BRASÍLIA

MANCHETES

Estudante do DF vai representar Brasil em Comissão da Juventude do Brics, na Rússia

Publicados

em

A estudante de engenharia elétrica Juliana de Almeida Martinelli, de 28 anos, vai representar o Brasil na Comissão da Juventude do Brics – bloco econômico que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A jovem viaja para a Rússia no dia 20 de setembro, onde participará de um evento voltado para o empreendedorismo.

Juliana, que é aluna do Centro Universitário de Brasília (UniCeub), conta que foi selecionada junto com outros cinco brasileiros, sendo a única brasiliense e mulher empreendedora do grupo.

“Trabalho há alguns anos com inovação em cidades inteligentes, e ser escolhida para representar o Brasil é uma honra, mostra que estou no caminho certo.”

O programa internacional do Brics tem o objetivo de promover o empreendedorismo entre os jovens por meio de aulas, seminários e reuniões.

Projeto de impressão 3D em concreto

Na Rússia, ainda no evento, a estudante vai apresentar um projeto de impressões 3D em concreto, chamado de “InovaHouse3D”. Segundo Juliana, o equipamento foi criado para “facilitar a montagens de casas com preços mais acessíveis”.

Leia Também:  Homem virgem passa mal ao ver mulheres nuas durante programa de TV

A jovem contou ao G1, que a ideia surgiu em 2014 quando leu uma notícia sobre a impressão de casas em 3D na China, para ajudar os locais em situações de emergência. “Na época saiu uma matéria sobre a empresa chinesa que viralizou, ela conseguiu imprimir 10 abrigos emergenciais em um dia.”

Em 2015, a jovem empreendedora colocou em prática o projeto ao lado de colegas de faculdade e decidiu inscrever a iniciativa em uma competição de startups no DF.

Estudante do DF vai representar Brasil em Comissão da Juventude do Brics, na Rússia

“Acabamos ficando em terceiro lugar e resolvemos desenvolver a tecnologia para solucionar problemas de habitação no Brasil”, disse a jovem.

Jovem promissora

Em 2019, a estudante foi reconhecida pela revista Forbes como uma das jovens mais promissoras do Brasil. “Nosso maior marco na época foi a construção da primeira impressora 3D de concreto da América Latina”, afirma Juliana.

“Mas hoje meu maior foco é em colocar a tecnologia de impressão 3D de concreto no mercado brasileiro, principalmente para a habitação social.”

Para a estudante, o evento pode ser uma oportunidade para dar mais visibilidade à sua carreira. “Um evento desse porte expande as possibilidades de encontrar um investidor para o InovaHouse3D”, disse.

Leia Também:  Ibaneis: lei de eleição para administradores é “risco à sociedade”

Juliana não é a única brasiliense que está representando o Brasil fora do país. A estudante de direito e ciências sociais, Paloma Costa Oliveira, de 28 anos, foi nomeada para participar do Grupo Consultivo da Juventude sobre Mudança Climática da ONU.

A jovem irá aconselhar o secretário-geral António Guterres sobre o clima pós pandemia do novo coronavírus. Em 2019, Paloma participou e discursou na Cúpula do Clima da ONU em Nova York, nos Estados Unidos, ao lado da ativista sueca Greta Thunberg.

Ao G1, a estudante contou que quando recebeu o convite se sentiu honrada, orgulhosa e também com uma dose extra de responsabilidade. “Eu senti muito o peso da responsabilidade que essa oportunidade acarreta”, afirma.

“Tenho o dever e a obrigação de levar as vozes da juventude e também de abrir espaço para outras próximas juventudes.”

Postagem: http://temporarioegnews.com.br

Fonte: G1

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

MANCHETES

A ética da responsabilidade como atributo do estadista

Publicados

em

 

Salin Siddartha

Cabe aos governantes do Distrito Federal ser a voz da razão para afirmar Brasília como espaço de liberdade responsável pelo seu desenvolvimento econômico e social. O grau de racionalidade das políticas sociais deve ser adaptável às vocações das Regiões Administrativas do DF como um todo, bem como precisa estar sintonizado com certos aspectos irracionais do comportamento dos agentes políticos a fim de compensá-los com ajustes de previsão, percepção e resolução, já que nem tudo é sempre racional e a forma como as escolhas são estruturadas se torna importante para a tomada de decisões políticas.

Uma coisa é certa: a defasagem entre aquilo que os quadros políticos do governo sabem e aquilo que pensam que sabem é sempre perigosamente elevada. Dessa forma, aquilo que não se sabe é mais relevante do que aquilo que se sabe. Todavia o governante tem mais responsabilidade pelos resultados dos seus atos do que os outros cidadãos, pois a ética da responsabilidade é um atributo do estadista.

É claro que muitos problemas são imperceptíveis, principalmente quando os governantes se mantêm a distância das comunidades, sem observar in loco o que está acontecendo. Sendo assim, é de bom alvitre o contato permanente com a comunidade e o funcionamento deveras participativo da população no poder local.

Leia Também:  Mensagens das Runas para cada signo em 2021

A tendência lenta, embora gradual, com que um problema começa a manifestar-se pode ser assaz imperceptível para que se possa prever o desastre que ele possa causar – como no caso da formação de ilhas de calor em nossas áreas urbanas e diversos problemas ambientais que, devagar, mas constantemente, foram espraiando-se pelo Distrito Federal e continuam a ameaçar, cada vez mais, nossa sustentabilidade ambiental. São normalidades deslizantes ocultas por trás de flutuações confusas que não só foram mas também vão deteriorando, aos poucos, a cidade, tornando difícil perceber um futuro que pode ser dramático para a sociedade brasiliense.

A incapacidade de resolver um problema, mesmo após ter sido previsto e percebido dá-se, em muitas ocasiões, pela atitude egoísta, em benefício próprio das oligarquias locais, mesmo que por intermédio de um comportamento nocivo à sociedade. É um sintoma imoral motivado pela perspectiva gananciosa de auferir maiores ganhos financeiros e patrimoniais à custa de perdas irreparáveis à Capital da República.

Note-se o mal que a especulação imobiliária fez em Águas Claras com relação à sustentabilidade do DF em questões como caos urbano, atravancamento do sistema de transporte, congestionamentos, falta de mobilidade e acessibilidade, prejuízos ao meio ambiente. A falta de comedimento leva a própria população a invadir áreas públicas sob o pretexto de que “o vizinho o fez, então eu também irei fazê-lo!”; o pior é que objetivos eleitoreiros conduzem maus políticos a regularizarem tais invasões, para prejuízo e destruição do bem comum das gerações futuras.

Leia Também:  Homem virgem passa mal ao ver mulheres nuas durante programa de TV

É comum não se tentar resolver problemas já percebidos pelo simples fato de que a manutenção de tais problemas é boa para uma parte das elites poderosas desta cidade. É preciso que se abandonem valores arraigados na cultura e na história da população quando eles passam a ser incompatíveis com a sobrevivência coletiva. Os problemas que aqui apontamos devem servir de alerta também para outras cidades do País. São posturas assim que fazem com que certas sociedades sejam bem sucedidas e sobrevivam felizes pela história adentro, enquanto outras, por efetuarem escolhas erradas, fracassam e deixam de existir.

Fonte: http://temporarioegnews.com.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA