BRASÍLIA

DISTRITO FEDERAL

Polícia procura suspeito de fraudar bilhetagem do DFTrans

Publicados

em

Ronaldo de Oliveira e a companheira são os principais alvos da operação que constatou fraude bilionária no sistema

PCDF/DivulgaçãoPCDF/DIVULGAÇÃO

A Coordenação de Repressão aos Crimes contra o Consumidor (Corf) da Polícia Civil do DF (PCDF) divulgou foto de um foragido da Justiça. Ronaldo de Oliveira, 44 anos, é acusado de ser um dos cabeças do esquema de corrupção no extinto Transporte Público do Distrito Federal (DFTrans).

A investigação deu origem à Operação Trickster, deflagrada pela corporação. De acordo com a polícia, há informação de que Ronaldo estaria circulando pela região de Brazlândia. O foragido já foi denunciado pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Os policiais apuram um esquema criminoso no qual R$ 1 bilhão teria sido desviado da bilhetagem. A companheira dele, Soraya Gomes da Cunha, também foi presa durante a operação e usa tornozeleira eletrônicaOs dois são os principais alvos da Trickster, que já teve o inquérito concluído e enviado à Justiça.

Tanto Ronaldo quanto Soraya respondem por crimes de corrupção ativa, associação criminosa e estelionato contra a administração pública. Policiais chegaram a ir até a casa da família, em uma chácara de Brazlândia.

A prisão do casal de empresários foi pedida pela polícia e concedida pela Justiça após os investigadores confirmarem que Ronaldo e Soraya pagavam propina para o ex-responsável pela unidade de controle de bilhetagem automática do DFTrans Harumy Tomonori. Ele foi detido em 23 de março do ano passado, em mais um desdobramento da operação.

Em depoimento, Harumy confessou que, mensalmente, recebia entre R$ 10 mil e R$ 15 mil para agilizar processos, pagamentos e fazer vista-grossa diante de irregularidades e fraudes cometidas pelas empresas de Ronaldo e Soraya. Entre as falcatruas, estava o fato de as empresas do casal descarregarem cartões estudantis de alunos no Entorno do DF como se fossem da rede pública de ensino do DF.

Imagens obtidas flagraram Harumy deixando umas das empresas do casal portando um envelope com o dinheiro pago em forma de propina. Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão, os policiais encontraram um envelope semelhante na casa de Harumy com cerca de R$ 12 mil.

Suspensão de contratos

Em 18 de outubro de 2018, o Tribunal de Contas do DF determinou a anulação de um dos procedimentos licitatórios do qual as empresas de Ronaldo de Oliveira faziam parte. Além disso, a Corte estabeleceu a instauração de processo administrativo para averiguar a conduta das empresas G.P. Silva Transporte Eireli ME, Cooperativa de Transporte – Cooperbras, Rodoeste Transporte e Turismo Ltda. – EPP e Auto Viação Vitória Ltda. ME, e, ainda, autorizou a abertura de processo à parte no Tribunal para apuração de eventual conluio entre as licitantes.

Leia Também:  'Golpe poderoso na organização', diz Moro sobre prisão de Fuminho

De acordo com a denúncia apresentada ao Ministério Público de Contas do Distrito Federal (MPC-DF) e que deu origem a uma representação no TCDF, o Pregão Eletrônico n° 24/2016 foi colocado sob suspeita pelos conselheiros mesmo antes de vigorar.

Conforme análise da Corte, há indícios de direcionamento de licitação e formação de organização criminosa para burlar, superfaturar, fraudar e vencer licitações. O contrato, de R$ 33.834.154,20 era destinado à realização do transporte de alunos da rede pública na região de Sobradinho.

Segundo a denúncia apurada pelo tribunal, a empresa Rodoeste Transporte e Turismo LTDA. tem como sócia Ana Rosa de Oliveira, mãe de Ronaldo Oliveira, preso na ação da Corf.

A denúncia levada ao Ministério Público de Contas aponta, ainda, que era comum a Rodoeste utilizar os ônibus da frota e seu contrato na região de Brazlândia para transportar alunos usuários do cartão estudantil. A empresa recolheria os passes dos estudantes para que fossem validados nas catracas de outros coletivos, fraudando o subsídio repassado pelo GDF.

A PCDF disponibiliza dos seguintes meios para recebimento de denúncias:
Disque-Denúncia: telefone 197
E-mail: [email protected]
WhatsApp (61) 98626-1197
Denúncia on-line: http://www.pcdf.df.gov.br/servicos/197

Postagem: http://temporarioegnews.com.br

Fonte:Metropoles

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DISTRITO FEDERAL

Para justificar dificuldade de vacinação, subsecretário de Saúde do DF superestima população de idosos

Publicados

em

O subsecretário de Vigilância à Saúde informou quase o dobro da quantidade de pessoas com 60 a 65 anos que vivem no DF

Divino ValeroReprodução/YouTube

Ao tentar explicar a dificuldade na vacinação contra a Covid-19 no DF – que saltou de primeira unidade da Federação para 15ª no índice de eficiência de imunização –, o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero Martins, superestimou grosseiramente a quantidade de pessoas das faixas etárias de 60 a 65 anos.

