BRASÍLIA

GDF

Restaurante Comunitário de Santa Maria foi reaberto nesta quarta (22)

Publicados

em

Equipamento público, na Avenida Alagados, estava fechado desde 1º de agosto. Almoço é servido das 11 às 14 horas, a R$ 1 e a R$ 2

Restaurante Comunitário de Santa Maria foi reaberto nesta quarta-feira (22). Ele estava fechado desde 1º de agosto e passou por obras no telhado, no forro e na fiação elétrica. A reforma custou R$ 70 mil.

O Restaurante Comunitário de Santa Maria funciona de segunda a sábado, das 11 às 14 horas. Foto: Andre Borges/Agência Brasília
O Restaurante Comunitário de Santa Maria funciona de segunda a sábado, das 11 às 14 horas. Foto: Andre Borges/Agência Brasília

Com a refeição subsidiada pelo governo de Brasília, o almoço sai a R$ 1 para os inscritos no Cadastro Único do DF (CadÚnico) e a R$ 2 para o público em geral.

Os pratos são servidos das 11 às 14 horas. No primeiro semestre, foram 188.727 — média de 1.293 por dia.

Na reabertura, hoje, o cardápio era arroz de carreteiro (arroz, carne bovina, calabresa, milho e cenoura), feijão e salada. Além disso, havia bananada, de sobremesa, e suco de goiaba.

A moradora de Santa Maria Paolla Cristine da Silva, de 29 anos, já frequentava o restaurante antes da reforma e disse que ele ajuda muito no dia a dia. “Tinha o hábito de vir comer aqui, e é uma forma de escape, não preciso me preocupar em fazer comida em casa.”

Leia Também:  Detentos do semiaberto trabalham sem equipamento de segurança

Desempregada, contou que almoçar ali permite economizar com as despesas domésticas. “Se colocar o preço do gás e da comida, sai muito mais caro”, comparou Paolla.

Governo complementa o valor da refeição

Os restaurantes comunitários são equipamentos públicos de segurança alimentar e nutricional em que são oferecidas refeições saudáveis a preços acessíveis.

O objetivo é garantir acesso à alimentação adequada para a população em situação de vulnerabilidade social. Para assegurar esse benefício, o governo complementa o valor das refeições. O subsídio é, em média, de R$ 4,80 por prato.

Quem tem direito a pagar R$ 1

O almoço custa R$ 1 para os inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) do governo de Brasília que sejam membros de família com renda mensal de até R$ 2.811 (o equivalente a três salários mínimos) ou de até R$ 440 per capita. Pessoas que não se enquadram nesses perfis pagam R$ 2.

Para se inscrever no CadÚnico, é preciso ligar para o telefone 156 e marcar atendimento em um dos centros de referência de assistência social (Cras).

Restaurante no Itapoã será reaberto amanhã

Restaurante Comunitário do Itapoã reabrirá nesta quinta-feira (23). O espaço estava fechado desde 2 de outubro, quando chegou ao fim o contrato com a fornecedora Kadu Alimentos. A empresa prestava serviço havia um ano e podia renovar por mais quatro anos.

Leia Também:  A Câmara Legislativa do Distrito Federal lança, o programa "Câmara Legislativa - Formando o Futuro"

Como não houve a renovação, o governo fez uma licitação emergencial para 180 dias. A vencedora foi a Vogue Alimentação e Nutrição, ao custo de R$ 1,8 milhão.

Quebra unilateral de contrato fecha 4 unidades

Os Restaurantes Comunitários de Ceilândia Centro, do Gama, de Sobradinho e do Sol Nascente estão fechados. O motivo foi o rompimento unilateral do contrato por parte da Cozisul, empresa que os atendia.

A Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos trabalha em uma licitação emergencial para reabri-los e iniciou o processo de uma outra concorrência, esta regular, para manter os serviços nessas quatro unidades.

Restaurante Comunitário de Santa Maria

Funcionamento: das 11 às 14 horas

De segunda a sábado

Avenida Alagados, Área Especial, Quadra Central 1, Lote B, Galpão 3, 4 e 5, ao lado da administração regional

Fonte:  Agência Brasilia
COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

GDF

Procon multa empresa de transportes por aplicativo em R$ 26 mil

Publicados

em

Imagem: Uber

Decisão ocorreu após servidor público relatar ter sido impedido de fazer corrida pela Uber por estar com uma cadela. No caso, seu cão-guia

 

O Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-DF), órgão ligado à Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), notificou a empresa de transportes Uber, após receber denúncia do servidor público Ricardo Skrebsky Rubenich, 27 anos. Ele afirmou ter sido impedido de fazer a corrida acompanhado de sua cadela. De acordo com o servidor, o motorista de aplicativo disse que não transportava animais.

O consumidor informou ser portador de necessidades especiais, motivo pelo qual precisava do cão-guia, mas o motorista se negou e disse que o animal era grande demais. O servidor continuou tentando conversar e explicou ser regido pela Lei nº 11.1126/2005, que permite a entrada de deficiente visual em qualquer ambiente, acompanhado de cão-guia.

A primeira denúncia foi feita à Uber, mas a empresa alegou ausência de relação de consumo. O servidor, então, decidiu procurar o Procon DF para saber sobre os seus direitos. Em contato com a Sejus, relatou: “Alguns motoristas acabam levando [animais], mas por gostarem de bichos; outros agem como se estivessem fazendo um favor pra gente, sendo que a assistência do cão-guia está assegurada por lei. O que eu quero e o que os demais deficientes visuais querem é apenas o cumprimento da lei”. Ricardo acrescentou que a Uber deveria conscientizar os motoristas sobre essas questões importantes para a sociedade.

Leia Também:  A Câmara Legislativa do Distrito Federal lança, o programa "Câmara Legislativa - Formando o Futuro"

O diretor-geral do Procon, Marcelo Nascimento, afirma: “A pessoa com deficiência visual tem o direito de ingressar com o cão-guia em todo tipo de transporte, público ou privado, e tem o direito de permanecer com o cão nos estabelecimentos abertos ao público. No caso em questão, o motorista da empresa se recusou a transportar o passageiro, o que é uma falha grave na prestação do serviço e uma violação à lei. Proibir esse acesso da pessoa com deficiência, além de descumprir o Código do Consumidor, se caracteriza como uma afronta às garantias de inclusão social”.

A decisão do órgão de defesa do consumidor for proferida em 30 de março passado, fundamentada nos artigos 6º, IV; e 39, II e IX, da Lei nº 8.078/90, e condenou a empresa de transportes por aplicativos a pagar a multa no valor total de R$ 26.760. A Uber ainda será notificada da decisão e terá prazo para pagamento da multa ou apresentação de recurso.

Fonte: https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2021/04/13/procon-multa-empresa-de-transportes-em-r-26-mil/

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

FALA BOLSONARO

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA