BRASÍLIA

GDF

Transplantes de órgãos continuam mesmo com a pandemia

Publicados

em

Das 324 operações de rins e córneas realizadas em um ano de coronavírus, HB foi responsável por 84

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: RENATA LU
Para garantir a segurança de todos os que passariam por transplante e de seus profissionais, o Hospital de Base reforçou as medidas de prevenção contra a covid-19 | Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

Mesmo diante dos transtornos causados em um ano de pandemia, a rede de saúde pública e privada do Distrito Federal conseguiu manter um serviço que a qualifica entre as melhores do País: o transplante de órgãos e tecidos. A Central de Transplantes (CET) do DF, vinculada à Secretaria de Saúde (SES), contabilizou 449 procedimentos entre 1º de março de 2020 e 1º de março de 2021, ciclo do primeiro ano da covid-19. Foram 249 transplantes de córneas, 101 de fígado, 75 de rins e 24 de coração.

O Hospital de Base (HB), administrado pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF) e referência regional em transplantes de córneas e rins, respondeu por 84 (25%) do total de 324 procedimentos realizados nessas especialidades, segundo a CET.

O Hospital de Base respondeu por 25% do total de transplantes realizados no DF entre 1º de março de 2020 a 1º de março de 2021

A pandemia não paralisou, mas afetou o fluxo normal de atendimento do HB. Para garantir a segurança dos pacientes que receberiam os órgãos e dos profissionais que fariam as cirurgias, medidas de prevenção foram reforçadas. Resultado: o número de transplantes de rins e córneas no Base caiu 12% em comparação com o período de 1º de março de 2019 a 1º de março de 2020, quando foram registrados 96 procedimentos.

Leia Também:  Justiça derruba liminar e mantém aumento na tarifa técnica de ônibus no DF

Mudanças nos cuidados

Os transplantes de córneas e de rins seguem normas distintas. Com a pandemia, o Hospital de Base seguiu as recomendações do Ministério da Saúde para que pudesse continuar o atendimento sem pôr em risco a saúde dos pacientes e de seus profissionais.

No caso das córneas — que são consideradas tecidos e não órgãos —, os transplantes eletivos ficaram suspensos entre abril e setembro, por recomendação da Coordenação Geral do Sistema Nacional de Transplantes, do Ministério da Saúde. Naqueles meses, só foram autorizados os transplantes em que o coração do doador de córneas ainda estava pulsando. Atualmente, essas cirurgias estão ocorrendo normalmente.

Em relação aos rins, a Unidade de Nefrologia do HB manteve as cirurgias, mas adotou cuidados específicos, como exames RT-PCR em todos os doadores, tomografia de tórax e isolamento dos receptores. Foram, porém, suspensas as doações de rins de pessoas vivas. “Tudo isso para evitar ao máximo a contaminação pela covid-19”, explica Viviane Brandão, responsável técnica da Nefrologia.

Pacientes beneficiados

Atualmente, na lista de espera para esses dois tipos de transplantes estão 740 pacientes, dos quais 148 aguardam pelo procedimento no Hospital de Base. A auxiliar administrativa Ana Carolina Soares, 38 anos, saiu da lista em julho do ano passado, quando recebeu um novo rim após passar um ano e nove meses sobrevivendo por meio de hemodiálise.

Leia Também:  Vânia Gurgel a administradora que trabalha os sete dias da semana pelo Guará

Leia também

Hospital de Base realizou 62 transplantes em 2020

Em 2020, DF superou número de transplantes de fígado realizados em 2019

HB realiza o primeiro transplante de 2021 no DF

Foi o segundo transplante de Ana. “Com 15 anos de idade, descobri um problema renal e passei 10 anos na fila”, conta. Ela fez o transplante e, 11 anos depois, ocorreu a rejeição ao órgão. Ana Carolina voltou para a fila até ser chamada para nova cirurgia. “Desta vez, os cuidados foram ainda maiores, principalmente por causa do pico de pico da covid-19”, salientou.

Como o corpo de Ana Carolina estava mais debilitado, a adaptação do segundo transplante foi mais difícil. Inicialmente, houve rejeição ao novo rim. Só depois de 44 dias de internação, o organismo dela aceitou o órgão. “A equipe do Hospital de Base fez de tudo para eu não perdê-lo”, conta. “Foi um tratamento intensivo e constante. Sou eternamente grata a todos.”

*Com informações do Iges-DF

Fonte: Agência Brasilia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GDF

“Mais eficiência”, diz Ibaneis Rocha sobre da nova sede do IML no DF

Publicados

em

Em publicação no Instagram nesta terça-feira, o governador deu detalhes da construção do prédio do Instituto Médico Legal

Croqui do novo prédio do IML da PCDFReprodução/PCDF

O Instituto Médico Legal (IML) da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) vai ganhar novo prédio. Nesta terça-feira (13/4), o governador Ibaneis Rocha informou que as obras começaram no local.

Economia

Em fevereiro deste ano, o delegado-geral da PCDF, Robson Cândido, e o diretor do Departamento de Administração Geral (DAG), delegado Silvério Moita de Andrade, assinaram o Termo de Construção da nova sede.

Segundo a PCDF, o novo prédio do IML conta com diversas funcionalidades: acessos separados para exames em pessoas vivas e mortas, assim como entrada independente para os custodiados; recepção separada para atendimento a mulheres vítimas de violência; central de remoção de órgãos; e laboratórios amplos e adaptados para as tecnologias mais atuais.

A edificação será composta por subsolo, térreo e mais dois pavimentos, com sistema de ar condicionado, grupo moto-gerador, sistema de sprinklers e já adequado à nova identidade visual da Polícia Civil.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Futebol 7: equipe feminina do DF ganha título e vai à Libertadores
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA