BRASÍLIA

Notícias

DF inicia vacinação de jovens de 14 e 15 anos a partir desta quarta-feira (15/9)

Adolescentes dessas duas faixas etárias de idade correspondem a 33,32% da população total de 12 a 17 anos

GUILHERME PEREIRA, DA AGÊNCIA SAÚDE DF

A Secretaria de Saúde recebeu, na tarde desta segunda-feira (13), mais um carregamento de 77.220 doses de vacinas Pfizer-BioNTech, que serão destinadas para vacinar jovens de 14 e 15 anos, ampliando a campanha de vacinação contra a covid-19. A vacinação deste grupo começa na próxima quarta-feira (15/9), a partir das 8h e 9h, de acordo com o perfil do local de vacinação.

Os pontos de vacinação serão divulgados na terça (14). Em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (13), os gestores da Secretaria de Saúde anunciaram que, com a nova remessa, o Distrito Federal possui um quantitativo de mais de 100 mil primeiras doses para alcançar os jovens que estão nessa faixa etária, cujo público é estimado em 89.453 pessoas.

O secretário de Saúde, general Pafiadache, celebrou o anúncio da nova ampliação. “Neste final de semana, eu presenciei a cena de um pai indo tomar a D2 e levando o filho para tomar a D1. Isso é sensacional! Estamos satisfeitos com a participação da população na vacinação contra a Covid, mas sempre pedimos que as pessoas levem, incentivem e sensibilizem quem ainda não se vacinou. É extremamente importante termos uma cobertura vacinal completa, e isso depende de nós”, afirma o secretário.

A antecipação da segunda dose para quem recebeu os imunizantes da Pfizer-BioNTech e da AstraZeneca permanece para quem tem a data de retorno marcada até o dia 24 de setembro. Ainda durante a coletiva, o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, afastou qualquer possibilidade de desabastecimento de vacinas para quem já tomou a segunda dose.

Coletiva de imprensa no auditório da Secretaria de Saúde – Fotos: Geovana Albuquerque/Agência Saúde-DF

“Estamos fazendo uma ‘matemática reversa’ com o adiantar de doses, mas a população do Distrito Federal pode ficar tranquila porque não há qualquer risco de desabastecimento de segundas doses. O número de pessoas que ainda não receberam a D2 não é um número absoluto, mas distribuído em um quadro matemático que estaria à nossa frente e que nós estamos antecipando”, esclarece.

Leia Também:  MS confirma suspeita de nova variante de covid-19 no Brasil

Doses de reforço

O Distrito Federal espera, ainda para esta semana, um novo carregamento de doses de vacinas acompanhado de um Nota Técnica do Ministério da Saúde com as orientações para aplicação da dose de reforço, também chamada de terceira dose.

“Aqui no DF tomamos a decisão de seguir o Programa Nacional de Imunizações (PNI). A partir do dia 15, eles irão definir a regra e o número de vacinas destinadas à primeira fase da aplicação da terceira dose ”, acrescentou o secretário Pafiadache.

Variante Delta

De acordo com o último sequenciamento genômico analisado pelo Laboratório Central (Lacen), o Distrito Federal registrou mais 10 novos casos da variante Delta. Todos os casos foram identificados pelo laboratório do Hospital da Criança de Brasília (HCB). Com isso, o DF já registrou 346 casos confirmados da variante indiana.

O novo levantamento da Subsecretaria de Vigilância em Saúde apontou que sete pessoas já foram a óbito em função da infecção pela variante Delta do novo coronavírus. Destes, seis eram residentes do DF e um do Goiás. Dos casos confirmados, 219 são do sexo feminino e 127 do sexo masculino. Considerando estes casos, 86 pessoas já haviam recebido as duas doses da vacina contra a covid-19; 109 haviam recebido apenas a D1; e 129 ainda não haviam sido vacinados.

“As pessoas não podem deixar de adotar as medidas não farmacológicas: o uso de máscara de proteção, lavagem das mãos, o uso de álcool em gel e evitar os ambientes onde há um grande número de pessoas, porque o vírus está aí. Esse vírus está em constante mutação e essas mutações que ocorrem fazem com que as pessoas, mesmo vacinadas, possam ter uma nova contaminação”, explica o diretor de Vigilância Epidemiológica, Fabiano dos Anjos.

Leia Também:  Lewandowski dá 48 horas para Pazuello informar datas de vacinação

Assistência à Saúde

A pasta está dando segmento ao planejamento cirúrgico que pretende reduzir ao máximo a fila de espera por cirurgias eletivas. A secretária adjunta de Assistência à Saúde, Raquel Beviláqua, explicou que “o planejamento da Secretaria de Saúde – neste momento – não é só em relação à Covid, mas à toda Saúde da população do Distrito Federal, com ênfase nas cirurgias”. A pasta estima que mais de 39 mil procedimentos eletivos ainda estejam represados em função da pandemia.

