BRASÍLIA

GDF

Segurança Pública atuará por três meses na Cidade Estrutural

O Distrito Federal tem alcançado reduções criminais expressivas de criminalidade. Ano passado, atingiu o menor número de homicídios em 41 anos e, este ano, foi destaque nacional como a unidade da federação com maior redução de homicídios, de acordo com o Monitor da Violência.

A ação reúne servidores das polícias Civil e Militar e de outros órgãos do GDF | Foto: Divulgação/SSP

Para garantir que essa redução continue, e que seja equilibrada entre as regiões administrativas, a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) lança, nesta terça-feira (22), às 14h, na Praça da Juventude, em frente à Administração Regional da Cidade Estrutural, a Área Prioritária de Segurança (ASP).

A definição do local da ASP é feita a partir de elementos como: integrar microrregião – ou seja, locais com pequena extensão territorial, apresentar indicadores criminais altos em relação à média do DF e integrar regiões com menores dados populacionais. Com isso, é feito um mapeamento detalhado de vulnerabilidades sociais, de desordens como falta de iluminação, carcaças de veículos abandonados, mato alto, além, é claro, do raio-x da criminalidade.

“Conseguimos verificar, na local, os elementos necessários para aplicação do projeto. Apesar das reduções ocorridas no DF em 2020, a Estrutural necessita de uma atenção diferenciada do setor público”secretário de Segurança Pública, delegado Júlio Danilo

São realizados, também, em conjunto com as forças de segurança, uma reavaliação das rotinas de emprego operacional, bem como da estrutura e funcionamento de delegacias e batalhões.

Feito o diagnóstico, é elaborado um plano de ação integrada com a participação de diversos órgãos do governo, como Casa Civil, Administração Regional, Secretarias de Obras e da Mulher, CEB, DF Legal e as forças de segurança pública.

A ASP também prevê ações de prevenção à violência com atividades culturais voltadas para diferentes públicos, como cursos, palestras, serviços de carteiras de identidade e de trabalho, atendimentos jurídico e psicossocial e serviços relacionados à veículos e habilitação.

Além da redução de crimes, durante o período de atuação – que poderá ser estendido a partir da avaliação da equipe técnica da SSP/DF – serão realizadas ações de gestão com outros órgãos do governo.

“Conseguimos verificar, na local, os elementos necessários para aplicação do projeto. Apesar das reduções ocorridas no DF em 2020, a Estrutural necessita de uma atenção diferenciada do setor público, o que acaba exigindo uma atuação focada nos detalhes e características da região. Buscamos, com isso, a melhora imediata na rotina e na vida da população, com o aumento da segurança e o acesso aos serviços públicos”, explica o secretário de Segurança Pública, delegado Júlio Danilo.

Para a administradora Regional do Scia/Estrutural, Vânia Gurgel, a ASP trará mais segurança e organização para a cidade: “Somos uma região com alto índice de vulnerabilidade e carecemos de uma atenção especial. Receber a Secretária de Segurança Pública e demais órgãos é um privilégio e essencial para o desenvolvimento da nossa cidade. Em nome dos moradores, só temos que agradecer a todos os envolvidos”.

Transferência da 8ª DP para Estrutural

Assim como na Cidade da Segurança Pública, na ASP também possibilita a aproximação com a população e servidores que estão na linha de frente no enfrentamento à criminalidade | Foto: Vinícius de Melo/Agência Brasília

No começo deste mês, a sede da 8ª Delegacia de Polícia, que funcionava no Setor de Indústrias e Abastecimento (SIA), passou a funcionar na Estrutural. A nova base é uma reivindicação da população e estava contemplada no plano de ação da ASP.

“Esta readequação foi possível com empenho e dedicação do governador Ibaneis Rocha, que não tem poupado esforços e dado apoio à Segurança Pública como um todo. Desta forma, será possível, prestar um serviço cada vez mais qualidade à população local”, completa o secretário.

Entre as mudanças feitas na delegacia para prestar um serviço de qualidade à população, estão a criação de balcão de atendimento, área para contenção de presos e ambientes para abrigar diversas seções da DP; instalação de aparelhos de ar condicionado; mudança de identidade visual e readequação do layout.

Leia Também:  Novo Centro de Referência de Assistência Social atenderá 5 mil famílias

Divisão de tarefas

Além da logística para desenvolvimento de ações, a ASP possui eixos de atuação para direcionar as atividades, cumprir metas e para avaliar os resultados. Desta forma, as atividades foram divididas em:
– Enfrentamento qualificado à criminalidade – com foco em ações policiais voltadas para redução de crimes;
– Prevenção à criminalidade – com ações preventivas para diferentes públicos como mulheres, crianças e adolescentes, e que poderão envolver outras secretarias, como de Justiça e de Desenvolvimento Social;
– Defesa social, que atuará diretamente em ações e cuidados com público vulnerável, avaliação de riscos sociais e ambientais, entre outras ações.

Aproximação com forças de segurança locais

Assim como na Cidade da Segurança Pública, na ASP também possibilita a aproximação com a população e servidores que estão na linha de frente no enfrentamento à criminalidade. O secretário de Segurança, chefes das forças de segurança e demais gestores da SSP/DF vão visitar batalhões e delegacias na cidade. “O objetivo é escutar esses profissionais que estão na ponta, que lidam diretamente com o público. Queremos saber dos anseios desses servidores, de como é a rotina, do que podemos fazer para facilitar o fluxo de trabalho e colocar a SSP/DF e todos os nossos programas e políticas à disposição”, explica Dr. Júlio Danilo.

As forças de segurança – polícias Militar do Distrito Federal (PMDF) e Civil do Distrito Federal (PCDF), Departamento de Trânsito (Detran-DF) e Corpo de Bombeiros (CBMDF) – farão ações pontuais, como é o caso da Quinto Mandamento, que acontecerá todos os finais de semana na região: “Neste período em que a ASP estiver na Estrutural, vamos realizar a operação aos finais de semana.

Além das forças de segurança e órgãos que já participam, como Departamento de Estradas de Rodagem (DER/DF) e DF Legal, outros órgãos vão participar, como Vigilância Sanitária, Conselho Tutelar e Instituto Brasília Ambiental (Ibram), por exemplo, dependendo da demanda a ser atendida”, detalha o secretário Executivo de Segurança Pública, delegado Milton Neves.

Para o diretor-geral da PCDF, delegado Robson Cândido, a iniciativa é importante por promover a integração das forças de segurança e a aproximação com a sociedade: “A Polícia Civil do DF tem a comunidade como aliada no combate à criminalidade e é uma oportunidade de estreitar essa parceria. Durante o período da ASP na região, vamos também intensificar nossas ações, como o aumento de cumprimento de mandados e operações direcionadas”.

Diversas ações voltadas para o atendimento ao público e promoção de cidadania serão realizadas durante a ASP, na Estrutural. A programação foi dividida em três blocos: atendimento à população, projetos sociais e ocupação de espaços. Cada um dos eixos terá duração de cerca de um mês | Foto: Tony Oliveira/Agência Brasília

O policiamento ostensivo será intensificado na região pelo 15º Batalhão, com emprego de unidades especializadas, principalmente no período noturno. “Planejamos ações preventivas com o emprego de tropas de elite, como por exemplo, o Batalhão de Policiamento com Cães, ROTAM, unidades do Comando de Policiamento de Trânsito, além das equipes de GTOP. São integrantes altamente técnicos e capacitados em suas especialidades e, sobretudo, motivados. As ações na ASP serão orientadas pela inteligência, o que nos permitirá maior eficiência no emprego dos recursos policiais”, explica o comandante-geral da PMDF, coronel Márcio Cavalcante de Vasconcelos.

O CBMDF dará suporte às ações na região durante o período, além de intensificação de vistorias e iniciativas de combate à dengue: “Ações como essa refletem a consolidação da doutrina estabelecida na Segurança Pública do Distrito Federal: aproximação com o cidadão e integração entre as forças. Precisamos ouvir os anseios da população, conhecer de perto sua realidade e promover o trabalho conjunto entre os órgãos de governo. Isso nos permitirá melhorar cada vez mais, e juntos”, avalia o comandante-geral da corporação, coronel William Bomfim.

A sinalização vertical e horizontal terá reforço do Detran-DF. Além disso, serão feitos pontos de bloqueio na região, com apoio do DER/DF. “O Detran estará presente na Estrutural com as equipes de fiscalização, engenharia, educação e também de atendimento ao público. Ações integradas como esta são de grande relevância, pois permitem maior proximidade com a população, entendendo a necessidade de cada região”, destaca o diretor-geral do Departamento, Zélio Maia.

Leia Também:  Ação na Rua 12 para reduzir impacto das obras

Mapeamento de desordens

A Unidade de Políticas Pública (UPP), da SSP/DF, realizou a identificação prévia de desordens – como lixo e entulho descartados incorretamente, mato alto e falta de iluminação adequada, e encaminhou para a administração regional para facilitar a eficácia das ações: “O levantamento foi essencial para nortear as ações com impacto imediato para a cidade, que impactam imediatamente com a sensação de segurança da população local”, explica o chefe da UPP, coronel Eduardo Holanda.

Dentro do levantamento realizado, quase 20% corresponde a veículos abandonados nas ruas da cidade. Desta forma, durante a ASP na região, serão realizadas operações pontuais para retirada desse material: “Inicialmente, serão realizadas duas edições da operação DF Livre de Carcaças. Além de colaborar com a sensação de segurança, essa iniciativa incide diretamente no combate à proliferação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor de dengue, zika e chikungunya”, destaca o coordenador dos Consegs, Marcelo Batista. Coordenada pela SSP/DF, a DF Livre de Carcaças já retirou mais de 600 carcaças das ruas do DF desde que foi iniciada, em fevereiro de 2020.

Ações sociais e serviços

Diversas ações voltadas para o atendimento ao público e promoção de cidadania serão realizadas durante a ASP, na Estrutural. A programação, definida pela Subsecretaria de Prevenção à Criminalidade (Suprec), da SSP/DF, foi dividida em três blocos: atendimento à população, projetos sociais e ocupação de espaços. Cada um dos eixos terá duração de cerca de um mês.

No primeiro bloco, serão ofertados diversos serviços, tais como emissão de carteiras de identidade e de trabalho, cursos profissionalizantes, atendimentos jurídico e psicossocial, serviços relacionados à veículos e habilitação, atendimento com foco nas mulheres, entre outros. Os atendimentos serão realizados em parcerias com as forças de segurança pública, secretarias de Trabalho, de Cultura, da Mulher e de Saúde, Banco de Brasília e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – Senac.

O segundo eixo de ações será voltado aos projetos sociais e terão foco na juventude, que poderá participar de oficinas artísticas, esportivas, culturais e formativas: “Priorizamos esse público em algumas iniciativas que vamos desenvolver na Estrutural porque a cidade é essencialmente jovem. Queremos disponibilizar aos adolescentes projetos que sejam de seus interesses e que possam despertar a sensação de pertencimento à cidade”, avalia o subsecretário de Prevenção à Criminalidade, Sávio Ferreira.

No terceiro e último bloco, a atuação da segurança pública será priorizada em espaços públicos, por meio da intervenção do grafite e atividades comunitárias, como cursos e plantio de horta: “O projeto será finalizado com uma ação ocorrida no último ano, quando foi realizada revitalização de uma praça localizada na frente ao Centro de Referência e Assistência (CRAS). Após a transformação do espaço, chegamos à fase final durante a ASP, que é o plantio da horta em parceria com a Emater-DF”, revela Ferreira.

Resultados

Ao final dos três meses, o objetivo é que se tenha melhor direcionamento do aparato do Estado para áreas que necessitem de mais atenção, melhoria dos indicadores de segurança pública e sociais, maior integração entre os órgãos de segurança pública locais e a equalização dos baixos índices de criminalidade do DF.

DF Mais Seguro

A ASP compõe o DF Mais Seguro – programa estruturante decisivo para as ações da segurança pública nos próximos dois anos, a fim de que haja aplicação ainda mais adequada e eficaz das políticas na área. Os outros eixos são a Cidade da Segurança Pública – em que a primeira edição ocorreu em Planaltina, em novembro de 2020, a modernização e ampliação do sistema de videomonitoramento e a melhoria no atendimento dos canais de emergência.

