Covid longa afeta mais as mulheres, indica estudo com pacientes do DF

A pandemia do novo coronavírus produz um número ainda incontável de outros tipos de vítimas: as que sofrem com sequelas permanentes ou transtornos provocados pela covid-19. Pesquisa inédita no mundo revela que mulheres são mais afetadas pelas sequelas da infecção do que homens. Além disso, 91,2% das pessoas que contraíram a doença apresentam perda de memória e fadiga, enquanto 8,8% desenvolvem outras enfermidades.

O estudo Manifestações neuropsicológicas de covid longa em pacientes brasileiros hospitalizados e não hospitalizados é coordenado pela neurocientista Lúcia Willadino Braga, presidente do Hospital Sarah Kubitschek, e foi elaborado com base no quadro de pacientes do Distrito Federal. Participaram da pesquisa 614 pessoas com algum tipo de problema decorrente da doença, mesmo após a recuperação. Nesse grupo, 73% eram mulheres e 27%, homens.

Entre elas, todas relataram perda de memória nos meses seguintes à infecção pelo novo coronavírus. “O que assusta é que você pega uma gripe e, uma semana depois, ela passa. Com a covid-19, você sai do quadro, mas fica com a memória e toda a capacidade de planejamento muito atingida. E o planejamento está em absolutamente tudo na vida”, destaca Lúcia Willadino.

A média de idade dos pacientes que participaram do levantamento era de 47 anos. Mais da metade deles eram casados, com ensino superior completo e em atividade na carreira. O perfil, segundo a neurocientista, facilitou o diagnóstico. “Eram profissionais que, antes da covid-19, conseguiam fazer determinadas tarefas e, após a doença, ao retornarem ao trabalho, encontraram dificuldades para realizar atividades de rotina”, comenta.

A pesquisa será apresentada pela primeira vez nesta segunda-feira (27/6), na reunião geral do Núcleo Brasília do Grupo Mulheres do Brasil (GBM — leia Encontro no CCBB Brasília). E, menos de um dia após a divulgação na NeuroRehabilitation, uma das mais importantes publicações científicas do mundo, Lúcia Braga recebeu convites para apresentar o estudo nos Estados Unidos e na França. Confira a íntegra da entrevista concedida pela neurocientista ao Correio, no hospital Sarah Centro.

Por que a senhora decidiu fazer esse mergulho para entender as sequelas da covid-19?

No primeiro ano de pandemia, os pedidos de atendimento de pessoas que tiveram covid-19 passaram a representar 30% de toda a demanda por consultas na Rede Sarah. Mas não sabíamos como tratar as pessoas. Para isso, precisávamos descobrir quem eram esses pacientes, que tipo de problema neuropsiquiátrico e neuropsicológico eles tinham e se havia alguma relação com a gravidade do quadro da covid-19.

O que se descobriu?

Dos 614 pacientes que participaram da pesquisa, 73% eram mulheres, e isso não tem relação com o fato de a mulher cuidar melhor da saúde e procurar mais atendimento médico. As mulheres foram mais afetadas pelos problemas neuropsicológicos e neuropsiquiátricos. No dia a dia, elas tiveram capacidade de planejamento, memória e fluência verbal afetadas, além de depressão e transtornos de humor.

Leia Também:  Por que é essencial se proteger do sarampo, doença que causa amnésia imunológica

Elas são mais atingidas ou foram mais as mulheres que procuraram ajuda?

Levantamos essa hipótese quando vimos esse predomínio das mulheres. A primeira coisa foi olhar para a estatística geral, porque tem aquela coisa de que a mulher, de fato, procura mais a saúde preventiva do que o homem. Peguei as estatísticas de toda a Rede Sarah para ver qual é o percentual de homens e mulheres que nos procuram. Normalmente, para as outras patologias, sabemos que atendemos, mais ou menos, 2 milhões de pacientes por ano. Desse total, aproximadamente 51% são mulheres e 49%, homens. É mais ou menos o que é o Brasil. E, no pós-covid, tivemos essa diferença maior de mulheres que nos procuraram com sequelas.

Em quanto tempo as sequelas ou os distúrbios pós-covid aparecem?

Logo após a fase aguda, de um a dois meses depois. Essa doença afeta o corpo humano de forma multissistêmica. Ela afeta o cérebro, o raciocínio, o pensamento, a memória, o afeto e o humor. Essas pessoas precisam de reabilitação, e percebemos uma melhora importante (do quadro) após um ano de covid-19.

Houve relação entre as sequelas e a gravidade do quadro de covid-19?

Descobrimos que elas não têm relação com a gravidade da infecção por covid-19. Elas aparecem em pacientes com sintomas leves, em quem precisou ficar na enfermaria, na UTI (unidade de terapia intensiva) e em quem foi intubado. De todas as pessoas que participaram do estudo, apenas um terço foi hospitalizado. Então, você vê que a hospitalização não teve ligação direta. Os não hospitalizados foram 408; internados em enfermaria, 100; e quem precisou de UTI, 41.

Com o conhecimento que se tem hoje, é possível afirmar se essas sequelas são temporárias ou perenes?

Ainda é cedo para avaliar se serão perenes.

A senhora falou sobre comprometimento do afeto. Como é isso na prática?

A pessoa perde ou fica com a capacidade de demonstrar afeto comprometida. Em um dos testes, você pede para a pessoa dizer a mesma frase demonstrando animação e tristeza. Por exemplo: “O time tal perdeu o campeonato”. Quando o paciente executa o pedido, não consegue expressar esses sentimentos na voz, por exemplo. A demonstração de afeto ficou entre os que tiveram os piores escores, junto a perda da memória.

Como é o processo de reabilitação desses pacientes?

A avaliação é individual e o trabalho, em grupo. As sequelas assustam muito. A psicóloga dá dicas sobre o que fazer para melhorar a memória e (sugere) exercícios físicos.

Leia Também:  Hildegard de Bingen, a santa que fez a primeira descrição do orgasmo feminino

Como as pessoas chegam ao Sarah?

Muito angustiadas. Diferentemente de um paciente com quadro de demência, que, às vezes, não percebe a doença, os pacientes pós-covid-19 têm toda percepção de que estão perdendo as capacidades físicas e mentais. Recebemos uma professora que esqueceu o conteúdo para ministrar aula; uma médica que, na escuta do paciente, não conseguia reter as queixas para diagnosticar e prescrever (os remédios); um motorista que esqueceu como dirigir em Brasília — e olha que, em Brasília, o endereçamento é por número; tem uma lógica. Então, as pessoas precisam buscar ajuda o mais cedo possível. Fechou a fase aguda da infecção por covid-19, procure ajuda (leia Serviço).

Encontro no CCBB Brasília

Na próxima reunião do núcleo brasiliense do GBM, Lúcia Braga apresentará o estudo Problemas de memória e atenção nas mulheres pós-covid, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). A pesquisa, além de incluir os dados sobre o público feminino ser mais acometido pelas sequelas da doença, trata de enfermidades desconhecidas provocadas pela infecção, como deficiências na concentração, na expressão de afeto e na fluência verbal. O estudo apontou, ainda, que todos os 614 participantes tiveram algum grau de perda de memória. O Grupo Mulheres do Brasil surgiu em 2013, criado por 40 integrantes de diferentes segmentos com o intuito de engajar a sociedade civil na conquista de melhorias para o país. Atualmente, a presidente do projeto é a empresária Luiza Helena Trajano.

Serviço

A reabilitação de pacientes pós-covid-19 na Rede Sarah é gratuita e ocorre em todas as unidades do hospital no país. Para isso, basta acessar o site www.sarah.br e clicar no painel “Reabilitação pós-covid-19”. Um banner com uma lista de sequelas e distúrbios provocados pelo novo coronavírus aparecerá, com a seguinte orientação: “Para solicitar um atendimento, clique aqui”. Os próximos passos são intuitivos no site.

No detalhe

Características sociodemográficas dos pacientes que participaram da pesquisa

TOTAL: 614
Mulheres: 541 (73%)
Homens: 163 (27%)

IDADE
18-39 anos: 141 (23%)
40-59 anos: 383 (62%)
60 anos ou mais: 90 (15%)

ESCOLARIDADE
Ensino básico: 31 (5%)
Ensino médio: 34 (6%)
Ensino superior: 216 (35%)
Pós-graduação: 333 (54%)

ESTADO CIVIL
Casado(a): 338 (55%)
Divorciado(a): 77 (13%)
Solteiro(a): 181 (29%)
Viúvo(a): 18 (3%)

CONDIÇÃO SOCIAL
Economicamente ativos: 457 (74%)
Aposentados: 72 (12%)
Desempregados: 59 (10%)
Afastados por doença: 26 (4%)

Fonte: Correio Braziliense

COMENTE ABAIXO:

Últimas Notícias

Quer receber as notícias em
primeira mão?

TODOS OS DADOS SÃO PROTEGIDOS CONFORME A LEI GERAL DE
PROTEÇÃO DE DADOS (LGPD).

ENVIAR MENSAGEM
Estamos Online!
Olá
Podemos Ajudar?