Até o momento, 185 leitos covid foram remobilizados para leitos de UTI não-covid e outros 100 foram remobilizados em leitos de enfermaria. Os pacientes covid continuam sendo redirecionados para os hospitais de campanha, que seguem em operação. A pasta está realizando manutenção predial em todos os hospitais da rede, visando a ampliação da capacidade de atendimento de cada unidade.

O investimento em recursos humanos e profissionais de saúde está em pauta. Nesta semana, foram convocados 13 médicos para o Hospital Regional do Gama (HRG), cinco para o Hospital da Região Leste (HRL), três no Hospital Regional de Sobradinho (HRS), 10 no Hospital Regional de Ceilândia (HRC), seis no Hospital Regional de Samambaia (HRSam), quatro no Hospital Regional de Taguatinga (HRT) e seis para o Hospital Regional de Planaltina (HRPL).

Outros três clínicos foram convocados para o Hospital Regional da Asa Norte (Hran), totalizando 50 profissionais que já estão atuando no atendimento de Pronto-Socorro de forma regionalizada, ou seja, nos hospitais mais próximos de suas residências. A pasta também possui um edital aberto para anestesistas e prevê 10 mil horas de Trabalho por Período Definido (TPD) para intensificar o terceiro turno de cirurgias.

Saúde

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Notícias

Processo seletivo segue com inscrições abertas

Publicados

em

Por

São mil vagas temporárias sendo 500 para agente comunitário de saúde e 500 para agente de vigilância ambiental

JOHNNY BRAGA, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

Até às 23h59 da próxima terça-feira (21) seguirão abertas as inscrições do edital nº 165 para contratação temporária de 500 agentes comunitários de saúde e 500 para agentes de vigilância ambiental. Não haverá provas e os candidatos poderão se inscrever no site do Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação. O valor da inscrição é de R$ 42 e o grau de escolaridade exigido é para quem tem o Ensino Médio.

Os aprovados terão uma jornada de trabalho de 40 horas semanais e remuneração mensal de R$ 1,7 mil, no caso dos agentes comunitários de saúde e 2 mil para os agentes de vigilância ambiental.

No ato da inscrição é necessário anexar comprovante de títulos e experiência profissional em conformidade com o Edital Normativo. Os candidatos serão selecionados por meio de análise curricular de caráter classificatório. A experiência na função e a titulação contam pontos mas não são requisitos obrigatórios.

Em caso de dúvidas, os interessados podem contatar a banca organizadora pelo telefone (11) 4788-1430 ou pelo site. A seleção terá validade de um ano, a contar da homologação do resultado final. O prazo poderá ser prorrogado uma vez, por igual período.

Leia Também:  Três capitais registram redução da carga viral do coronavírus em esgotos; Rio de Janeiro permanece com taxa elevada

“A contratação dos mil agentes vai reforçar o trabalho de vigilância à saúde e no enfrentamento à pandemia, considerando que esses agentes têm em suas atribuições o trabalho de combate aos agentes biológicos e não biológicos, além de outras endemias”, pontua a subsecretária de Gestão de Pessoas, Silene Almeida.

Ainda segundo a gestora, haverá um reforço substancial nas equipes de atenção primária que, atualmente, possuem um grande déficit de agentes comunitários de saúde, desfalcando muitas equipes. “Com a contratação dos novos agentes as equipes serão consistidas, acarretando até em aumento do repasse do Ministério da Saúde para a SES/DF no financiamento do programa”, explica.

Área de atuação

Os agentes comunitários de saúde atuarão na atenção primária fortalecendo as equipes de Saúde da Família e aproximando-as com a comunidade, entendendo a necessidade dos territórios e promovendo o vínculo e acesso aos serviços.

De acordo com o coordenador da Atenção Primária, Fernando Erick Damasceno, os agentes exercem outras atividades essenciais. “Os agentes possuem funções educativas e de apoio nas atividades coletivas e práticas integrativas. E hoje, com o novo modelo de financiamento da Atenção Primária à Saúde no âmbito do SUS, são fundamentais para realizar o cadastro da população”, ressalta.

Leia Também:  Covid-19: Pfizer anuncia acordo para produção de vacinas no Brasil

Já a contratação dos agentes de vigilância ambiental é estratégica para reforçar as equipes que são responsáveis pelas atividades extra-hospitalares e realizam, por exemplo, as visitas domiciliares para controle de endemias, fazendo rastreamento de contato, monitoramento da rastreabilidade dos diversos tipos de cepa do novo coronavírus. Eles também farão a coleta de dados sobre comportamentos epidemiológicos, entre outras atividades que precisam ser realizadas em campo e servem para subsidiar o conjunto de ações em saúde, inclusive o planejamento estratégico para os próximos anos.

Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.