BRASÍLIA

MANCHETES

Caesb se destaca entre as maiores e melhores empresas do país

Publicados

em

Companhia subiu 24 posições no critério Renda Líquida em ranking divulgado pela revista Época Negócios

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: FREDDY CHARLSON
Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília
Em 2019, a receita líquida da Companhia foi de R$ 1.880,5 bilhão, um crescimento de 18% em relação ao ano de 2018 | Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) subiu 24 posições no ranking das 500 maiores empresas do país. A divulgação foi feita na nona edição do Anuário Época Negócios, uma publicação da Editora Globo, em parceria com a Fundação Dom Cabral.

O ranking das 500 maiores empresas do Brasil é construído principalmente a partir dos dados consolidados dessas companhias, obtidos por balanços ou fornecidos por elas. A Caesb passou da 384ª para a 360ª posição, onde o critério de classificação é a receita líquida. Em 2019, a receita líquida da Companhia foi de R$ 1.880,5 bilhão, um crescimento de 18% em relação ao ano de 2018.

Em 2020, o principal ranking do Anuário, chamado de 360º, elencou as 334 melhores empresas do país, de 25 diferentes setores. Essas companhias buscam a excelência e foram avaliadas em seis dimensões: Desempenho Financeiro, Governança Corporativa, Pessoas, Inovação, Visão de Futuro – a forma de planejar o futuro – e Sustentabilidade.

O resultado apresentado pela Caesb, uma empresa pública do DF, é o reflexo do trabalho técnico e comprometido dos empregados e colaboradores que atuam na CompanhiaDaniel Rossiter, presidente da Caesb

Na avaliação do Desempenho Financeiro, a Caesb ocupou a 184ª posição. A Companhia foi a 315ª na dimensão Pessoas e 74º lugar na Governança Corporativa. Já no tópico Inovação, a empresa ocupou a 159ª posição. A 126ª colocação foi alcançada no tópico Visão de Futuro e, finalmente, a 224ª posição no quesito Sustentabilidade. A Caesb foi a terceira empresa que mais cresceu na pontuação, com variação positiva de 77%.

Leia Também:  Ibaneis manda 1º escalão economizar para investir em 105 obras

No setor de Água e Saneamento, foi divulgado o ranking das maiores empresas do setor e a classificação nas diferentes dimensões. A Caesb ficou em 7º lugar no geral, ocupou o 4º lugar nos quesitos Inovação e Governança Corporativa, e o 5º lugar na dimensão Visão de Futuro.

Leia também

Daniel Rossiter: Caesb se destaca em modernização

Campanha da Caesb: “Seja consciente! Economize água!”

Foto: Marco Peixoto/Caesb

Caesb auxilia 200 famílias no Riacho Fundo II

“O resultado apresentado pela Caesb, uma empresa pública do DF, é o reflexo do trabalho técnico e comprometido dos empregados e colaboradores que atuam na Companhia. Prestamos um serviço essencial à população do DF, com 99% de distribuição de água e 100% de tratamento do esgoto coletado. O nosso principal objetivo é atender com excelência cada moradora e morador do DF. Afinal, o nosso negócio é água, esgoto e, acima de tudo, saúde pública. O resultado nos deixa muito felizes e com a certeza de que a Caesb apresentará resultados melhores a cada dia”, destacou o presidente da Caesb, Daniel Rossiter.

Leia Também:  Algumas coisas que você talvez não saiba sobre o Paranoá

De acordo com a superintendente de Planejamento e Modernização Empresarial, Luiza Brasil, “os resultados só evidenciam que a Caesb é uma empresa de excelência”. “Eles são decorrentes do esforço dos técnicos e trabalhadores da Companhia que possuem a missão de levar uma água de qualidade a todos os usuários do DF, bem como coletar e tratar os esgotos”, explica.

versão online do Anuário Época Negócios 360° está disponível no site da Época Negócios e na versão impressa.

*Com informações da Caesb

Postagem: http://temporarioegnews.com.br

Fonte: Agência Brasilia

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

MANCHETES

A ética da responsabilidade como atributo do estadista

Publicados

em

 

Salin Siddartha

Cabe aos governantes do Distrito Federal ser a voz da razão para afirmar Brasília como espaço de liberdade responsável pelo seu desenvolvimento econômico e social. O grau de racionalidade das políticas sociais deve ser adaptável às vocações das Regiões Administrativas do DF como um todo, bem como precisa estar sintonizado com certos aspectos irracionais do comportamento dos agentes políticos a fim de compensá-los com ajustes de previsão, percepção e resolução, já que nem tudo é sempre racional e a forma como as escolhas são estruturadas se torna importante para a tomada de decisões políticas.

Uma coisa é certa: a defasagem entre aquilo que os quadros políticos do governo sabem e aquilo que pensam que sabem é sempre perigosamente elevada. Dessa forma, aquilo que não se sabe é mais relevante do que aquilo que se sabe. Todavia o governante tem mais responsabilidade pelos resultados dos seus atos do que os outros cidadãos, pois a ética da responsabilidade é um atributo do estadista.

É claro que muitos problemas são imperceptíveis, principalmente quando os governantes se mantêm a distância das comunidades, sem observar in loco o que está acontecendo. Sendo assim, é de bom alvitre o contato permanente com a comunidade e o funcionamento deveras participativo da população no poder local.

Leia Também:  Economista: a proposta de Maia é um tiro no pé e objetivo foi lucrar com a pandemia

A tendência lenta, embora gradual, com que um problema começa a manifestar-se pode ser assaz imperceptível para que se possa prever o desastre que ele possa causar – como no caso da formação de ilhas de calor em nossas áreas urbanas e diversos problemas ambientais que, devagar, mas constantemente, foram espraiando-se pelo Distrito Federal e continuam a ameaçar, cada vez mais, nossa sustentabilidade ambiental. São normalidades deslizantes ocultas por trás de flutuações confusas que não só foram mas também vão deteriorando, aos poucos, a cidade, tornando difícil perceber um futuro que pode ser dramático para a sociedade brasiliense.

A incapacidade de resolver um problema, mesmo após ter sido previsto e percebido dá-se, em muitas ocasiões, pela atitude egoísta, em benefício próprio das oligarquias locais, mesmo que por intermédio de um comportamento nocivo à sociedade. É um sintoma imoral motivado pela perspectiva gananciosa de auferir maiores ganhos financeiros e patrimoniais à custa de perdas irreparáveis à Capital da República.

Note-se o mal que a especulação imobiliária fez em Águas Claras com relação à sustentabilidade do DF em questões como caos urbano, atravancamento do sistema de transporte, congestionamentos, falta de mobilidade e acessibilidade, prejuízos ao meio ambiente. A falta de comedimento leva a própria população a invadir áreas públicas sob o pretexto de que “o vizinho o fez, então eu também irei fazê-lo!”; o pior é que objetivos eleitoreiros conduzem maus políticos a regularizarem tais invasões, para prejuízo e destruição do bem comum das gerações futuras.

Leia Também:  Crescimento e Retomada econômica é a pior notícia que Lula livre poderia ouvir

É comum não se tentar resolver problemas já percebidos pelo simples fato de que a manutenção de tais problemas é boa para uma parte das elites poderosas desta cidade. É preciso que se abandonem valores arraigados na cultura e na história da população quando eles passam a ser incompatíveis com a sobrevivência coletiva. Os problemas que aqui apontamos devem servir de alerta também para outras cidades do País. São posturas assim que fazem com que certas sociedades sejam bem sucedidas e sobrevivam felizes pela história adentro, enquanto outras, por efetuarem escolhas erradas, fracassam e deixam de existir.

Fonte: http://temporarioegnews.com.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA