021.

Seguindo a evolução tecnológica implementada pelo Detran Digital, o PEI consiste no registro simplificado e imediato, no sistema do Departamento, de veículos novos adquiridos junto a concessionárias no âmbito do Distrito Federal.

De acordo com o diretor-geral do Detran-DF, Zélio Maia, as inovações tecnológicas implementadas têm promovido agilidade e desburocratização na relação entre a Autarquia, cidadãos, empresas e outras entidades.

No caso do PEI, a concessionária participante irá informar ao Detran, via sistema, os dados pessoais do comprador, o chassi do veículo e informações do contrato de financiamento, se houver.

Automaticamente, serão gerados o número da placa do veículo e o Certificado de Registro e Licenciamento Eletrônico – CRLV-e.

“A partir de agora, quem compra carro zero, por exemplo, já sai da loja com o veículo registrado, com o CRLV-e disponível no aplicativo Detran Digital e com o número da placa. E o principal: sem a intervenção de terceiros e sem custos a mais para o consumidor”, destaca o diretor.

Custos

Segundo o diretor-geral, as concessionárias deverão recolher somente as taxas de serviços relacionadas ao registro de veículo zero Km, à consulta à base de dados nacional e à autorização de estampagem da placa.

Como aderir ao PEI

As concessionárias interessadas em oferecer a facilidade do emplacamento digital aos seus clientes devem ser legalmente constituídas e registradas no âmbito do Distrito Federal. Para fazer a adesão ao PEI, é necessário apresentar a documentação exigida na Instrução nº 350, conforme a relação abaixo, nas unidades do Detran que possuem o serviço do protocolo:

I – Termo de Adesão ao Programa 1º Emplacamento Inteligente – PEI, na forma do Anexo I, assinado pelo representante legal da empresa, mediante

reconhecimento de firma ou assinatura eletrônica.

II – contrato social da entidade registrado na Junta Comercial do Distrito Federal;

III – cartão do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica – CNPJ;

IV – alvará de funcionamento com data de validade em vigor;

V – identidade e/ou documento equivalente do responsável pela empresa; e

VI – prova de regularidade fiscal, trabalhista e previdenciária, mediante respectiva certidão com data de validade em vigor;

A empresa que atender aos requisitos será considerada apta e terá direito a até duas autorizações de acesso ao sistema informatizado do Detran, válidas por 12 meses, podendo ser renovadas, desde que comprovadas as exigências definidas acima.

O planejamento é que, em breve, as transações digitais estejam disponíveis também na relação de transferência de veículos usados entre pessoas físicas.

Detran-DF

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Serviços de saúde na 6ª edição do Sua Vida Vale Muito Itinerante
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA