Fundadora do Slutty Vegan, Pink Cole, levanta R$ 122 milhões em financiamento da série A

Aisha “Pinky” Cole é uma mulher ocupada. Fundadora e CEO da cadeia de hambúrgueres veganos Slutty Vegan, atualmente a marca também conta com produtos que vão de chips a gomas de CBD (Canabidiol), sem mencionar um acordo para a venda de sapatos, uma fundação e um livro de receitas (Eat Plants Bitch).

Além disso, Pink Cole diz que uma grande rede de supermercados encomendou 60.000 unidades de molho Slutty Vegan, que vem em sabores como Bangin’ Hot-Lanta Chik’n e já está nas prateleiras da Target, segunda maior rede de lojas de departamento nos Estados Unidos. E Pink Cole está expandindo seus negócios além das cinco lojas da rede, com sede em Atlanta, para mercados como Brooklyn e Baltimore. Ela diz que seu objetivo é “construir uma marca de bilhões de dólares”.

Em exclusividade à Forbes, Pink Cole diz que arrecadou US$ 25 milhões (R$ 122 milhões na cotação atual) por meio de uma rodada de financiamento da Série A que valoriza sua marca de quatro anos em US$ 100 milhões (R$ 490 milhões). Pink Cole planeja usar o dinheiro para abrir 10 pontos da Slutty Vegan até o final deste ano e outros 10 em 2023. Ela também planeja contratar um diretor de operações e um diretor de marketing para ajudar a gerenciar o crescimento.

O que excita Pink Cole não é apenas o capital, mas a experiência de seus principais investidores: o New Voices Fund, do empresário Richelieu Dennis, e o Enlightened Hospitality Investments do restaurateur Danny Meyer, que além de empresário é escritor. Jason Crain, diretor de receita da Slutty Vegan, liderou a rodada de negociações em nome do restaurante. Richelieu Dennis fundou a Sundial Brands, que fabrica produtos como SheaMoisture e Nubian Heritage, negócio que começou nas ruas do Harlem com shampoos e cremes para a população negra.

Com Meyer, Pink Cole recebeu um mentor que criou restaurantes com estrelas Michelin e uma cadeia de fast-food de sucesso, a Shake Shack. “Eu tenho o Michael Jordan da comida na minha equipe”, diz Pink Cole, acrescentando que Meyer “provou que você pode escalar um negócio e ser único”.

Meyer tomou conhecimento de Pink Cole pela primeira vez quando ela se juntou ao CEO da Shake Shack, Randy Garutti, para uma oferta única de “SluttyShack”, em um local do Harlem em agosto do ano passado. Quando Garutti mencionou a colaboração com a Slutty Vegan, a resposta de Meyer foi “Que diabos é isso?” Mas depois de ver as escalações e Pink Cole em ação, ele se convenceu sobre a escolha.

“Eu nunca tinha visto comida vegana apresentada de uma forma tão divertida”, disse Meyer. “Os líderes são muitas vezes definidos pelo grau em que as pessoas querem segui-los, e eu vi pessoas seguindo o líder.”

Leia Também:  Mulheres Hipercriativas expõem no Museu de Arte de Brasília

Dennis, fundador do New Voices Fund, diz que também foi levado a experimentar o Slutty Vegan depois que as pessoas elogiaram sua comida. “Foi essa comida muito, muito boa que colocou o Slutty Vegan no meu radar”, diz Dennis, que estava em uma das filas lotadas do Slutty Vegan para experimentá-lo.

“E continuaram me incentivando ainda mais. Então, eu fui vê-la. Estou na fila e estou olhando para a fila. É isso que me atrai”, diz Dennis. “E, como dizem, eu estava ‘Sluttified’. Fiquei viciado desde então.”

Uma rodada para impulsionar negócios

O New Voices Fund, que se descreve como um parceiro de capital de crescimento, surgiu em 2015, com a missão de ajudar as mulheres negras a escalar e expandir seus negócios. “Trata-se de fazer parceria com esses empreendedores incríveis e seus negócios para impulsionar escala e crescimento reais e criar riqueza para esses fundadores”, diz Dennis

“E é isso que Pinky Cole fez aqui e continua fazendo. Essa nova rodada de investimentos transformará rapidamente não apenas a indústria de restaurantes veganos, mas impulsionará uma quantidade incrível de iniciativas e opções de alimentos para a comunidade negra que talvez ainda não existissem”.

Esta não é a primeira incursão de Pink Cole no negócio de restaurantes. Em 2014, ela abriu o restaurante jamaicano e americano Pinky’s no Harlem. Mas, após um incêndio, ela perdeu tudo no restaurante. Precisando de um emprego, Pink Cole conseguiu uma colocação em Los Angeles para trabalhar como diretora de elenco para a série de entrevistas da Oprah Winfrey Network, Iyanla: Fix My Life. Ela então viajou para Atlanta para continuar trabalhando no programa.

Quando surgiu a ideia do Slutty Vegan em julho de 2018, ela começou o negócio usando um espaço de cozinha compartilhada, enquanto recebia pedidos por meio de mensagens diretas no Instagram. “Então pensei: há cerca de 300 pessoas lá fora tentando entrar em contato comigo para um pedido”, diz Pink Cole, que abriu um food truck e depois fixou os locais onde estacionava.

“Quando você entra pelas portas do Slutty Vegan”, diz Pink Cole, “é como entrar em um santuário de diversão. Estamos falando alto. Estamos dançando. Temos música Hip Hop estourando nos alto-falantes. Você tem pessoas te provocando. Você recebe sua comida. Você tem álcool. É uma atmosfera de festa.”

Pink Cole diz que a marca energética de Slutty Vegan se assemelha à de sua própria personalidade. “Sou atrevido, sou orgânico e, mais importante, sou real.” Isso não quer dizer que o nome não tenha apresentado desafios a ela. Pink Cole diz que foi instruída a mudar o nome de Slutty Vegan como uma pré-condição para ser uma fornecedora quando o Super Bowl chegou a Atlanta em 2019.

Leia Também:  Busca por bebida saudável fez Maria Rudge criar marca de sucesso

De Baltimore para o mundo

Nascida de imigrantes rastafaris jamaicanos em Baltimore em 1987, nos primeiros 20 anos de sua vida, o pai de Pink Cole estava cumprindo pena de prisão perpétua e mais tarde foi deportado para a Jamaica. Pink Cole passou a infância com sua mãe, uma musicista do grupo de reggae Strykers’ Posse. Vegana há oito anos, Pink Cole está noiva de Derrick Hayes, um empresário que é dono do Big Dave’s Cheesesteaks. Eles têm uma filha juntos, com outra a caminho.

Embora a culinária vegana de Pink Cole tenha agradado os consumidores que procuram reduzir ou eliminar a carne de suas dietas, ela não está sozinha em explorar um novo mercado. É fato que há dificuldade em rastrear a porcentagem de veganos, mas várias pesquisas colocam os números em até 6% e crescendo rapidamente. Existem mais de 24.000 restaurantes vegetarianos nos EUA, incluindo 1.474 restaurantes veganos, de acordo com a última contagem da Happy Cow, que ajuda os consumidores veganos a encontrar lugares para comer.

O que é menos comum é encontrar empreendedores negros conduzindo esse impulso. Cerca de 9% dos restaurantes são de propriedade de negros, de acordo com a National Restaurant Association.

Após o assassinato de George Floyd em 2020, Meyer diz que “tivemos muito tempo para refletir e pensar sobre o negócio que queremos ser e acelerar nossas metas de diversidade e inclusão”. Um objetivo importante de seu empreendimento é apoiar mais negócios de propriedade de negros. “Não é apenas quem você contrata, mas quem é você? Quais comunidades você está atendendo? Quais pessoas você está ajudando que historicamente não tiveram acesso a capital?”

Não há muito que assuste Pinky Cole. Ela diz que até o medo de falhar é um “belo medo” que a leva a ir mais longe. “Tenho medo do fracasso. Que empresário não teria?” diz ela. “Mas você sabe o que esse medo faz? Isso me mantém na ponta dos pés. Isso me mantém na minha rotina. Eu quero saber que quando Pinky Cole se for, o que eu criei continuará a existir.”

Fonte: Forbes Mulher

COMENTE ABAIXO:

Últimas Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Quer receber as notícias em
primeira mão?

TODOS OS DADOS SÃO PROTEGIDOS CONFORME A LEI GERAL DE
PROTEÇÃO DE DADOS (LGPD).

ENVIAR MENSAGEM
Estamos Online!
Olá
Podemos Ajudar?