BRASÍLIA

ECONOMIA

Levantamento mostra só 5 estados com força para sair da crise em 2021

Publicados

em

Maioria dos estados listados têm vocação agrícola ou de exploração mineral

Agronegocio

VINÍCIUS SANTA ROSA/METRÓPOLES

Apenas cinco estados brasileiros devem encerrar o ano de 2021 com Produto Interno Bruto (PIB) acima do nível pré-pandemia (2019). São eles: Mato Grosso do Sul, Pará, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Goiás – puxados, sobretudo, por commodities agrícolas e minerais. O restante precisará de um impulso maior para recuperar os estragos provocados pela Covid-19 na sua economia, segundo levantamento feito pela Tendências Consultoria Integrada

A situação, que já era ruim, ficou pior com a pandemia. A recuperação deve continuar em ritmo lento, já que 2020 está praticamente perdido. “A atividade econômica do ano que vem dependerá de uma série de condicionantes, como a própria evolução da pandemia e o reflexo de questões políticas na agenda econômica, com destaque para a questão fiscal”, diz o economista da Tendências Lucas Assis.

Nesse cenário, os poucos que vão se sobressair têm motivos de sobra para comemorar. Mato Grosso do Sul deve ser o estado mais resiliente no biênio 2020-2021 e deverá exceder em 2,7% o PIB de 2019. O desempenho será reflexo do avanço da produção agropecuária e da produção industrial. “Com localização privilegiada, próxima de São Paulo, a indústria de celulose do estado deve ser favorecida pela expectativa de ampliação da demanda asiática por papel tissue, pela tendência estrutural de substituição do plástico por produtos de papel e pelo câmbio brasileiro desvalorizado”, explica Assis.

No Pará, outro estado que deve superar o PIB de 2019, o desempenho será influenciado sobretudo pela normalização da produção de alumínio e pela expansão da produção de minério de ferro no Sistema Norte da Vale, composto pelas minas de Carajás e S11D. O quinto estado a recuperar as perdas deste ano será o Rio de Janeiro, com o avanço esperado da produção de petróleo e gás natural. A atividade será impulsionada pelo crescimento das operação das plataformas inauguradas na Bacia de Campos, em 2019, e pela previsão de entrada em operação da nova unidade P-70.

Leia Também:  Auxílio ao transporte escolar: GDF diz que pagará 1ª parcela ainda este mês
Auxílio

Segundo Assis, apesar da perspectiva de expansão da atividade econômica no ano que vem, o País continuará 4,2% abaixo do PIB registrado em 2019. Neste ano, a previsão da consultoria é de uma queda de 7,3% e, em 2021, um avanço de 3,4%. Mas esses números podem ter alguma alteração dependendo da prorrogação do auxílio emergencial e do valor a ser pago, diz ele.

Para Assis, no entanto, as condições do mercado de trabalho nordestino são bastante frágeis, com elevada informalidade, alta proporção de domicílios em extrema pobreza e grande participação de empresas de pequeno porte. “Além disso, a região é extremamente dependente das transferências federais, que podem diminuir com a arrecadação menor”, afirmou o economista.

Leia Também:  A vez de Alckmin

No Sudeste, apesar do bom desempenho do Rio de Janeiro, os demais estados terão dificuldade para retomar o nível de 2019. Com alta participação de setores sensíveis à dinâmica econômica, São Paulo deve ser afetado pelos choques negativos na demanda e oferta em segmentos como o de veículos automotores.

Fonte: Metropoles
COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

ECONOMIA

Produção industrial avança em 17 das 26 atividades em novembro ante outubro

Publicados

em

O avanço de 1,2% na produção industrial em novembro ante outubro foi resultado de altas em 17 dos 26 ramos pesquisados, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre as atividades, a influência positiva mais relevante foi a de veículos automotores, reboques e carrocerias, com um aumento de 11,1% na produção. O setor acumulou uma alta de 1.203,2% em sete meses consecutivos de crescimento, superando em 0,7% o patamar de fevereiro, no pré-pandemia.

“Essa atividade praticamente paralisa seu processo produtivo nos meses de março e abril. A gente tem relato, inclusive, que algumas plantas industriais não produziram absolutamente nada. Claro que automóveis e caminhões são os itens de maior peso, contribuem positivamente, mas também as autopeças está avançando e dando contribuição positiva para esse segmento industrial. A atividade traz consigo outros ramos industriais, como o setor de outros químicos, metalurgia, borracha e plástico. Tem não só a importância da atividade em si, mas também a correlação com outros setores industriais”, apontou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

Leia Também:  Auxílio ao transporte escolar: GDF diz que pagará 1ª parcela ainda este mês

Outras contribuições positivas relevantes para a média global da indústria foram de Outros produtos químicos (5,9%), Confecção de artigos do vestuário e acessórios (11,3%), Máquinas e equipamentos (4,1%), Impressão e reprodução de gravações (42,9%), Couro, artigos para viagem e calçados (7,9%), Bebidas (3,1%), Produtos de metal (3,0%), Outros equipamentos de transporte (12,8%) e Metalurgia (1,6%).

Na direção oposta, nove atividades tiveram queda, sendo os principais impactos negativos os segmentos de Produtos alimentícios (-3,1%), Indústrias extrativas (-2,4%) e Produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-9,8%).

TÓPICOS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA IBANEIS

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA