BRASÍLIA

DISTRITO FEDERAL

Aldeia indígena do Noroeste recebe ação de higiene bucal

Publicados

em


Foto: Mary Leal/Secretaria de Educação
As profissionais em saúde bucal contaram histórias, para mostrar os efeitos dos alimentos nos dentes. Mikaelle, de sete anos, contou como seu dente caiu e foi instruída a fazer a escovação diária | Foto: Mary Leal/Secretaria de Educação

A Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto realizou, nesta terça-feira (15), uma ação focada na saúde e higiene bucal dos estudantes indígenas de escolas da rede pública. Foram atendidos mais de 80 meninos e meninas das etnias Fulni-ô Tapuya, Tuxá, Kariri-Xocó e Guajajara, no Santuário dos Pajés, no Setor Noroeste. O secretário de Educação, Leandro Cruz, participou da atividade.

Durante a visita, foram distribuídas cestas básicas da campanha Natal sem Fome, kits de higiene, máscaras e protetores faciais. “Essa ação é muito importante. Hoje discutimos com os estudantes sobre educação e higiene bucal e, para isso, contamos com o apoio de profissionais da odontologia. Falamos também sobre as questões educacionais da comunidade. Estamos levando a esses povos, acima de tudo, cidadania. Esse é o nosso objetivo. Educação, cultura, esporte e bons hábitos de higiene andam de mãos dadas”, disse o secretário.

Escovação

Gabriela Freire, presidente da Associação Brasileira de Odontopediatria do Distrito Federal (Aboped-DF), revelou que essa foi a primeira vez que a instituição esteve em uma aldeia indígena. A ideia era instruir as crianças em relação à escovação, uso de fio de dental e todos os procedimentos de higiene. Além disso, as dentistas fizeram exame clínico em cada criança.

“Nós trouxemos um vídeo que a nossa associação fez para orientar os pais e mães da comunidade, para que essa população não tenha, ou para que a gente consiga, pelo menos, reduzir a incidência de cárie nas crianças. Pelo exame clínico que realizamos, notamos que muitos apresentam lesões. Então, anotamos o nome daquelas que precisam de alguma intervenção para tentarmos ou retornar para fazer o tratamento ou encaminhá-las para alguma entidade que consiga nos ajudar”, disse a presidente.

Foto: Mary Leal/Secretaria de Educação
Durante a visita, foram distribuídas cestas básicas da campanha Natal sem Fome, kits de higiene, máscaras e protetores faciais | Foto: Mary Leal/Secretaria de Educação

As profissionais em saúde bucal fizeram, ainda, um momento de contação de história para as crianças. Uma maneira lúdica de mostrar os efeitos dos alimentos nos dentes e as consequências de não escová-los diariamente.

A estudante Mikaelle, de apenas sete anos, se identificou e resolveu contar para as dentistas o que aconteceu com o dente dela. “Eu contei para elas que meu dente amoleceu e quando fui escovar ele caiu na minha mão. Limpei ele e coloquei no travesseiro para ver se ganhava alguma coisa da fada madrinha. Eu desejei um chocolate”, revelou a menina, que participou da aula sobre escovação para não ter problemas com os doces no futuro.

Parceria

A coordenadora da regional do Plano Pilo, Edilene Abreu, explicou que a iniciativa em parceria com a Aboped-DF faz parte do acompanhamento que a CRE tem realizado com as famílias locais. “O Conselho adotou a ideia do DF e trabalhou de uma maneira muito lúdica. Também aproveitamos essas ações para fazer uma buscar ativa, a fim de estimular os estudantes a não abandonarem a escola na pandemia. Percebemos que este ambiente estava muito vulnerável à evasão escolar, então, a busca funciona como uma ação de fortalecimento”, informou.

Como parte da campanha de Natal, também foram arrecadadas quatro bicicletas para sorteio entre os estudantes. Mas, para ganhar, o pré-requisito era estar em dia com os estudos on-line. Os estudantes indígenas estão matriculados em 12 escolas da CRE PP: CED Gisno, CEF 410, CEI 316, EC 102 Sul, EC 308 Sul, JI 312, EC 405 Norte, EC Granja do Torto, EC RCG, CEF 03 (Asa Sul), CEF 07 (Asa Norte) e EC 115 Norte.

*Com informações da Secretaria de Educação

Fonte: Governo DF

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Deputado Agaciel Maia visita o Centro de Ensino Especial 01 de Samambaia
Propaganda

DISTRITO FEDERAL

Para justificar dificuldade de vacinação, subsecretário de Saúde do DF superestima população de idosos

Publicados

em

O subsecretário de Vigilância à Saúde informou quase o dobro da quantidade de pessoas com 60 a 65 anos que vivem no DF

Divino ValeroReprodução/YouTube

Ao tentar explicar a dificuldade na vacinação contra a Covid-19 no DF – que saltou de primeira unidade da Federação para 15ª no índice de eficiência de imunização –, o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero Martins, superestimou grosseiramente a quantidade de pessoas das faixas etárias de 60 a 65 anos.

O subsecretário calculou o prazo de um mês e meio para o início da vacinação de indivíduos a partir de 60 anos, com base em um número que é quase o dobro da realidade. Em um primeiro momento da reunião, Divino Valero disse que há 400 mil pessoas com 60 a 65 anos no DF. Porém, esses dados são gritantemente diferentes dos que foram levantados pelo próprio Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan). De acordo com a empresa pública, há 136.042 pessoas dessas faixas etárias na capital do país. Ou seja, para contemplar esse público com as duas etapas de imunização, seriam necessárias 272.084 doses de vacina.

“É simples: estamos recebendo uma média de 60 mil doses por semana. É só multiplicar por uma população, de 65 a 60 anos, em torno de 400 mil habitantes, a gente já consegue fazer uma projeção de um mês e meio, no mínimo, para que nós consigamos chegar aos 60 anos. Isso é o meu cálculo racional”, afirmou Divino Valero.

O cálculo racional do subsecretário está equivocado. Vinte e oito minutos depois de ter citado 400 mil habitantes, sem fazer nenhuma menção a sua primeira fala superestimada, ele informa os dados da Codeplan, segundo os quais existem 136 mil pessoas nessas faixas etárias.
Ritmo da imunização

A vacinação no DF começou num ritmo que posicionou a capital entre as primeiras unidades da Federação com o melhor desempenho na imunização. Em fevereiro, o DF chegou a ocupar o primeiro lugar no ranking em distribuição de vacina, mas, dois meses depois, caiu para a 15ª posição, conforme os dados do Portal Covid-19 no Brasil, atualizados com informações de órgãos oficiais.

Leia Também:  Ricardo Grossi, Subsecretário de Serviços da Secretaria de Mobilidade e Transportes do DF e Diretor de Parceria Público Privada do CDDF, visita a Presidente da Associação Agroecologia Mulheres Rurais do Assentamento Canaã em Brazlandia, Ivanildes Souza.

O Distrito Federal vacinou, até terça-feira, 329.639 pessoas com a primeira dose, quantidade que representa 10,79% dos moradores. O Rio Grande do Sul é a unidade da Federação que mais imunizou seus cidadãos, até o momento: 15,47%.

Veja o ranking das UFs:

O outro lado

Questionada pela coluna Grande Angular sobre a expressiva queda no ranking de vacinação, a Secretaria de Saúde informou que guarda 163 mil doses para usá-las como segunda aplicação, no caso de quem já passou pela primeira etapa.

Segundo a pasta, a reserva dos imunizantes para a segunda dose é orientada por meio de Informes Técnicos do Ministério da Saúde, expedidos quando novas remessas de vacina são enviadas para os estados.

Em nota, a Secretaria de Saúde do DF pontuou que o subsecretário Divino Valero “se equivocou neste momento da reunião ao falar ‘400 mil habitantes’, uma vez que, ao longo do próprio debate com os deputados, ele já havia falado o número de 136 mil pessoas de 60 a 65 anos”.

“Portanto, considerando este público a ser vacinado e o quantitativo de doses que o Ministério tem encaminhado para ser usado como D1 [primeira dose], a expectativa é que leve cerca de um mês e meio para vacinar todo o grupo de 60 a 65 anos com D1. O subsecretário destacou ainda que, caso haja o envio de um quantitativo maior de doses, o Distrito Federal tem capacidade plena para realizar a vacinação de forma célere”, pontuou.

Leia Também:  Luzes de Natal na Torre de TV

Sobre a queda no ranking das UFs que mais vacinam, a pasta respondeu que o DF “segue à risca as determinações do Ministério da Saúde quanto ao uso das vacinas em primeira e em segunda dose”. “Até o momento, não houve qualquer documento do órgão federal que libere o uso da D2 [segunda dose] como D1”, afirmou.

“Em segundo lugar, o Distrito Federal está vacinando um quantitativo alto de pessoas do Entorno e de outros estados. Só em primeira dose, já foram vacinadas mais de 38.318 pessoas de fora. Em terceiro lugar, a Secretaria de Saúde considera que estão subestimados alguns públicos-alvo usados pelo Ministério da Saúde para cálculo de percentual de vacinas. Entre eles, os de profissionais de saúde”, frisou.

De acordo com a Secretaria de Saúde, há em estoque, atualmente, 123 mil doses para segunda aplicação, na Rede de Frio Central, e outras 40 mil doses D2 já estão distribuídas nas Regiões de Saúde.

“O Ministério da Saúde, até o momento, não encaminhou qualquer documento que libere o uso de D2 como D1. Os informes que são enviados pelo órgão federal junto às remessas de vacinas continuam com as informações da guarda de doses para uso de D2”, pontuou a pasta, que enviou um documento do Ministério da Saúde orientando a aplicação de segunda dose. Veja a nota técnica:

Informe técnico do Ministério da SaúdeInforme técnico do Ministério da Saúde
Informe técnico do Ministério da Saúde sobre armazenamento de doses de vacinas contra a Covid-19

O Ministério da Saúde disse à coluna que a estratégia de vacinação é definida a cada nova pauta de distribuição, semanalmente, entre governo federal, estados e municípios. Estados e municípios têm autonomia para seguir com a campanha local, de acordo com as demandas regionais.

Fonte: Metropoles
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA