BRASÍLIA

POLICIAL

Grupo de governador afastado do TO usou haitiano refugiado como laranja, diz PF em relatório

Publicados

em

Foto: Reprodução

Em depoimento à PF, Miciale Pierre afirmou que seu contratante pagava R$ 500 a mais por mês para colocar uma empresa em seu nome

Mônica Bergamo
São Paulo, SP

Relatório da Polícia Federal elaborado após operação que teve como alvo o governador afastado do Tocantins , Mauro Carlesse (PSL), apresenta diversos indícios de que organização criminosa supostamente comandada por ele e seu sobrinho, Claudinei Quaresemin, teria usado como laranja um refugiado haitiano que trabalhava como pedreiro em Balneário Camboriú.

Ele tinha renda de cerca de R$ 1.000, e extrato bancário em seu nome achado no notebook de Quaresmin exibe saldo de R$ 420 mil.

Em depoimento à PF, Miciale Pierre afirmou que seu contratante em Santa Catarina, Rafael Augusto de Souza, pagava R$ 500 a mais por mês para colocar uma empresa em seu nome, sem dizer o motivo.

O extrato mostra depósitos de até R$ 30 mil feitos pela empresa. O extrato também conta com transações de até R$ 60 mil feitas pela plataforma de pagamentos digitais Linkpay, que, segundo a PF, também era usada por Quaresemin.

Leia Também:  Polícia Militar prende motorista armado na divisa do DF com Goiás

O relatório aponta similaridade entre os números dos cartões de Miciale e Quaresemin, o que pode sugerir que sejam titular e adicional.

Boletos bancários que haviam sido apagados do notebook de Quaresemin indicam situações similares de possível uso de laranja: pessoas com pouca renda que constam como pagadoras de boletos de até R$ 75 mil.

Carlesse foi afastado do governo por 180 dias em outubro, por decisão do ministro Mauro Campbell, do STJ (Superior Tribunal de Justiça). Em 7 de dezembro, a Assembleia Legislativa abriu um processo de impeachment por crime de responsabilidade contra ele.

Uma das suspeitas contra ele é de que havia desvios de parte do que o estado repassava a hospitais referente ao Plansaúde (plano de saúde dos servidores estaduais). Segundo as investigações, uma porcentagem do dinheiro era devolvido ao governador e aliados, como propina.

A Procuradoria-Geral da República afirmou, em manifestação enviada ao ministro Campbell, que o grupo de Carlesse recebeu R$ 9,5 milhões entre 2018 e 2021 e desse total ao menos R$ 7,8 milhões não tem explicação para a origem.

Leia Também:  Mulher ateia fogo na casa após marido pedir divórcio

Reportagem do jornal Folha de S.Paulo mostrou que Carlesse também é acusado de ter adquirido materiais de pesca por intermédio de auxiliares, supostamente utilizando dinheiro do Hospital de Urgência de Palmas.

O advogado de Carlesse, Nabor Bulhões, diz que os procedimentos instaurados até agora são inquisitoriais e encontram-se em segredo de Justiça. Ele afirma que nem o governador nem sua defesa tiveram acesso ao relatório e que nada do que se produziu na investigação vem observando as garantias da defesa.

“Como a experiência tem mostrado, lamentavelmente, nessa fase inquisitorial, os investigadores não têm escrúpulos em transformar muitas vezes fatos comuns da vida em especulações sobre cometimento de crimes”, afirma Bulhões.

O advogado também diz que, em casos dessa natureza, investigadores vazam documentos para “transformar suas conjecturas e presunções em provas de crimes, expondo os investigados e invertendo toda a lógica do sistema de garantias do sistema penal: presunção de inocência -e não de culpabilidade!”.

Fonte: Jornal de Brasilia

COMENTE ABAIXO:

POLICIAL

Filho desaparecido há 4 meses reencontra a mãe no Creas de Planaltina

Publicados

em

Por

Daniel, entre a avó e a mãe, Maria: finalmente, o reencontro | Foto: Divulgação/Sedes

Mas um reencontro inesperado transformou o último dia 7 em um momento especial para toda equipe da unidade

Essa é uma história com grandes emoções. Era uma tarde de trabalho de sexta-feira como qualquer outra no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) de Planaltina. Mas um reencontro inesperado transformou o último dia 7 em um momento especial para toda equipe da unidade.

Após uma peregrinação por várias unidades socioassistenciais no DF, Maria Alves Pereira, que procurava há quatro meses pelo filho Daniel, de 37 anos, finalmente o encontrou.

Maria Alves saiu de Arinos, em Minas Gerais, e percorreu vários cantos do DF com uma foto do filho nas mãos. A esperança dela era de que o rapaz tivesse passado por alguma abordagem social para pessoas em situação de rua.

E ela não estava errada. Uma servidora da unidade de Planaltina (a última parada de Maria) guardou o retrato e anotou o contato da mãe.

Leia Também:  Padre de 75 anos é encontrado morto em casa na zona oeste de SP

E não demorou para que o telefone tocasse. Algum tempo depois que Maria deixou o Creas, Daniel entrou para pedir ajuda.

A funcionária da unidade ligou imediatamente para a mãe, que escutou a notícia que mais queria: o filho estava lá.

A gerente do Creas, Rosalva Aparecida da Silva, disse ter sido uma das histórias mais emocionantes a que presenciou. “Não houve uma pessoa que não chorasse de emoção com aquele reencontro”, contou.

O trabalho da equipe do Creas não terminou ali naquele reencontro. Daniel foi encaminhado para atendimento especializado, e a mãe voltou para Arinos com a certeza de que não vai mais perder contato com o filho e que ele está sendo devidamente atendido pela política socioassistencial do GDF.

  • Com informações da Agência Brasília
  • Fonte: Jornal de Brasilia
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.