CNI SOB NOVA DIREÇÃO

NOVOS ARES PARA A INDÚSTRIA

Imediatamente após o desagradável episódio envolvendo o Presidente da Confederação Nacional da Indústria – CNI, Robson Braga de Andrade temporariamente afastado, vinte e cinco membros do Conselho de Representantes da entidade elegeram, por unanimidade, Paulo Afonso Ferreira como Presidente interino da Confederação.

Paulo exerce as funções de Vice-Presidente executivo da CNI para a região Centro-Oeste e Presidente do Conselho de Assuntos Legislativos da entidade.

Ao ser empossado, Paulo destacou as atuações do SESI e do SENAI, além de fortalecer a agenda da competitividade, incluindo reformas da previdência e tributária, desburocratização e maior eficiência do Estado.

Certamente aprofundará o protagonismo e prosseguirá a parceria que conferem competitividade ao país, desde a fundação da entidade, em 1938.

URUGUAI E OS VINHOS

CONFIANÇA E GARANTIA

Instituto Nacional de Vitivinicultura – INAVI, órgão gestor da política vitivinícola do Uruguai, decidiu exigir, a partir de 1º de março de 2019, garantias laboratoriais de genuinidade em vinhos importados.

Essa é uma reação à legislação de alguns países, como Argentina e Chile, que admitem a utilização de água em sua produção de vinhos. Artigo 2º da Lei uruguaia nº 2856, que define o vinho como produto exclusivo da fermentação alcoólica do suco de uva fresca, ampara a decisão do INAVI.

Leia Também:  SLU mobiliza moradores da Vila Roriz para a coleta seletiva

Produtos com adição de água não são considerados vinhos e, portanto, impedidos de comercialização em território uruguaio. Há segurança quando se consome qualquer vinho no Uruguai.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA NOMEIA ATIVISTA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA REVOGA NOMEAÇÃO

Ministro Sérgio Moro nomeou a ativista Ilona Szabó suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária – CNPP, em publicação no Diário Oficial da União de 27/02/2019.

Ilona é diretora executiva do Instituto Igarapé e defende a descriminalização das drogas e o desarmamento da população.

Apesar de o Conselho ser composto por indicados do setor público e do setor privado, e Ilona ter sido indicada pelo setor privado, houve ruidosa manifestação nas redes sociais que não entenderam a nomeação de alguém que é publicamente contrária às políticas governamentais.

Tanto é assim que, anteriormente ao segundo turno da eleição de 2018, Ilona Szabó previu, em artigo publicado, um período de ódio e desconfiança durante governo Bolsonaro.

Diante da incontrolável repercussão negativa, a Presidência da República decidiu, em 28/02/2019, portanto no dia seguinte à publicação, revogar a equivocada nomeação.

Leia Também:  GDF quer saber o grau de satisfação de usuários do Cartão Prato Cheio

Como ninguém é imune a erros, vale a máxima: Errou? Conserta!

Luiz Bittencourt, Engenheiro Metalúrgico pela UFF; Master of Engineering pela McGill University, Montreal, Canadá e pós graduado em Comércio Exterior pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Diretor da LASB Consultoria. e-mail: [email protected]


Fonte: www.revistadiaria.com

[email protected]