*Com informações da SSP/DF

Agência Brasília

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

GDF

GDF já investiu R$ 7 milhões na recuperação de canais de irrigação rurais

Publicados

em

Por

A época de seca era um martírio para os produtores do Núcleo Rural Vargem Bonita, no Park Way. Sem chuvas, eles não tinham água para molhar as plantações. Jucilene Dantas Lima, 41 anos, que vive da venda das hortaliças e verduras que planta, se recorda bem desse período. “Teve um ano que perdi praticamente toda minha produção”, conta. “O canal era muito antigo, as manilhas estavam quebradas, a água vazava e não chegava para as chácaras da Rua 3”, explica.

Com a conclusão da obras no canal do Núcleo Rural Córrego da Coruja, em Ceilândia, 48 produtores da região vão trocar a captação improvisada de água do riacho pelo abastecimento feito por um canal tubulado de mais de 5 km de extensão | Foto: Lúcio Bernardo/Agência Brasília

Em outubro, completa um ano que a realidade dos produtores da região mudou. As manilhas de concreto de 30 anos atrás foram substituídas por tubos de PVC que garantem que a água da barragem que abastece a região chegue às 66 famílias no núcleo rural o ano inteiro.

São seis quilômetros de um novo canal e mais de R$ 600 mil que se somam aos R$ 6,4 milhões investidos pelo Governo do Distrito Federal (GDF) desde 2019 na recuperação de canais de irrigação nas áreas rurais do DF, Canais que garantem segurança hídrica e regularidade no abastecimento para os pequenos agricultores.

33,3quilômetros de canais de irrigação renovados foram entregues pelo GDF em dois anos e nove meses

Em dois anos e nove meses, o GDF entregou 33,3 quilômetros de canais de irrigação renovados, incluindo dois dos principais do DF: o da Vargem Bonita, no Park Way, e o do Núcleo Rural Santos Dumont. Neste último, as tubulações são 100% revestidas com canos de PVC, que são mais resistentes e têm vida útil estimada em 50 anos.

As obras feitas desde 2019 beneficiaram 340 famílias de produtores rurais, que antes sofriam com a falta de água nas plantações. “Tinha chacareiro aqui que tinha que ir na barragem buscar água”, conta a produtora Jucilene Lima, que assumiu com o marido os cuidados com a chácara na Vargem Bonita depois que o sogro faleceu.

O DF tem 72 canais que levam água para as chácaras da área rural. Cerca de 240 quilômetros de tubulação beneficiam aproximadamente 1,6 mil produtores. A maioria deles foi feita de forma tradicional, escavado, a céu aberto. Com o tempo, essas estruturas foram se degradando e aumentando as taxas de infiltração, causando perdas significativas por evaporação ou infiltração no solo.

“As pessoas faziam uma estrutura na área rural que desviava uma parte da água de um córrego, por exemplo. Eles faziam valas no terreno onde a água ia percorrendo até chegar nas propriedades”, explica o secretário-executivo de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, Luciano Mendes.

Dos canais de irrigação existentes no DF, os três maiores e mais importantes estão na lista para receber melhorias até o ano que vem

O canal da Vargem Bonita era um dos poucos que tinha algum revestimento, quase a totalidade dos regos d’água era feita na terra. Mesmo assim, ao longo do tempo, a manilha foi se desgastando. Às vezes, até raízes de árvores faziam as manilhas serem retiradas ou quebravam o concreto, o que aumentava as perdas d’água”, afirma o secretário.

Leia Também:  Presidente do PSB destaca movimentos sociais e defende a política da militância no Partido!

E, nos que não tinham qualquer revestimento, a sujeira acumulada ao longo dos anos, por exemplo, aumentava a infiltração da água no solo”, completa Luciano Mendes.

Segundo a Seagri, cerca de 50% do volume de água que entrava nos antigos canais de abastecimento não chegava para os produtores. Sem os canais, provavelmente os produtores teriam que perfurar poços artesianos, que causam maior impacto ambiental e têm custo mais elevado.

Mais importantes do DF 

Dos canais de irrigação existentes no DF, os três maiores e mais importantes estão na lista para receber melhorias até o ano que vem. Além do de Vargem Bonita, ano passado foi entregue o do Núcleo Rural Santos Dumont, em Planaltina. As obras foram realizadas no ramal principal e nos canais secundários do Santos Dumont que levam água do Ribeirão Pipiripau para 100 produtores da região.

O canal do Núcleo Rural de Tabatinga, com oito quilômetros tubulados e que vai beneficiar 36 propriedades rurais, aumentou em 120 hectares a área irrigada da região| Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília

Já o canal do Rodeador, na região do Incra-06, em Brazlândia, está previsto para ser entregue em 2022. A obra deve ser iniciada em janeiro. O canal tem 32 quilômetros de extensão, beneficia mais de 100 produtores rurais e é um dos principais do DF. A maior obra de irrigação da capital será dividida em etapas e vai começar pelo ramal mais significativo do sistema, de 6,4 quilômetros. A nova tubulação vai acabar com desperdícios e permitir captação de 150 litros por segundo, suficiente para abastecer uma cidade de 100 mil habitantes.

“Nesta gestão, os três principais canais de irrigação, os com maior volume, Santos Dumont, Vargem Bonita e Rodeador, passaram ou vão passar por intervenções. Dois já foram entregues e estamos nos preparando para começar o Rodeador”, afirma o secretário de Agricultura.

Na semana passada, o GDF entregou a terceira e última etapa das obras do canal de irrigação do Núcleo Rural de Tabatinga, em Planaltina-DF. Ao todo, foram tubulados oito quilômetros do canal, o que irá beneficiar 36 propriedades rurais. A renovação da estrutura proporcionou o aumento de 120 hectares de área irrigada na região.

Leia Também:  Esporte regulariza ocupação de espaços internos

Está em obras o canal do Núcleo Rural Córrego da Coruja, em Ceilândia. Em breve, os 48 produtores da região vão trocar a captação improvisada de água do riacho pelo abastecimento por um canal tubulado de mais de 5 km de extensão. O canal foi projetado para uma vazão de 50 mil litros de água por dia para cada propriedade.

Esforço conjunto

A recuperação dos canais de irrigação é um esforço da Seagri, da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa); Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/DF); Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) e dos próprios produtores rurais que servem de mão de obra e colocam a mão na massa nas obras. O levantamento topográfico dos canais também é realizado pela Emater-DF.

O canal de irrigação do Santos Dumont foi beneficiado por uma parceria envolvendo o Comitê da Bacia Hidrográfica do Paranaíba, que destinou R$ 1,8 milhão arrecadado pela cobrança do uso dos recursos hídricos | Foto: Divulgação/Agência Brasília

No caso do canal de irrigação do Santos Dumont, a parceria envolveu o Comitê da Bacia Hidrográfica do Paranaíba, que destinou R$ 1,8 milhão arrecadado pela cobrança do uso dos recursos hídricos. No Rodeador, foi feita uma parceria do GDF com a Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), que garantiu aporte de R$ 7 milhões para a primeira fase das obras. Recursos do próprio GDF e de emendas parlamentares também financiam o investimento.

A Emater-DF, empresa que auxilia os produtores rurais com produção e comercialização, ajuda no trabalho de revitalização em todas as fases, desde a mobilização das comunidades no engajamento das ações, até na elaboração dos projetos e acompanhamento da execução das obras.

A empresa ressalta que, ao construir sistemas mais eficientes e sustentáveis de gestão da água, a recuperação dos canais de irrigação aumenta a produção agropecuária. Em algumas regiões, a área de produção deve ser ampliada em até 100 hectares com a chegada de água.

Para a presidente da Emater-DF, Denise Fonseca, essa união de esforços mostra que o trabalho anda quando tem o envolvimento de todos. Além disso, segundo ela, a revitalização traz benefícios para todo o DF.

“A água é o insumo primordial para a agricultura. Com essas revitalizações, além da agricultura, ganha a cidade, que tem sua demanda de água aumentada com a economia do campo. E também ganha com a oferta de alimentos de qualidade produzidos por pequenos produtores da nossa região”, afirma.

Agência Brasília

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.