O subsecretário calculou o prazo de um mês e meio para o início da vacinação de indivíduos a partir de 60 anos, com base em um número que é quase o dobro da realidade. Em um primeiro momento da reunião, Divino Valero disse que há 400 mil pessoas com 60 a 65 anos no DF. Porém, esses dados são gritantemente diferentes dos que foram levantados pelo próprio Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan). De acordo com a empresa pública, há 136.042 pessoas dessas faixas etárias na capital do país. Ou seja, para contemplar esse público com as duas etapas de imunização, seriam necessárias 272.084 doses de vacina.

“É simples: estamos recebendo uma média de 60 mil doses por semana. É só multiplicar por uma população, de 65 a 60 anos, em torno de 400 mil habitantes, a gente já consegue fazer uma projeção de um mês e meio, no mínimo, para que nós consigamos chegar aos 60 anos. Isso é o meu cálculo racional”, afirmou Divino Valero.

O cálculo racional do subsecretário está equivocado. Vinte e oito minutos depois de ter citado 400 mil habitantes, sem fazer nenhuma menção a sua primeira fala superestimada, ele informa os dados da Codeplan, segundo os quais existem 136 mil pessoas nessas faixas etárias.
Ritmo da imunização

A vacinação no DF começou num ritmo que posicionou a capital entre as primeiras unidades da Federação com o melhor desempenho na imunização. Em fevereiro, o DF chegou a ocupar o primeiro lugar no ranking em distribuição de vacina, mas, dois meses depois, caiu para a 15ª posição, conforme os dados do Portal Covid-19 no Brasil, atualizados com informações de órgãos oficiais.

Leia Também:  Parceria garante melhorias habitacionais para pessoas com deficiência

O Distrito Federal vacinou, até terça-feira, 329.639 pessoas com a primeira dose, quantidade que representa 10,79% dos moradores. O Rio Grande do Sul é a unidade da Federação que mais imunizou seus cidadãos, até o momento: 15,47%.

Veja o ranking das UFs:

O outro lado

Questionada pela coluna Grande Angular sobre a expressiva queda no ranking de vacinação, a Secretaria de Saúde informou que guarda 163 mil doses para usá-las como segunda aplicação, no caso de quem já passou pela primeira etapa.

Segundo a pasta, a reserva dos imunizantes para a segunda dose é orientada por meio de Informes Técnicos do Ministério da Saúde, expedidos quando novas remessas de vacina são enviadas para os estados.

Em nota, a Secretaria de Saúde do DF pontuou que o subsecretário Divino Valero “se equivocou neste momento da reunião ao falar ‘400 mil habitantes’, uma vez que, ao longo do próprio debate com os deputados, ele já havia falado o número de 136 mil pessoas de 60 a 65 anos”.

“Portanto, considerando este público a ser vacinado e o quantitativo de doses que o Ministério tem encaminhado para ser usado como D1 [primeira dose], a expectativa é que leve cerca de um mês e meio para vacinar todo o grupo de 60 a 65 anos com D1. O subsecretário destacou ainda que, caso haja o envio de um quantitativo maior de doses, o Distrito Federal tem capacidade plena para realizar a vacinação de forma célere”, pontuou.

Leia Também:  Inspeção aponta falhas no uso de R$ 2 mi na assistência social do DF

Sobre a queda no ranking das UFs que mais vacinam, a pasta respondeu que o DF “segue à risca as determinações do Ministério da Saúde quanto ao uso das vacinas em primeira e em segunda dose”. “Até o momento, não houve qualquer documento do órgão federal que libere o uso da D2 [segunda dose] como D1”, afirmou.

“Em segundo lugar, o Distrito Federal está vacinando um quantitativo alto de pessoas do Entorno e de outros estados. Só em primeira dose, já foram vacinadas mais de 38.318 pessoas de fora. Em terceiro lugar, a Secretaria de Saúde considera que estão subestimados alguns públicos-alvo usados pelo Ministério da Saúde para cálculo de percentual de vacinas. Entre eles, os de profissionais de saúde”, frisou.

De acordo com a Secretaria de Saúde, há em estoque, atualmente, 123 mil doses para segunda aplicação, na Rede de Frio Central, e outras 40 mil doses D2 já estão distribuídas nas Regiões de Saúde.

“O Ministério da Saúde, até o momento, não encaminhou qualquer documento que libere o uso de D2 como D1. Os informes que são enviados pelo órgão federal junto às remessas de vacinas continuam com as informações da guarda de doses para uso de D2”, pontuou a pasta, que enviou um documento do Ministério da Saúde orientando a aplicação de segunda dose. Veja a nota técnica:

Informe técnico do Ministério da SaúdeInforme técnico do Ministério da Saúde
Informe técnico do Ministério da Saúde sobre armazenamento de doses de vacinas contra a Covid-19

O Ministério da Saúde disse à coluna que a estratégia de vacinação é definida a cada nova pauta de distribuição, semanalmente, entre governo federal, estados e municípios. Estados e municípios têm autonomia para seguir com a campanha local, de acordo com as demandas regionais.

Fonte: Metropoles
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA