BRASÍLIA

Notícias

Porque o Desenvolvimento do Governo de Bolsonaro não dá manchete

Publicados

em

Resultado de imagem para obras do governo de bolsonaro

O escândalo do DNIT foi um dos casos de corrupção mais intrigantes da história recente do Brasil. Por duas razões: sua dimensão gigantesca e a facilidade com que foi abafado. Ao coquetel se soma agora o ingrediente mais intrigante de todos: esse antigo antro de bandalheiras está sendo transformado em modelo de gestão — e isso não é manchete no Brasil.

DNIT é a sigla para Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes e foi um dos grandes focos da roubalheira no império petista. A CPI do DNIT foi barrada no Congresso (2011) porque na época a população ainda estava inebriada com o mito de Luiz Inácio da Silva, o santo dos pobres. O mensalão já tinha sido esfregado na cara do Brasil, mas assim mesmo ele elegeu Dilma Rousseff, ungida por Lula como a Mãe do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). E a rainha do PAC era a construtora Delta, que estava no centro do escândalo do DNIT.

A grande imprensa se encontrava num momento bem mais saudável que o atual – ainda não tinha caído na tentação da panfletagem politicamente correta para concorrer (estupidamente) com as redes sociais. Os principais veículos se revezavam em reportagens contundentes sobre a máfia que tinha dominado as grandes obras viárias sob o manto protetor de Dilma, Lula e almas honestas associadas. As cifras milionárias dos superfaturamentos eram publicadas diariamente — naquele que foi o petrolão dos transportes e teve na mídia a sua Lava Jato.

Leia Também:  Solteiro: estar "sozinho" é um problema para você?

Onde está o escândalo do DNIT na história? Sumiu. O então ministro dos Transportes foi demitido e Dilma terminou o ano de 2011 com popularidade recorde — ela era a “gerentona” da faxina contra a corrupção. Contando ninguém acredita.

Tempos depois o bicheiro Carlinhos Cachoeira foi preso pela PF por seu envolvimento em negociatas da Delta — a campeã do PAC de mamãe Dilma e rainha do DNIT. Cachoeira já tinha protagonizado o pré-mensalão — primeiro escândalo da Era Lula com o despachante Waldomiro Diniz, depois substituído pelo famoso Marcos Valério. A usina de crimes sob a fachada do governo popular já tinha seu grande elenco.

Só bem depois, com as investigações sobre o esquema de Cabral no Rio, o dono da Delta foi apanhado pela polícia. E as almas honestas de Lula e Dilma atravessaram incólumes todos os capítulos do escândalo do DNIT e seus desdobramentos.

Agora o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas — que não é filiado nem ligado a partido nenhum — está dando um choque de gestão na área dos transportes. Desfazendo a duras penas a aparelhagem e abrindo o setor para investimentos com dezenas de leilões/concessões para empreendimentos viários e portuários. Parece ser o início de uma revolução nessa área essencial ao desenvolvimento do país — e tragicamente acostumada a estar no foco da bandalheira.

Leia Também:  Suspeitos são presos por envolvimento em morte de jovem que desapareceu após oferecer carona por WhatsApp

Por que esse tema não é dominante no noticiário sobre política e governo no Brasil em 2019?

Qual a importância desse assunto — política e governo — para as pessoas que não vivem disso? O falatório que fermenta polêmicas em redes sociais ou as ações que irão melhorar a vida delas?

A resposta é óbvia, e é muito fácil perceber que, se temas como este e as medidas de Liberdade Econômica, de contenção de fraudes no INSS e de contenção da criminalidade somem no meio das crises digitais, o senso comum não pode estar muito bem de saúde.

Pondo de forma mais direta: se Tarcísio de Freitas, Sergio Moro e Paulo Guedes emplacarem para valer suas agendas positivas, o Brasil decola de vez e a vida vai ficar difícil para os contadores de história triste (fantasiados de resistência democrática). São esses que fazem questão de não ver nada do exposto acima e não tiram o “bolsonarismo” da boca.”

Fonte: Pablo Braga

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

MUNDO

Tabata Amaral é a convidada do Montese Entrevista

Publicados

em

Por

Deputada federal fará uma análise sobre a democracia global após a eleições no EUA

As eleições americanas são o assunto mais comentado nos últimos dias em todo o mundo, especialmente porque mesmo após o anúncio da vitória do democrata Joe Biden, ela ainda não acabou, já que o presidente Donald Trump se recusa a aceitar a derrota.

Em mais de 240 anos, aceitar publicamente a derrota tem sido um ponto  importante e central para a democracia para unir o país após as eleições. A notícia é do site Regra dos Terços.

Com brigas judiciais e um país dividido, o comportamento do pleito eleitoral nos Estados Unidos pode respingar em democracias em todo o mundo e é sobre isso que o programa Montese Entrevista vai conversar na próxima sexta-feira, 13, às 17h, com a deputada federal Tabata Amaral (PDT).

Tabata Amaral tem 25 anos e foi eleita deputada federal pelo PDT em 2018 por São Paulo. Despontando como uma das lideranças da renovação política, ela é ativista da educação e dos direitos das mulheres.

O programa é mediado por Carolina Valente presidente do Instituto Montese, formada em Relações Internacionais e Direito.

Você pode acompanhar a conversa no Youtube do Instituto Montese.

[yotuwp type=”videos” id=”IccLedM-pC0″ ]

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Atropelada em 42s, Jéssica Bate-Estaca perde o título para Weili Zhang no UFC Shenzhen
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA