BRASÍLIA

NOTÍCIAS DO ENTORNO

Em Goiás, Caiado sanciona lei que prevê cobrança para uso de tornozeleiras eletrônicas

Legislação institui pagamento, a título de compensação financeira, pelo uso do dispositivo de monitoramento eletrônico por investigado, acusado, preso ou condenado no Estado. Cada tornozeleira tem custo de R$ 245 por mês. Atualmente, 4.602 detentos fazem uso do equipamento, com custo anual de R$ 13 milhões para cofres públicos. “É inadmissível que essa responsabilidade fique nos ombros da população goiana”, destaca governador Ronaldo Caiado

O governador Ronaldo Caiado sancionou, na noite desta terça-feira (05/10), a Lei nº 21.116 que institui a cobrança, a título de compensação financeira, pelo uso de tornozeleira eletrônica por investigado, acusado, preso ou condenado no Estado de Goiás.

“Estado gasta uma fábula de dinheiro para manter essas pessoas encarceradas. Bandido já deu prejuízo demais à população”, argumenta o governador.

De acordo com a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), cada tornozeleira tem um custo de R$ 245 por mês, débito que será ser repassado ao presidiário.

Segundo dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP-GO), atualmente 4.602 detentos fazem uso do dispositivo no Estado, com um custo anual de R$ 13 milhões.

Para atender a demanda existente hoje, são necessárias 10 mil novas tornozeleiras. Dessa forma, a lei sancionada vai reduzir os custos e possibilitar a ampliação da política de monitoração eletrônica em Goiás.

Leia Também:  Pessoas albinas devem ter tratamentos dermatológico e oftalmológico assegurados

“É inadmissível que essa responsabilidade fique nos ombros da população goiana”, frisa o governador ao explicar que há casos em que o custo de manutenção dos detentos chega a ser maior que o valor investido em um educador.

Para o diretor-geral de Administração Penitenciária, tenente-coronel Rasmussen, a cobrança pelo uso da tornozeleira eletrônica é uma questão de equidade. “Este custo não deve ser do Estado, o preso que recebe o benefício da liberdade por meio do monitoramento tem que pagar pelo equipamento. A nova lei vai gerar uma economia de milhões de reais aos cofres públicos e vamos reverter esses recursos em melhorias para o sistema penitenciário goiano”, defende.

Além de Goiás, os estados de Santa Catarina e de Mato Grosso também adotaram a cobrança pelo uso do equipamento eletrônico de monitoração em medida que possibilite liberdade provisória, medidas protetivas, restritivas de direito ou qualquer forma de liberdade do acusado no curso do processo ou durante o cumprimento da pena.

A lei goiana, que foi elaborada em conjunto com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP-GO), por meio da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), e da Secretaria de Estado da Casa Civil (SECC), isenta de cobrança os presos que são beneficiários da assistência judiciária gratuita.

Leia Também:  Crimes à espera de resposta

Assim como a conservação do equipamento de monitoração eletrônica utilizado por ele, será de total e irrestrita responsabilidade do investigado, acusado, preso ou condenado a manutenção do equipamento em caso de avaria ou dano ao equipamento ou a seus acessórios.

Os pagamentos dos valores pela utilização do equipamento de monitoração eletrônica serão recolhidos por Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais (Dare), expedido pela secretaria de Estado da Economia, preferencialmente pela Internet.

Se o interessado não dispuser de acesso à Internet, a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) fornecerá o Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais para pagamento nas instituições financeiras.

A inadimplência do monitorado resultará na inscrição do débito em dívida ativa, sem prejuízo de outras sanções, e não implicará qualquer limitação à liberdade de locomoção.

Diretoria-Geral de Administração Penitenciária – Secretaria de Estado da Casa Civil – Governo de Goiás

COMENTE ABAIXO:

NOTÍCIAS DO ENTORNO

Instituto de Identificação disponibiliza aplicativo RG Digital Go

Publicados

em

Por

O Instituto de Identificação da Polícia Civil do Estado de Goiás vem a público divulgar que já está disponível, nas lojas de aplicativos de celulares Android ou IOS, o aplicativo RG Digital Go.

Em uma ação inédita e visando sempre a inovação e a modernização de seus processos, o Governo de Goiás lança o app com o intuito de facilitar o acesso ao documento de identidade.

Funciona assim: o cidadão que possui RG em Goiás, emitido a partir de 2019, terá acesso a sua carteira de identidade com os mesmos dados disponíveis no documento impresso dentro do aplicativo; quem tiver via emitida até 2018 poderá solicitar uma nova via do documento nas unidades de Vapt-Vupt.

O aplicativo é gratuito, seguro e possui integridade e validade jurídica. Além de fornecer ao cidadão a opção de portar eletronicamente o documento de identidade, o software do RG Digital Go trabalha em conjunto com outros sistemas estaduais para garantir a troca de informações de maneira rápida e eficiente.

Também está disponível ao cidadão a solicitação da 2ª via do RG de forma simplificada. O documento emitido será uma reemissão e os dados permanecem os mesmos, logo, apenas a pessoa que teve o documento emitido nos últimos 3 anos poderá fazer o requerimento pela internet, acessando o site do Instituto de Identificação da PCGO: iivirtual.ssp.go.gov.br.

Leia Também:  Pessoas albinas devem ter tratamentos dermatológico e oftalmológico assegurados

O RG Simplificado tem como objetivo otimizar o tempo do cidadão que tem interesse de
solicitar a 2ª via do documento, sendo necessário ir ao Vapt-Vupt somente para retirar a Carteira de Identidade impressa na data agendada.

Policia Civil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.