BRASÍLIA

ECONOMIA

Com alta de 1,21% em abril, DF tem a terceira maior inflação do país

Publicados

em

Viver na capital do país está cada vez mais caro. Em abril, a inflação no Distrito Federal registrou alta de 1,21%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Apesar da leve queda do indicador na comparação com março (1,41%), o resultado de Brasília foi o terceiro maior do país, atrás do Rio de Janeiro e de Aracaju, e acima da média nacional (1,06%).

A Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) detalhou o cenário, com base nos números do IBGE, e divulgou que os aumentos recorrentes do preço do combustível contribuíram para maior custo de vida no DF. Entre maio de 2021 e abril de 2022, a gasolina acumulou alta de 33,3%.

Pesquisador da Gerência de Contas e Estudos Setoriais da Codeplan, Renato Coitinho ressalta que uma pressão inflacionária recente tem sido observada, especialmente, no setor de transportes e no grupo de alimentação e bebidas. “O mês de abril não foi diferente, com uma elevação de 6,2% nos preços do principal combustível distrital. Os dados indicam que encher o tanque, hoje, custa cerca de um terço a mais do que em abril do ano passado”, exemplifica.

A alta da gasolina, de acordo com Renato, é repassado aos consumidores em geral, pois encarece os custos de frete e mobilidade dos produtores. “Já os preços dos alimentos cresceram mensalmente acima de 1,0% em nove dos últimos dez meses, o que pressiona o poder de consumo das famílias, em especial aquelas de menor renda”, pondera o pesquisador.

Leia Também:  Novo golpe com guia falsa do Simples Nacional para pagamento via pix é alertado pela Receita Federal

A moradia, diferentemente dos outros itens analisados, teve queda no preços caíram em abril, -0,47%. A diminuição se deu graças à redução da bandeira tarifária de escassez hídrica, o que, segundo Coitinho, foi um alento para os moradores do DF. “Mesmo capturando metade do mês, essa alteração gerou uma queda de 5,3% nos preços da energia elétrica no mês passado, segurando uma inflação maior e tornando o grupo de habitação o único a apresentar deflação no período”, explica.

Faixas de renda

O Codeplan calculou a taxa de inflação por faixa de renda no DF, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado pelo IBGE. Segundo a análise, os 25% mais pobres da capital perceberam aumento de 0,97% nos preços em abril, enquanto os 25% mais ricos notaram um incremento de 1,16%. As faixas intermediárias foram as mais afetadas: 1,34% (média-baixa) e 1,42% (média-alta). Os gastos com gasolina têm pesos menores nas faixas das pontas: as famílias de menor renda não têm veículo próprio, enquanto as mais abastadas apresentam recursos para gastar com outros produtos. “As famílias de alta renda tendem a gastar uma porcentagem menor de seu dinheiro com energia elétrica e aluguel, e mais com passagens aéreas, do que as demais faixas”, avalia Renato Coitinho.

Leia Também:  Conheça índices estranhos do mercado financeiro

Embora os dados do DF apresentem melhora em relação a março, o economista e professor de mercado financeiro da Universidade de Brasília (UnB) César Bergo pondera que o número se torna bastante elevado, se comparado a 2021. “Isso faz com que ela passe os 12% ao ano, no acumulado. Esse aumento impacta diretamente a mesa do brasiliense”, alerta. Bergo afirma que era esperado que a energia elétrica fosse um fator importante para reduzir a inflação da capital, mas que, embora ela tenha contribuído, não foi o suficiente para que o índice ficasse em um número razoável.

Para o especialista, a tendência é de que a inflação continue forte, declinando a partir do segundo semestre. “Esperamos que ela chegue ao final do ano com algo próximo a 7%, o que é bem acima do que já tinha sido previsto — na faixa de 6%”, adianta. César Bergo considera que o cenário exige, por parte do consumidor e do trabalhador, muita disciplina e determinação. “A renda cai, o desemprego está elevado, e isso acaba contribuindo para que a vida do brasiliense fique bem difícil. A dica é, sobretudo, evitar endividamento, porque os juros devem estar elevados ainda, o que acaba comprometendo os orçamentos domésticos”, aconselha.

Fonte: Correio Braziliense

COMENTE ABAIXO:

ECONOMIA

Despacho gratuito de bagagem: o que foi aprovado no Congresso

Avatar

Publicados

em

Depois de aprovada no Senado, a volta do despacho gratuito de bagagens em voos operados no Brasil também passou na Câmara dos Deputados. A proposta agora precisa ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro e só então será considerada válida. O governo já indicou ser contra.

Se for sancionada, a nova regra permitirá:

 

  • despacho gratuito de bagagem de até 23 kg em voos nacionais;
  • despacho gratuito de bagagem de até 30 kg em voos internacionais;
  • o Código de Defesa do Consumidor classificar como prática abusiva esta cobrança por parte das companhias aéreas.

 

Como é hoje:

 

  • Em 2016, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) publicou uma resolução que dá ao passageiro o direito de levar na cabine uma bagagem de mão de até 10 kg e autoriza as aéreas a cobrarem por bagagens despachadas. Ela começou a ser praticada em 2017.
  • Atualmente, bagagens de até 23 kg em voos nacionais e 32 kg nos voos internacionais são cobradas à parte, com um valor adicional ao da passagem. Cada empresa estabelece o critério de cobrança e as dimensões das malas.
Leia Também:  Por 7 votos a 1, TCU aprova processo de privatização da Eletrobras

 

Seis meses depois da regra começar a valer, o preço médio dos bilhetes ficou praticamente estável, de acordo com levantamento da própria agência.

Atualmente, os preços das passagens vêm subindo por conta do custo da querosene, acompanhando a alta do petróleo.

Fonte: G1

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.

ENVIAR MENSAGEM
Estamos Online!
Olá
Podemos Ajudar?
ENVIAR MENSAGEM
Estamos Online!
Olá
Podemos Ajudar?