BRASÍLIA

Notícias

CrisDown do Hran é referência em atendimento para pessoas com síndrome de Down

Serviço atende mais de 1,8 mil pessoas no momento e familiares dos pacientes elogiam acolhimento multidisciplinar

LÍVIA DAVANZO I EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA I DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

Com cerca de dois mil pacientes cadastrados, o Centro de Referência Interdisciplinar em Síndrome de Down (CrisDown) é referência não apenas no Distrito Federal e região do entorno, mas para outros estados do país no atendimento a pessoas com síndrome de Down, contemplando desde gestantes que recebem o diagnóstico da trissomia do cromossomo 21, quanto todas as faixas etárias da vida. Assim, bebês, crianças, adolescentes, adultos e idosos encontram atendimento humanizado e interdisciplinar no local.

O serviço funciona no ambulatório do Hospital Regional da Asa Norte – Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

Segundo a fisioterapeuta e coordenadora do CrisDown, Carolina Vale, o serviço atende atualmente cerca de 1.878 pacientes. A equipe possui em torno de 30 profissionais, entre fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, psicólogo, nutricionista, assistente social, geneticista, pediatra, cardiopediatra, neuropediatra e clínico geral.

Um dos pacientes atendidos é o pequeno José Pedro, de 3 anos e 8 meses. Acompanhado da mãe, a professora Eliane Dourado, ele foi acolhido no serviço assim que nasceu e passa por sessões semanais de fisioterapia e terapia ocupacional. Ele também faz acompanhamento com o ortopedista e a pediatra. “A equipe é muito acolhedora e o atendimento é sempre muito humanizado. Os profissionais são muito comprometidos e solícitos com as nossas necessidades”, avalia.

Crisdown é um serviço referência a pacintes com síndrome de Down no Hran – Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

A também professora Ana Lúcia Silva de Souza, mãe do Rafael, de 2 anos e 4 meses, leva o filho ao CrisDown desde quando ele tinha dois meses de vida e diz estar muito feliz com o acolhimento recebido no serviço. “Viemos participar de uma palestra e desde então ele está aqui sendo atendido. O desenvolvimento dele tem sido surpreendente. Ele já está andando, já fala algumas palavras”, comemora.

Leia Também:  Brazlândia recebe 10ª edição do ‘Sua Vida Vale Muito’

A coordenadora do serviço explica que o trabalho é interdisciplinar e foi pensado assim para proporcionar um olhar integral aos pacientes. “O intuito do CrisDown, quando construímos o serviço, foi facilitar essa interlocução entre as áreas e evitar que os pacientes ficassem andando na rede em busca de atendimento com diversos profissionais. Aqui temos várias especialidades na equipe”, destaca.

Pacientes contam com atendimento multidisciplinar – Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

Pandemia

Carolina conta que com a pandemia, tiveram que repensar a forma de atendimento. “A gente precisava fazer alguma coisa, pois os pacientes tinham perdido muito em termos de desenvolvimento global – motor, cognitivo e de fala – e isso nos angustiava”, relata.

Assim, foram montados pequenos grupos em um formato diferenciado. “É um grupo porque eles vêm no mesmo horário. São seis pacientes pela manhã e seis à tarde. Geralmente, os pais entram junto para acompanhar as atividades e poder auxiliar em casa. Mas cada família fica distante, dentro da sala, seguindo os protocolos recomendados”, observa.

Mesmo com as dificuldades impostas pelo momento, a coordenadora ressalta que o serviço acolheu quase 100 pacientes em 2020.

Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

O serviço

O CrisDown nasceu em 2013 e funcionou primeiramente na unidade básica de saúde da 905 norte. Atualmente, funciona no Hospital Regional da Asa Norte (Hran) onde era a antiga creche. A entrada é separada do hospital, proporcionando mais tranquilidade aos pacientes.

Leia Também:  Roubo de doses da CoronaVac em SP foi planejado, diz polícia

Para ser atendido, é preciso entrar em contato por WhatsApp (99448-0691) e agendar um acolhimento. Eles ocorrem sempre às sextas-feiras e são agendados. “Antes era acolhimento aberto, era possível receber muitas pessoas. Hoje, em função da pandemia, isso mudou. Passamos a trabalhar com agendamento e atendemos três famílias nas sextas pela manhã, esclarece.

Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

Quando chegam ao CrisDown, as famílias participam de uma roda de conversa com a equipe. Após esse acolhimento, é feita a estratificação de risco. De acordo com Carolina, nesse momento, é realizada uma avaliação global do paciente. “Depois que é feita a estratificação, o paciente é classificado de acordo com o risco, sendo que os vermelhos possuem prioridade, e então é feito o agendamento de acordo com a necessidade”, pontua.

Por fim, Carolina resume o que acredita definir o trabalho desenvolvido pela equipe. “Aqui, investimos no presente para modificar o futuro. É preciso oferecer oportunidade e possibilidade para que possam se desenvolver. Empoderamos as famílias para acreditar que sim, é possível que no futuro tornem-se pessoas capazes de desenvolver habilidades essenciais para autonomia e independência”, salienta.

Saúde

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Notícias

Ação conjunta leva atendimento às mulheres no Itapoã

Publicados

em

Por

Serviço das secretarias de Saúde e da Mulher faz parte da campanha Outubro Rosa e contou a administração regional

LUIZ FERNANDO CÂNDIDO, DA REGIÃO LESTE | EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA

A campanha Outubro Rosa destaca a importância do autocuidado feminino e incentiva as mulheres a buscarem o acompanhamento médico especializado. Durante todo o mês, várias unidades da rede pública de saúde estão promovendo ações voltadas à saúde da mulher. Na Unidade Básica de Saúde 3 do Itapoã diversos serviços foram levados à população da região por meio de uma ação conjunta das secretarias de Saúde e da mulher, além da Administração Regional da cidade.

Unidade móvel levou atendimentos na unidade – Foto: Luiz Fernando Cândido/Região Leste

Os serviços ocorreram durante a manhã com o atendimento de 81 mulheres e contaram com a unidade móvel da Secretaria da Mulher. Na ocasião, foram coletadas 47 amostras de citopatológicos de colo do útero, inseridas 31 mamografias na central de regulação e realizados 32 exames clínicos das mamas. “Ofertar serviços para as mulheres, no Itapoã, por meio da unidade móvel, é uma oportunidade sempre gratificante”, afirma a gerente de serviços da Atenção Primária 2, Fernanda Santana. “São números bem expressivos”.

Leia Também:  No RJ, prefeito eleito de Conceição de Macabu morre de covid-19

Quem aproveitou a oportunidade e procurou a UBS foi Maria do Carmo dos Santos, de 56 anos. Ela conta que fez o exame preventivo no ano passado, também na unidade móvel, quando estava na região. “Mais perto de casa facilita fazer o exame. Trazendo uma coisa boa pra gente”, agradece.

Atendimento na UBS 3 do Itapoã beneficiou 81 mulheres – Foto: Luiz Fernando Cândido/Região Leste

As ações da Secretaria de Saúde estão a todo vapor. No mês de outubro, as UBSs 2 e 3 do Itapoã têm ampliado a agenda com mais vagas de consultas, tanto para a coleta de citopatológicos em mulheres, quanto para a inserção de DIU, com acesso dessas pacientes aos serviços.

Segundo a gerente Fernanda Santana, novas ações estão previstas para a região. “Estamos planejando outras ações no território, inclusive, um dia em novembro, visando às ações voltadas para os moradores da região administrativa”, pontua.

Leia Também:  Brazlândia recebe 10ª edição do ‘Sua Vida Vale Muito’
--> Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.