BRASÍLIA

GDF

UPA da Rua 10 é a ‘cereja do bolo’ de Vicente Pires

Publicados

em

Foto: Agência Brasília

Obras da unidade já completaram 50% de execução e empregam 350 pessoas. GDF investe R$ 6 milhões no local

RAFAEL SECUNHO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

As obras da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Vicente Pires avançam rapidamente e já atingiram 50% de conclusão. Localizada na Rua 10, uma das mais conhecidas da cidade, a UPA já recebeu investimentos de cerca de R$ 6 milhões para as obras de infraestrutura e aquisição de equipamentos médico-hospitalares. Esta é uma das sete unidades que estão sendo criadas na capital federal (confira quadro abaixo).

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) é o responsável pela obra, que tem recursos repassados pela Secretaria de Saúde (SES). O espaço, segundo cálculos do instituto, terá capacidade de realizar até 4,5 mil atendimentos por mês.

 

Quando concluída, a unidade terá estrutura completa para o atendimento à população | Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília

Para que a UPA fique pronta, restam a execução do acabamento, rebocos e contrapisos. O revestimento de pisos e paredes e a finalização das instalações (elétricas, hidrossanitária e de gases medicinais) também estão sendo feitos, assim como a urbanização da área externa. A conclusão da obra está prevista para o segundo semestre.

Leia Também:  Estevão Reis Superintendente do CDDF e Subsecretário da SETUR apóia evento para idosos nos pontos turísticos do DF

De acordo com a gerente de Obras do Iges-DF, Rita Lourenço, apesar das dificuldades com a pandemia – que afetou o setor da construção civil principalmente com a falta de materiais –, os trabalhos seguem dentro do esperado. Cerca de 350 empregos foram gerados para a execução de todos os novos postos de atendimento.

“Toda edificação de saúde tem algumas particularidades que dificultam um pouco, mas a obra seguiu muito bem”, explica. “Elas necessitam de instalações específicas, como a dos gases medicinais e a de geradores.”

As novas UPAs seguem um modelo básico de estrutura. A de Vicente Pires atenderá urgência e emergência e terá dois leitos para suporte crítico emergencial, seis leitos de observação, um de isolamento, dez poltronas de medicação/inalação e três consultórios. Vai oferecer ainda exames laboratoriais de urgência e raios-X.

Para o administrador de Vicente Pires, Daniel de Castro, esse é um presente para a população. “Com todas as obras e mudanças pelas quais a cidade vem passando, a UPA é a ‘cereja do bolo’”, ressalta.  “Como só temos uma Unidade Básica de Saúde, muitos moradores recorriam a Taguatinga e Ceilândia para se tratar. Não será mais preciso”.

Leia Também:  Publicada liberação de mais um lote de recursos do Pdaf

Quase R$ 50 milhões investidos

Atualmente, a rede pública de saúde do DF conta com seis UPAs, que funcionam em regime de 24 horas em Ceilândia, Núcleo Bandeirante, Recanto das Emas, Samambaia, São Sebastião e Sobradinho.

A meta é chegar a 13 unidades ainda em 2021. A empresa terceirizada Civil Engenharia, contratada pelo Iges-DF, é quem toca as obras. O custo estimado para a construção das sete UPAs, incluindo os equipamentos, é de cerca de R$ 46 milhões.

Fonte: https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2021/05/03/upa-da-rua-10-e-a-cereja-do-bolo-de-vicente-pires/

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GDF

BRB tem lucro líquido de R$ 117 milhões no 1º trimestre

Publicados

em

Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Crescimento de 9% foi impulsionado pela ampliação da margem financeira; inadimplência é a menor dos últimos dez anos

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: CHICO NETO

Só no primeiro trimestre deste ano, o Banco de Brasília (BRB) alcançou lucro líquido de R$ 117 milhões. O valor representa crescimento de 9% em relação ao mesmo período de 2020. O retorno anualizado sobre o patrimônio líquido médio foi de 23,6%.

Outra marca importante é a da consolidação do BRB como banco digital | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

“Apesar dos desafios do setor bancário e da maior concorrência, o BRB conseguiu manter níveis superiores de rentabilidade, baixar a inadimplência, cumprir sua função social enquanto banco público e ampliar suas operações”Paulo Henrique Costa, presidente do BRB

O crescimento no lucro líquido foi gerado pelo aumento da margem financeira, devido ao crescimento da carteira de crédito em todas as frentes de atuação e do aumento dos negócios com cartões de crédito, bem como pelo controle da inadimplência – a menor dos últimos dez anos. O lucro líquido recorrente no primeiro trimestre foi de R$ 106 milhões.

Em linha com seu planejamento estratégico, o BRB avançou e também se consolidou como banco digital completo. O Nação BRB FLA, fruto de parceria inovadora com o Flamengo, alcançou mais de 550 mil contas abertas, está presente em 39 países e 79% dos municípios brasileiros e em todos os continentes. Por meio do seu banco digital, o BRB possui clientes em mais de 4,3 mil municípios brasileiros. Somadas às demais contas, o banco encerrou o trimestre com quase 1 milhão de clientes, o que representa um crescimento de 47%.

O presidente do BRB, Paulo Henrique Costa, comemora: “Apesar dos desafios do setor bancário e da maior concorrência, o BRB conseguiu manter níveis superiores de rentabilidade, baixar a inadimplência, cumprir sua função social enquanto banco público e ampliar suas operações, tendo como foco a qualidade no atendimento aos nossos clientes. Atuamos como banco completo, moderno e com foco na inovação”.

Destaques de crédito

A carteira de crédito ampla chegou a R$ 17,2 bilhões, com crescimento de 42,7% em 12 meses e de 6,3% no trimestre. Entre os principais destaques está o crédito imobiliário, com saldo de R$ 2,9 bilhões e crescimento de 143,5% em 12 meses e 16,1% em três meses. Os números levaram o BRB à manutenção da liderança no financiamento imobiliário no DF e à sexta posição no Brasil. A cada duas operações de crédito imobiliário no DF, praticamente uma é realizada com o BRB.

218 milfamílias foram beneficiadas pelo BRB desde o início da pandemia

Outros destaques foram a concessão de crédito a empresas, com saldo de R$ 1,5 bilhão e evolução de 139,4% em 12 meses e 8,7% no trimestre, e o crédito consignado, principal produto da carteira de crédito para pessoa física, cujo saldo alcançou R$ 8,4 bilhões com crescimento de 26,2% em 12 meses e de 3,2% no trimestre.

Como banco público e considerando a Agenda ESG , o BRB seguiu operacionalizando os programas sociais do Governo do Distrito Federal (GDF). Agenda ESG é a denominação dada pelo mercado financeiro referente aos conceitos ambiental (environment), social e de governança (governance). Refere-se a negócios, investimentos e ações de responsabilidade socioambiental dos bancos que contribuem para uma economia de baixo carbono e menor impacto ambiental, auxiliando na mitigação das desigualdades, na melhoria do bem-estar e equidade social, bem como na garantia de maior transparência e controle da gestão.

Leia Também:  Conheça a Comissão de Seleção de longa-metragem do 53º FBCB

Programas sociais

Desde o início da pandemia de coronavírus, o BRB operacionalizou oito programas sociais do GDF, beneficiando 218 mil famílias com mais de R$ 208 milhões – o equivalente a mais de 25% da população do Distrito Federal.

Nesse trimestre, por meio do Instituto BRB, o banco liderou um processo de captação de recursos para a ampliação do Hospital Regional de Samambaia, visando à oferta de 102 leitos de retaguarda para tratamento da covid-19 cuja estrutura tem caráter permanente e ficará à disposição da população da região após a pandemia, reforçando o sistema público de saúde.

Fusões e parcerias

O BRB também deu andamento ao processo de realização de fusões, aquisições e parcerias estratégicas, visando acelerar a modernização e a expansão dos negócios, conforme tem sido comunicado ao mercado, e concluiu a seleção de parceiros nos negócios de investimentos e corretagem de seguros.

A Genial Investimentos Corretora de Valores Mobiliários S.A e a Wiz Soluções e Corretagem de Seguros S.A foram os parceiros selecionados, respectivamente, para cada uma das linhas de negócios. A conclusão dessas operações deve ocorrer nos próximos meses, após as assinaturas dos contratos e acordos operacionais, além das aprovações pelos órgãos responsáveis.

Nos próximos trimestres, o BRB continuará a sua expansão nacional por meio do banco tradicional e do banco digital, ampliando e diversificando a sua base de clientes por meio da oferta completa de produtos e serviços bancários, de investimento, seguridade e meios de pagamento.

Inadimplência

A inadimplência encerrou o primeiro trimestre deste ano em 1,44%, redução de 0,16 ponto percentual em relação ao primeiro trimestre de 2020. Com o desempenho apresentando, o BRB permanece abaixo da média de mercado, de 2,19%. Os ratings de menor risco de AA-C atingiram o patamar de 95,8% de participação na carteira em março.

R$ 128 milhõesTotal de receitas com prestação de serviços no primeiro trimestre

As despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa ampla foram de R$ 61 milhões no primeiro trimestre de 2021, um aumento de 51,7% na comparação com o mesmo período do ano anterior. A carteira de crédito do BRB continua marcada pela concentração de 77,4% do saldo em operações de baixo risco, como crédito consignado, imobiliário e crédito parcelado para o servidor público.

