BRASÍLIA

DISTRITO FEDERAL

Inteligência Imobiliária e o fim da era do achismo 

Publicados

em

A inteligência imobiliária vem para encerrar a era do achismo no segmento, desmontando aquelas avaliações de imóveis realizadas na correria, que erram ao fazer uma leitura de momento do mercado, enviesando a precificação devido à baixa amostragem de dados.Nessa nova era, a ciência está transformando o comportamento humano em números mensuráveis e dados analíticos. E sabe o que isso tem a ver com você? Simples, tudo isso pode ser reutilizado para empoderar pessoas e investidores. Utilizar inteligência imobiliária é estar sempre em busca de conhecimento, de olho nos movimentos do mercado e em suas inovações com o objetivo de obter maior efetividade ao tomar as decisões corretas sem se perder no meio de tantas informações. É por meio de dados confiáveis e consolidados que a inteligência imobiliária possibilita uma visão de longo prazo do comportamento mercadológico, bem como maior precisão nas avaliações e a possibilidade de tratar os imóveis como ativos financeiros, comparando-os de forma objetiva com outras modalidades de investimentos. E como ficariam os dados para precificação sem e com inteligência imobiliária?  Imagine esta cena: um corretor precisando avaliar um apartamento de 3 quartos na Asa Sul resolve compará-lo com outro anunciado na quadra ao lado, com área parecida e a apenas 100 metros de distância. Depois esse mesmo corretor consulta as planilhas da imobiliária e observa que dois outros imóveis similares foram vendidos na mesma região naquele ano e os compara ao primeiro apartamento que ele pesquisou. Sua pesquisa termina adicionando mais 6 ou 10 imóveis de anúncios da região para chegar a uma avaliação. Daí surgem diversos problemas. Primeiro, a amostragem é pequena, pois é realizada com a oferta do momento da avaliação. Mas, naquele momento, podem ter ofertas com preço fora da realidade ou de imóveis com perfil muito diferente ao do imóvel avaliado. Segundo,a escolha dos imóveis de comparação é feita por uma pessoa que, nesse caso, tem o poder de comparar o imóvel pesquisado com outros que estejam com um valor elevado para gerar uma avaliação alta, ou com imóveis de valor menor para gerar uma avaliação com preço menor. Enquanto a inteligência imobiliária utiliza uma grande base de dados, com no mínimo 3 meses de dados acumulados para entender com grande precisão os movimentos do mercado e com inteligência artificial retira da amostra dados que estejam discrepantes ou erradas e leva em consideração o tempo que esses dados estão disponíveis, pois de que adianta avaliar um imóvel comparando-o com um que está com valor elevado e que não está tendo procura ou já está com a venda estagnada há um longo período anunciado. O outro ponto é que o preço é demonstrado de acordo com o perfil do imóvel, evitando assim enviesar o preço e permitindo a análise com transparência. Assim pode-se dizer que a inteligência Imobiliária organiza grandes volumes de dados para alcançar a realidade  O problema das precificações é que ficou humanamente inviável para o profissional calcular sozinho todas variáveis necessárias para uma avaliação correta. O volume de dados necessários para serem levantados, organizados, processados e analisados para uma precificação correta está além da capacidade individual. São centenas de imóveis novos toda semana sendo colocados à venda. Com a inteligência imobiliária é possível empregar tecnologias analíticas modernas para comparar um volume colossal de dados, processando as informações com Inteligência Artificial. O resultado disso são avaliações consistentes que traduzem com grande precisão a realidade do mercado.

Leia Também:  Após servidores relatarem tremores, prédio do TJDFT é evacuado

Pablo Bueno – MBA em Marketing corporativo / Atuação em incorporadoras imobiliárias do DF/ Presidente Associação Nacional Netimóveis – DF

Jornalista Kellen Cristina Rechetelo exclusivo para o EG NEWS

Fonte: http://temporarioegnews.com.br

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

DISTRITO FEDERAL

Vídeo: Mulher mata próprio namorado com tiro acidental no Areal

Publicados

em

crédito: Reprodução

Caso ocorreu na madrugada do último sábado (1º/4). Segundo a Polícia Civil, o homem foi encaminhado ao hospital de Taguatinga Sul, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito

 (crédito: Reprodução)
(crédito: Reprodução)

Um homem de 26 anos morreu, na madrugada do último sábado (1º/5), após levar um tiro acidental da própria namorada, 24 anos. O fato ocorreu na rua 21, no Areal, bairro localizado em Águas Claras, e está sob investigação dos policiais civis da 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul).

Com ajuda da câmera de segurança, imagens mostram o momento exato em que a mulher pega uma arma de fogo que estava em cima da mesa e realiza os disparos contra o namorado, que estava em pé próximo da porta. Confira o vídeo, que tem imagens fortes de violência.

Segundo a Polícia Civil, a vítima foi socorrida por parentes e encaminhada para o Hospital Santa Marta, em Taguatinga Sul. No entanto, o homem não resistiu aos ferimentos dos disparos e veio a óbito no hospital. A ocorrência do caso foi registrada pela corporação como homicídio culposo, quando não há intenção de matar e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

A autora do crime, acompanhada do advogado, se apresentou espontaneamente à Polícia Civil e prestou depoimento sobre o fato. Logo depois, ela foi liberada mediante compromisso de apresentar-se na delegacia.

Leia Também:  Aluna da rede pública do DF ganha concurso japonês de fotografia

Fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2021/05/4922085-mulher-mata-proprio-namorado-com-tiro-acidental-no-areal.html

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA