Startups lideradas por mulheres querem criar leite materno sintético

A escassez do leite em pó infantil é um problema que Laura Katz e Michelle Egger imaginaram quando decidiram separadamente desenvolver alternativas sintéticas ao leite materno.

Helaina, a startup de Katz, e a BioMilq, de Egger, levantaram cada uma mais de US$ 25 milhões (R$ 122 milhões) de patrocinadores que incluem, no caso da BioMilq, Bill Gates. Embora seus produtos estejam provavelmente a anos da aprovação da FDA (Agência de Alimentos e Drogas dos EUA), suas respectivas fundadoras de 29 anos estão confiantes de que suas inovações científicas fornecerão aos cuidadores alternativas mais saudáveis ​​que serão mais fáceis para as famílias modernas do que o leite materno real. A pergunta que elas precisam responder: há pais suficientes que darão o salto para os sintéticos?

Leia mais: Sandra Chayo, da Hope, será jurada na próxima temporada do Shark Tank

Para Katz, a ideia de Helaina surgiu aos 23 anos, muito antes de a maternidade passar por sua cabeça. Ela havia deixado sua aula de nutrição global no programa de Mestrado em Ciência dos Alimentos da Universidade de Nova York e embarcou no trem N, tocando o Reply-All para se distrair do vagão do metrô lotado.

Foi quando o apresentador descreveu uma mãe que dirigia horas e pagava a personagens duvidosos da internet por leite materno para amamentar seu bebê que Katz percebeu que ninguém havia trazido com sucesso para o mercado leite materno sintético. Katz decidiu que ela seria a primeira. Ela criou a Helaina para usar a fermentação de precisão – o processo de programação de levedura para fermentar em proteína do leite materno – para fazer e comercializar leite materno feito pela ciência.

“A escassez está nos mostrando o quão crítico é impulsionar a inovação neste espaço, para trazer mais e melhor acesso aos pais que precisam alimentar seus filhos com algo além do leite materno”, diz Katz. “Estamos humanizando a fórmula infantil e aproximando-a do leite materno em termos das propriedades que o leite materno traz para os bebês que o bebem.”

Leia Também:  Conheça as duas mulheres à frente do filme sobre a jogadora Marta

Atualmente, os responsáveis têm a opção de alimentar os bebês com leite materno naturalmente bombeado ou leite em pó infantil, que é o leite de vaca cientificamente alterado para se assemelhar ao leite humano.

Katz levantou US$ 25 milhões em financiamento de patrocinadores como Spark Capital e Siam Capital. Ela e sua equipe de 30 pessoas operam em um laboratório da cidade de Nova York, onde experimentam fermentação de precisão e seus usos para consumidores infantis e idosos. Ela está atualmente nos estágios iniciais de ensaios clínicos.

Katz se recusou a oferecer uma estimativa de quando Helaina estará disponível para preencher as gôndolas de nutrição infantil nas lojas, mas ela diz que sua estreia estabilizará os preços, oferecerá aos cuidadores uma alternativa de leite sem custo de tempo e quebrará o oligopólio das quatro empresas – Abbott, Nestlé, Perrigo e Reckitt Benckiser — que juntas representam 90% do mercado americano.

Apesar do que pode ser uma relutância inicial em amamentar seus bebês com leite feito em tubo de ensaio, Stefani Bardin, que ensina tecnologia e design de alimentos na Universidade de Nova York e na Parsons School of Design, diz que haverá interessados.

“Acho que a tecnologia pode ser realmente útil para resolver as lacunas no sistema alimentar”, diz Bardin, que foi um dos instrutores de Katz na NYU, mas não teve contato com ela desde então. “Minha única preocupação com esses tipos de substituições é que as empresas [precisam] olhar de forma holística para o corpo.” Bardin cita o Soylent, uma bebida substituta de refeições que teve que recolher seu produto várias vezes devido a consequências não intencionais.

Do ponto de vista do mercado, as empresas de nutrição infantil veem um pequeno crescimento, ajudando a explicar a falta de inovação e consolidação no espaço. “O leite sintético pode fornecer uma solução”, diz Shagun Singh, diretor de pesquisa da RBC Capital Markets. “Tenho certeza de que pode haver um futuro para isso.”

Leia Também:  Deputadas do PSL querem proibir homens de banharem crianças em escolas de SP

A BioMilq é outra empresa que espera capitalizar essa visão de futuro. Com o apoio de US$ 25 milhões de investidores como Gates, Novo Holdings e Breakthrough Energy Ventures, Egger, CEO e cofundadora da BioMilq, planeja lançar o leite humano sintético nos próximos três a cinco anos.

Em vez de fermentar o fermento, como Helaina faz, a BioMilq pega leite materno e tecido mamário, doados por mulheres em troca de cartões-presente da Target, e cultiva células humanas que podem secretar leite.

O BioMilq está tecnicamente pronto para os consumidores, diz Egger, mas não estará disponível até pelo menos 2025 porque, como Helaina, está passando por testes.

“A nutrição infantil realmente não interessou empresários e investidores tradicionais porque na última década foi relegada a uma questão feminina”, diz Egger. “Não é qualquer um que pode lançar um produto de nutrição infantil, até certo ponto com razão. Isso bloqueou a inovação porque não é um processo fácil levar um produto ao mercado. Requer muito capital e conhecimento científico.”

Quando BioMilq obtiver aprovação para entrar no mercado, Egger começará a vendê-lo diretamente aos consumidores a um preço premium para compensar o alto custo de produção da tecnologia. Ela acredita que seu produto ajudará as mulheres a alcançar a igualdade no local de trabalho sem comprometer a nutrição infantil.

“O leite materno é a melhor fonte absoluta de nutrição”, diz ela. “A realidade é que a amamentação exclusiva para a maioria das famílias modernas está circunstancialmente fora de alcance.”

Fonte: Forbes

COMENTE ABAIXO:

Últimas Notícias

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.

ENVIAR MENSAGEM
Estamos Online!
Olá
Podemos Ajudar?