BRASÍLIA

ECONOMIA

Governo aprova mais 805 mil pedidos do auxílio emergencial de R$ 600

Publicados

em

No total, foram analisados mais de 1,8 milhão de solicitações feitas entre 23 de abril e 19 de julho

Os cidadãos que contestaram os resultados do pedido do auxílio emergencial de R$ 600, por meio do aplicativo e site da Caixa Econômica Federal, já podem conferir os resultados do requerimento.

O lote encaminhado pela Dataprev englobou os pedidos realizados entre 23 de abril e 19 de julho. Nesse pacote, mais de 805 mil cidadãos foram considerados elegíveis por atenderem os critérios da lei.

Trabalhadores ou desempregados que estavam com o cadastro em análise podem conferir no site (acesse aqui) ou aplicativo do auxílio.

Para isso, é preciso informar o nome completo, o CPF e a data de nascimento de quem realizou o pedido, além do nome da mãe.

Balanço

Com mais essa entrega, o universo de elegíveis no Auxílio Emergencial do Governo Federal chegou a 66,9 milhões, incluindo os três grupos do programa: informais, Bolsa Família e Cadastro Único.

Leia Também:  Região de Saúde Norte zera fila de espera da radiologia ambulatorial

Atualmente, 903 mil pessoas estão com os cadastros classificados como “inconclusivos” nos sistemas e ainda podem complementar as informações pessoais por meio do aplicativo ou portal da Caixa.

Além disso, outros 123 mil cadastros estão em processamento pela Dataprev. Na prática, isso significa que cerca de 1 milhão de pessoas ainda pode receber o auxílio.

Calendário

A proposta do governo é que esse novo lote de beneficiários do auxílio emergencial se encaixe no calendário de ciclos estabelecido pela Caixa Econômica Federal que teve início na última quarta-feira (22/7).

Fonte: Metropoles
COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

ECONOMIA

Após anunciar demissão, Ford chama trabalhadores de volta para produzir peças de reposição

Publicados

em

Os funcionários resistem porque as entidades são contra a volta dos funcionários, até que a multinacional negocie indenizações e um plano de saída do país.

Enquanto a decisão não sai, o Governo Federal já avalia um “Plano B” para as fábricas da montadora.

“A Ford está mandando comunicados, mas a adesão está zero. Está tudo parado. Ninguém está indo (trabalhar). A fábrica precisou alugar um galpão porque na região de Simões Filho (BA) não tinha gente para descarregar mercadorias de 90 caminhoneiros aqui, em Camaçari”, afirma Júlio Bonfim, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari.

Segundo Bonfim, a multinacional ainda não negociou como será o processo de demissão dos empregados, nem reuniu, formalmente, com os sindicatos para discutir as rescisões e indenizações.

“Ninguém voltou (ao trabalho) porque o que a Ford fez foi um ‘tapa na cara’: não negociou nada com a gente e pede para a gente retornar ao trabalho? Não dá”, disparou Júlio Bonfim.

A empresa mantinha no país uma fábrica de motores e de transmissão, em Taubaté (SP), e uma planta montadora, em Camaçari (BA), que já interromperam a produção. Além de uma unidade da marca Troller, em Horizonte (CE), que está prevista para encerrar as atividades, final do ano.

Leia Também:  Papa Francisco se preocupa que ‘moda’ da homossexualidade invada Igreja

A Ford não se manifestou sobre a convocação aos trabalhadores, nem sobre eventual negociação com sindicatos.

Fonte: Jornal da Cidade On Line

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA