BRASÍLIA

ECONOMIA

TCU identifica 90 mil beneficiários irregulares do auxílio emergencial de preservação do emprego

Publicados

em

De acordo com auditoria do tribunal, fraudes podem somar R$ 150 milhões

De acordo com uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), mais de 90 mil pessoas podem ter recebido o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) de forma irregular. As fraudes podem somar mais de R$ 150 milhões em pagamentos duplicados ou para pessoas que não se encaixam nos requisitos do programa.

Com base nesses dados, o TCU identificou pessoas que chegaram a solicitar o benefícios mais de quatro vezes. Também foi identificado pagamento para trabalhadores que já morreram e servidores públicos. Na avaliação do ministro de contas Bruno Dantas, causa perplexidade que o governo use bases de dados desatualizadas para validar os pedidos. O tribunal demandou que o governo reveja as bases de dados para corrigir os problemas.

Decreto prorroga prazos para reduzir jornada, suspender contrato e pagar benefícios

Informações sobre pagamento do BEm já podem ser verificadas por empregados na Carteira de Trabalho Digital

Leia Também:  ‘Invisíveis’, 5,5 milhões de informais correm risco de perder ajuda de R$ 600

Já são 12 milhões de trabalhadores que tiveram seus empregos mantidos por meio do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. Instituído pelo Ministério da Economia por meio da Medida Provisória 936, o programa permite a redução da jornada de trabalho e de salário ou suspensão de contratos. Para que o sustento dos trabalhadores não seja comprometido, o governo paga o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), calculado com base no seguro desemprego que o trabalhador receberia se fosse demitido.

De acordo com a auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), até o fim de julho foram firmados 13,4 milhões de acordos de trabalho. 92,9% deles foram habilitados pelo governo. O governo também pagou R$ 18,6 bilhões ao conjunto de trabalhadores que podem receber o BEm. O valor representa a menos de 40% do que foi liberado em créditos extraordinários.

O tipo de acordo que se destacou foi o de suspensão do contrato, que representou 54,4% do total. 44,4% dos acordos pediam redução da jornada de trabalho e do salário. O valor médio das parcelas do BEm é de R$ 863 reais.

Leia Também:  Municípios brasileiros tentam driblar a crise econômica e mantêm empregos com iniciativas locais

Postagem: http://temporarioegnews.com.br

Fonte: Brasil 61

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

ECONOMIA

Produção industrial avança em 17 das 26 atividades em novembro ante outubro

Publicados

em

O avanço de 1,2% na produção industrial em novembro ante outubro foi resultado de altas em 17 dos 26 ramos pesquisados, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre as atividades, a influência positiva mais relevante foi a de veículos automotores, reboques e carrocerias, com um aumento de 11,1% na produção. O setor acumulou uma alta de 1.203,2% em sete meses consecutivos de crescimento, superando em 0,7% o patamar de fevereiro, no pré-pandemia.

“Essa atividade praticamente paralisa seu processo produtivo nos meses de março e abril. A gente tem relato, inclusive, que algumas plantas industriais não produziram absolutamente nada. Claro que automóveis e caminhões são os itens de maior peso, contribuem positivamente, mas também as autopeças está avançando e dando contribuição positiva para esse segmento industrial. A atividade traz consigo outros ramos industriais, como o setor de outros químicos, metalurgia, borracha e plástico. Tem não só a importância da atividade em si, mas também a correlação com outros setores industriais”, apontou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

Leia Também:  Projeção para PIB 2019 segue em 0,99% no Focus e vai de 2,20% para 2,22% em 2020

Outras contribuições positivas relevantes para a média global da indústria foram de Outros produtos químicos (5,9%), Confecção de artigos do vestuário e acessórios (11,3%), Máquinas e equipamentos (4,1%), Impressão e reprodução de gravações (42,9%), Couro, artigos para viagem e calçados (7,9%), Bebidas (3,1%), Produtos de metal (3,0%), Outros equipamentos de transporte (12,8%) e Metalurgia (1,6%).

Na direção oposta, nove atividades tiveram queda, sendo os principais impactos negativos os segmentos de Produtos alimentícios (-3,1%), Indústrias extrativas (-2,4%) e Produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-9,8%).

TÓPICOS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA IBANEIS

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA