BRASÍLIA

GERAL

Fortalecido, Alckmin vira opção para presidir PSDB

Publicados

em

Alckmin foi sondado recentemente por deputados sobre a possibilidade de presidir a sigla, mas desconversou. Embora não descarte a ideia, ele quer preservar a boa relação que mantém com os dois nomes que pleiteiam o cargo: o governador de Goiás, Marconi Perillo, e o senador Tasso Jereissati (CE), presidente interino do partido.

MAIS SOBRE O ASSUNTO

Ambos apoiam a pré-candidatura presidencial de Alckmin, bem como a maioria da bancada do PSDB na Câmara. Aliados de Perillo dizem que ele aceitaria abrir mão da disputa caso houvesse uma convergência em torno da tese de eleger o governador paulista para liderar o PSDB. Já Tasso ainda não oficializou sua intenção de tentar a reeleição, o que deve acontecer na semana que vem.

A avaliação no entorno de Alckmin é a mesma de setores antagônicos do PSDB: a presidência nacional do partido é o melhor caminho institucional para um pré-candidato ao Palácio do Planalto viajar o Brasil antes do início de fato da campanha, em meados do ano que vem.

Leia Também:  Fiocruz vai submeter etapas de produção da vacina de Oxford à Anvisa

“Aécio foi eleito presidente do PSDB antes de disputar à Presidência, assim como (o ex-governador) Eduardo Campos, que era presidente do PSB. O Geraldo Alckmin teria uma boa condição para promover a convergência no partido”, disse o ex-senador José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, braço teórico do PSDB.

Disputa
O deputado Ricardo Tripoli (SP), líder do PSDB na Câmara, avalia que o nome de Alckmin é atualmente consensual no partido para disputar à Presidência. “A candidatura do Geraldo em 2018 é consenso no partido. O prefeito João Doria é um bom nome, mas precisa de mais tempo”, afirmou.

Sobre a disputa interna, ele defende, porém, o nome de Tasso. “Ele tem o apoio da maioria da bancada federal e dos senadores, além da simpatia do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso”, disse Tripoli, destacando que Perillo é governador e deve disputar o Senado, enquanto Tasso estará livre em 2018.

Tasso recebeu Perillo nesta quarta (1) em Brasília e ouviu dele a confirmação oficial de sua pré-candidatura a presidente do PSDB.

No encontro, o governador de Goiás indicou apoio ao movimento pró-desembarque do governo Michel Temer. “O PSDB deu a sua contribuição, ajudou no impeachment (da presidente cassada Dilma Rousseff), mas agora chega a hora em que vamos focar na eleição”, afirmou. Segundo Perillo, “seria natural” o desembarque no final deste ano, quando considera que os ministros tucanos devem deixar o governo para focar na eleição de 2018.

O PSDB tem quatro ministros no governo do presidente Michel Temer: Bruno Araújo (Cidades), Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Luislinda Valois (Direitos Humanos). Destes, os três primeiros são parlamentares licenciados e devem disputar a reeleição no próximo ano. Oficialmente, o prazo de desincompatibilização vai até abril de 2018.

Leia Também:  "Jamais esteve sob análise privatizar o SUS", diz Guedes

Visto como integrante do grupo mais governista do partido, Perillo disse que sempre transitou em todas as alas da sigla. “Não me interessa ser integrante da ala A, B ou C, e sim da unidade”, declarou. Segundo ele, o partido vai fazer “um desembarque educado e normal”.

Candidatura única
Tasso não descartou a sua candidatura, pois disse que tem uma “identificação forte” com uma corrente que existe dentro da legenda e que está sendo pressionado a disputar. Ele ponderou, no entanto, que poderia aceitar um acordo por uma candidatura única. “Mais importante do que uma conversa sobre o nome de um ou de outro são as ideias. Se as ideias forem as mesmas, nada impede que o nome do candidato seja um só.”

O senador cearense garantiu que ficará no cargo interinamente até a Convenção Nacional do PSDB, em dezembro, quando deve ocorrer a eleição. Já Aécio Neves continua como presidente licenciado até lá.

A visita do governador de Goiás ao Congresso ocorreu um dia após deputados tucanos discutirem com o Tasso, que classificou o episódio como “uma reação delirante de Minas e Goiás”.

Durante o encontro de ontem (1) com Jereissati, Perillo tentou desfazer o mal-entendido e creditou o ocorrido ao temperamento do deputado Giuseppe Vecci (GO), um dos principais envolvidos. Em conversas reservadas, Perillo disse que o deputado Vecci tem “sangue de italiano” e costuma se envolver em discussões.

Fonte: Metropolis

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

GERAL

Aos gritos e visivelmente “transtornada”, atriz esquerdista da Globo grava vídeo e vira piada na web (veja o vídeo)

Publicados

em

Na gravação, a global se mostra transtornada e, dando chiliques, ataca o presidente Jair Bolsonaro e sai em defesa da petista Dilma Rousseff.

“O que, no meu c*, na minha buce**, são pedaladas fiscais?”, esbravejou.

E continuou:

“Agora, o Bolsonaro, o homem tá lá há dois anos. Quer que eu te diga o que ele já tentou fazer? […] Interferência na Polícia Federal, milícia, o filho dele colocou um monte de gente fantasma pra trabalhar no gabinete no Rio de Janeiro, o homem deixou faltar oxigênio em Manaus e as pessoas morreram, o homem fez pouco caso da pandemia”.

A atriz ainda aproveitou e tentou “convocar” um impeachment de Bolsonaro citando, inclusive, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

“Agora, Rodrigo Maia não sabe se vai impitimar! ‘Não, ainda não mandei’ [imitando Maia]’. Você, sinceramente, tome juízo nessa sua cabeça, você faça alguma coisa! A grande oportunidade que você tinha era vota essa porr* desse Impeachment”, afirmou, aos berros.

Maria Flor ainda disse mais:

“Daí a gente vai ficar com aquele Mourão [vice-presidente], o que a gente vai fazer com aquele homem? Nada! 2021, brother! Por que ainda estamos com esse governo, cheio de militar, de homem velho, branco, escrot* que não vê o outro, que deixa a gente morrer.”

E finalizou:

“A revolta está em mim, que eu não consigo mais viver de tanta revolta que eu tenho! Quero rasgar minha roupa e sair pelada, não sei o que eu quero fazer!”

Os internautas, surpresos com tamanha insensatez e transtorno, ironizaram a atriz.

Leia Também:  A vida nos arredores de um dos vulcões mais ativos e temidos do mundo

Entre os principais comentários está a hipótese de “abstinência” de Maria Flor.

Confira o vídeo e tire suas próprias conclusões:

Fonte: Jornal da Cidade On Line

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA