BRASÍLIA

MUNDO

Governo dos EUA detalha plano para vacinar crianças de 5 a 11 anos

Publicados

em

Adolescente recebe a primeira dose da vacina Pfizer contra a Covid-19 em uma escola particular em Quito, capital do Equador, em 13 de setembro de 2021 — Foto: Rodrigo Buendia/AFP

O governo de Joe Biden delineou nesta quarta-feira seu plano para vacinar milhões de crianças de 5 a 11 anos assim que uma vacina contra Covid-19 for aprovada para essa faixa etária, preparando doses e instalações antes da movimentada temporada de final de ano.

O governo informou que está trabalhando para montar clínicas de vacinação em mais de 100 sistemas de hospitais pediátricos de toda a nação, além de consultórios médicos, farmácias e possivelmente escolas.

Leia também

EUA voltam a ter queda de casos e mortes por Covid-19 mas vacinação lenta ainda preocupa

EUA voltam a ter queda de casos e mortes por Covid-19 mas vacinação lenta ainda preocupa

Leia Também:  Recém-nascida é salva de bueiro na Índia após alerta de gatos

Se a vacina da Pfizer e da BioNTech obtiver uma aprovação ampla, o plano garantiria “que seja distribuída rapidamente e disponibilizada conveniente e igualitariamente a famílias de todo o país”, disse a Casa Branca em um comunicado, observando que as agências reguladoras estudarão a aprovação de maneira independente.

A Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) está analisando o pedido da Pfizer/BioNTech para uma aprovação de sua vacina de duas doses para crianças pequenas, e seu comitê de conselheiros externos marcou uma reunião para 26 de outubro. Normalmente a FDA segue o conselho de seu comitê, mas não é obrigada a fazê-lo.

EUA aprovam dose de reforço da vacina contra Covid para pessoas com comprometimento do sistema imunológico

EUA aprovam dose de reforço da vacina contra Covid para pessoas com comprometimento do sistema imunológico

Em seguida, conselheiros do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) estudarão recomendações da vacina em uma reunião de 2 e 3 de novembro que sua diretora usará para fazer suas próprias recomendações.

Uma vez aprovada, cerca de 28 milhões mais de crianças norte-americanas estarão aptas a receber o que seria a primeira vacina aprovada nos EUA para combater o novo coronavírus em crianças menores.

Leia Também:  FBI libera primeiro documento relacionado à investigação do 11 de Setembro

Veja os vídeos mais assistidos do g1

G1

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

MUNDO

Anvisa reforça pedido ao governo para restringir voos e exigir vacinação completa de viajantes

Publicados

em

Por

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) enviou nesta quarta-feira (1º) um novo parecer à Casa Civil do governo Jair Bolsonaro para pedir a adoção de medidas mais rígidas no acesso de viajantes ao país. A intenção é evitar o aumento dos casos de Covid-19 após a descoberta da variante ômicron.

No documento, a Anvisa reitera a necessidade de:

“Diante das restrições estabelecidas de forma global pelos demais países, a inexistência de uma política de cobrança dos certificados de vacinação pode propiciar que o Brasil se torne um dos países de escolha para os turistas e viajantes não vacinados, o que é indesejado do ponto de vista do risco que esse grupo representa para a população brasileira e para o Sistema Único de Saúde”, diz a nota da Anvisa (veja íntegra abaixo).

Avisos repetidos

No ofício, a Anvisa destaca que a apresentação do comprovante de vacinação “é um importante requisito para ingresso ao país e ainda mais necessário diante da identificação da variante ômicron em território nacional e do consequente esforço para a sua contenção”.

Segundo a agência reguladora, a medida foi sugerida ao governo em 12 de novembro, mas afirma que o comitê interministerial responsável por decidir sobre a adoção da exigência ainda não avaliou a recomendação da agência.

“Diante das restrições estabelecidas de forma global pelos demais países, a inexistência de uma política de cobrança dos certificados de vacinação pode propiciar que o Brasil se torne um dos países de escolha para os turistas e viajantes não vacinados, o que é indesejado do ponto de vista do risco que esse grupo representa para a população brasileira e para o Sistema Único de Saúde”, diz comunicado da Anvisa.

Leia Também:  Renovação real Britânica

Na nota técnica, a Anvisa enumera as medidas tomadas por 35 países para impedir que a variante Ômicron se espalhe.

A agência afirma ainda que há mais de um ano tem “reiteradamente recomendado” a adoção da quarentena ou auto quarentena para viajantes que entrem em território nacional.

“Se cumprida de acordo com as orientações das autoridades de saúde, acrescida de outras medidas sanitárias, [a quarentena] permite a contenção da disseminação da doença pela interrupção da cadeia de transmissão de variantes do vírus, já que visa evitar o contato do viajante com outras pessoas suscetíveis”, afirmou o órgão.

Leia abaixo a íntegra da nota à imprensa divulgada pela Anvisa nesta quarta:

A Anvisa enviou à Casa Civil ofício assinado pelos cinco diretores acompanhado da Nota Técnica 208/2021 na qual ratifica as orientações pela adoção de medidas restritivas que impeçam, temporariamente, voos com destino ao Brasil oriundos dos seguintes países: República de Angola, República do Malawi, República de Moçambique e República da Zâmbia.

No mesmo ofício, a Agência reiterou as Notas Técnicas 112 e 113 nas quais recomenda a exigência do certificado de vacinação completa contra a COVID-19 para a entrada de viajantes no Brasil. O ofício destaca que este é um importante requisito para ingresso ao país e ainda mais necessário diante da identificação da variante ômicron em território nacional e do consequente esforço para a sua contenção.

A medida foi sugerida no dia 12 de novembro de 2021 pela Agência, mas ainda não foi avaliada pelo Comitê Interministerial responsável pela tomada de decisão.

Diante das restrições estabelecidas de forma global pelos demais países, a inexistência de uma política de cobrança dos certificados de vacinação pode propiciar que o Brasil se torne um dos países de escolha para os turistas e viajantes não vacinados, o que é indesejado do ponto de vista do risco que esse grupo representa para a população brasileira e para o Sistema Único de Saúde.

A Agência destaca que há mais de um ano a Anvisa tem reiteradamente recomendado ao Comitê Interministerial a adoção da medida de quarentena ou auto quarentena no ingresso de viajantes em território nacional, que se cumprida de acordo com as orientações das autoridades de saúde, acrescida de outras medidas sanitárias, permite a contenção da disseminação da doença pela interrupção da cadeia de transmissão de variantes do vírus, já que visa evitar o contato do viajante com outras pessoas suscetíveis.

A primeira recomendação da Anvisa relativa à quarentena ou auto quarentena ocorreu em novembro de 2020 por meio da Nota Técnica 238/2020/SEI/GIMTV/DIRE5/ANVISA. Essa recomendação foi reiterada, durante o ano de 2021, em outras seis Notas Técnicas da Anvisa.

G1

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.