Eficiência operacional

As receitas com prestação de serviços no primeiro trimestre do ano totalizaram R$ 128 milhões, em nível próximo ao registrado no mesmo período de 2020, com R$ 132 milhões. A dinâmica de receitas e despesas do BRB apresentou uma melhora expressa pela queda de 2,3 pontos percentuais do índice de eficiência, que finalizou o trimestre em 55,1% frente a 57,4% do primeiro trimestre de 2020.

Basileia

O BRB encerrou o primeiro trimestre com índice de Basileia de 14,6%, dos quais 13,2% no capital nível I, acima do marco regulatório de 9,25%, e 1,4% no capital nível II. Índice de Basileia é o indicador dos bancos que mede a capacidade de resistência a perdas derivadas de inadimplência, flutuações de preços do mercado, perdas operacionais e demais riscos. Mede, na instituição financeira, a solvência, que é a capacidade do banco de horar compromissos.

Covid-19 e responsabilidade social

Assim como na primeira onda da covid-19, no ano passado, quando criou o programa Supera-DF para minimizar os impactos financeiros decorrentes da pandemia, o BRB lançou, este ano, o Acredita-DF, que já movimentou mais de R$ 2,5 bilhões, entre novos contratos e suspensão de pagamentos de financiamentos contratados anteriormente. O Acredita-DF atendeu mais de 63 mil clientes, entre pessoas físicas e jurídicas. No ano passado, com o Supera-DF, o BRB movimentou mais de R$ 4 bilhões.

Leia Também:  Jovens do Itapoã terão apoio para serem "Super Empreendedores"

Por meio do Instituto BRB, entidade sem fins lucrativos e responsável pelas ações de responsabilidade social e ambiental do Conglomerado BRB, o banco iniciou a construção de um hospital em sistema modular em Samambaia que terá 102 leitos com suporte respiratório.  O investimento total, de R$ 14,5 milhões, conta com recursos do próprio BRB, doações do Comitê Todos Contra a covid e de grupos empresariais de diferentes setores.

BRB + Digital

O primeiro trimestre do ano foi marcado pela consolidação do BRB como banco digital. Por meio da parceria com o Flamengo, o Nação BRB FLA finalizou os três primeiros meses do ano com 261 mil contas abertas. Atualmente, o número ultrapassou 550 mil contas. O banco digital está presente em 39 países, 79% dos municípios brasileiros e em todos os continentes.

Foto: Divulgação

O trimestre também foi marcado pelo lançamento da plataforma de investimentos do Nação BRB FLA, em conjunto com a Genial Investimentos. A plataforma aumentou o portfólio de produtos e serviços e oferece 280 opções de investimento, além de home broker para operar diretamente no mercado de ações.

Reorganização e parcerias estratégicas

No início deste ano, conforme comunicação feita ao mercado, o BRB aprovou duas parcerias estratégicas com a Wiz Soluções, para a linha de negócios de corretagem de seguros, e outra com a Genial Investimentos, para negócios de gestão e administração de recursos de terceiros.

As parcerias proporcionarão ao BRB aumento da expertise de mercado, diversificação e melhoria do seu portfólio de produtos, aporte de tecnologia e alcance geográfico para consolidar os planos de expansão.

Seguindo seu planejamento estratégico para cumprimento de seus objetivos de diversificação e crescimentos dos negócios, o BRB tem conduzido processo de seleção de assessores financeiros e jurídicos para a realização de follow-on.

Clientes e canais

168 milcontas foram abertas nos três primeiros meses deste ano

Em março, o BRB possuía um total de 980 mil clientes, número que representa um crescimento de 47% em relação ao mês de março de 2020. Os clientes pessoa física (PF) representavam um total de 947 mil, aumento de 48,5% frente ao mesmo período do ano passado. Já os clientes pessoa jurídica (PJ) atingiram a marca de 32 mil, aumento de 11,1%.

Ao longo do primeiro trimestre de 2021, foram abertas 186,8 mil contas. Desse total, 91% foram abertas por meio dos canais digitais, consolidando a estratégia digital do BRB – que conta com 138 agências distribuídas em todas as regiões do DF e Entorno, além de presença em Minas Gerais, Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Piauí.

Ao número de agências, somam-se 141 correspondentes bancários (BRB Conveniência) e 590 ATM próprios, complementados por mais de 40 mil ATM (banco eletrônico) da Rede 24 horas, garantindo ao BRB cobertura de atendimento em todo o território nacional.

 

*Com informações do BRB

Fonte: Agência Brasília

https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2021/05/13/brb-tem-lucro-liquido-de-r-117-milhoes-no-1o-trimestre/

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA