BRASÍLIA

SAÚDE

Casos prováveis de dengue no DF superam números da fase pré-pandemia

Publicados

em

A crise sanitária do Distrito Federal não se resume à pandemia da covid-19. Os casos de dengue tiveram crescimento significativo neste ano. O Boletim Epidemiológico da Secretaria de Saúde mais recente, divulgado na sexta-feira (6/5), mostrou que, de janeiro à última quarta-feira (4/5), a capital do país registrou 33,6 mil casos da doença. A quantidade é 170% superior ao registrado no mesmo período de 2019, antes do surgimento do novo coronavírus (12,4 mil), e 531% maior que o verificado no primeiro quadrimestre de 2021 (5,3 mil — leia Registros). A queda teve o isolamento social como um dos principais motivos.

Os dados de pouco mais de quatro meses superam, ainda, o total do ano passado (15 mil) em 124%. Uma das pessoas acometidas pela doença neste ano foi a professora de música Any Kelly Lima da Silva, 22 anos. Após sentir fortes incômodos no corpo e ter febre alta, ela recebeu o diagnóstico pela primeira vez. “Tomei remédios, e eles ajudaram a aliviar os sintomas por uma hora, mais ou menos. Mas os sinais voltaram depois. E a dor nas costas foi terrível”, relata a moradora do Sol Nascente.

Leia Também:  Projeto de pesquisa inova no tratamento de pacientes complexos

Apesar do aumento no número de casos, a quantidade de mortes foi menor neste ano, em relação a 2021. No ano passado, a SES-DF registrou nove óbitos por dengue até 4 de maio. No mesmo período deste ano, a pasta notificou uma. Para Marina Garajau, 59, a doença foi uma das piores que teve na vida. “Comecei a sentir algo ruim no corpo e fiquei mal muito rápido. Estava com moleza, e era algo avassalador, uma sensação horrível. Nunca tinha tido isso, então fiquei extremamente assustada”, conta.

O pior momento da dengue no Distrito Federal está previsto para os próximos dias. Na última quinta-feira (5/5), o secretário-adjunto de Assistência à Saúde, Pedro Zancanaro, disse à imprensa que a alta mais significativa dos casos deve ocorrer entre a primeira e a segunda quinzenas de maio. “Ainda não chegamos no pico da dengue, mas estamos preparados”, declarou. Para o chefe da SES-DF, Manoel Pafiadache, o prognóstico preocupa. “Recentemente, recebemos equipamentos de fumacê para reforçar os trabalhos nas áreas (mais atingidas), para que tenhamos o máximo de controle possível. (Hoje,) 97% dos focos do mosquito estão nas residências, e só 3% ou 4%, em área pública”, detalhou o secretário.

Leia Também:  Saúde mental: o que é um surto psicótico e como tratar?

Registros

Casos prováveis (1º/1 a 4/5)
2019 — 12.438
2020 — 23.090
2021 — 4.570
2022 — 33.635

Mortes
2019 — 10
2020 — 12
2021 — 9
2022 — 1

Como prevenir?
A melhor forma de evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, criadouros do mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti. É importante deixar acúmulo em itens como latas, embalagens, copos plásticos, tampas de refrigerantes, pneus velhos, vasos de plantas, jarros de flores, caixas d’água, cisternas, sacos plásticos, lixeiras, entre outros.

Fonte: Correio Braziliense

COMENTE ABAIXO:

SAÚDE

Estudo aponta que antiviral pode ser eficaz contra sintomas da varíola dos macacos em humanos

Avatar

Publicados

em

Uma pesquisa publicada nesta terça-feira (24) na revista científica “The Lancet Infectious Diseases”, do grupo “The Lancet”, aponta que um antiviral pode ser promissor em reduzir a duração dos sintomas e o tempo em que pacientes com a varíola dos macacos são capazes de infectar outras pessoas.

Segundo os cientistas, do Reino Unido, os sete casos analisados na pesquisa (pessoas infectadas entre 2018 e 2021) foram os primeiros do mundo de transmissão da doença dentro de um hospital e de contágio doméstico fora do continente africano.

Os pesquisadores observaram as respostas dos pacientes a dois antivirais: brincidofovir tecovirimat: três pacientes receberam o brincidofovir e um, o tecovirimat (veja detalhes em “os casos” mais abaixo nesta reportagem).

O paciente que recebeu o tecovirimat teve uma duração de sintomas menor e expeliu vírus por menos tempo pelo trato respiratório superior (nariz, faringe, laringe e parte superior da traqueia).

Por outro lado, a pesquisa não encontrou benefícios no uso do outro remédio testado, o brincidofovir, para tratar a doença.

Os casos relatados foram os primeiros em que ambos os medicamentos foram usados, de forma “off-label”, para tratar a doença – ou seja, fora da indicação já prevista na bula; ambos foram desenvolvidos para tratar a varíola humana, erradicada em 1980, e já haviam demonstrado alguma eficácia em tratar a varíola dos macacos em animais.

Mas, por causa da amostra pequena de pacientes, os autores apontaram que mais pesquisas são necessárias para determinar o potencial do tecovirimat como tratamento da varíola dos macacos em humanos.

O medicamento já tem uso autorizado para tratar varíola humana, dos macacos e bovina na União Europeia e para a varíola humana nos Estados Unidos, mas não tem autorização no Reino Unido. No Brasil, não existem medicamentos com indicação para tratamento de varíola, segundo a Anvisa.

Todos os pacientes infectados tiveram casos leves da doença e nenhum teve as complicações mais severas associadas à infecção, como pneumonia ou sepse. Eles se se recuperaram após serem mantidos em isolamento em hospitais britânicos, para evitar que a doença se espalhasse (e não pela gravidade dos quadros).

Leia Também:  Cansaço e dores no corpo costumam ser sinais iniciais da depressão; veja outros sintomas

Dados sobre transmissão

 

Um ponto apontado pelos pesquisadores sobre a transmissão da varíola dos macacos é que, em surtos anteriores, os pacientes eram considerados contagiosos até que todas as lesões de pele formassem crostas.

Nos 7 casos do estudo, entretanto, “a disseminação viral foi observada por pelo menos três semanas após a infecção”, afirmou Catherine Houlihan, uma das coautoras do artigo.

Mas a cientista, que também integra a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido e a University College London, apontou que os dados sobre a infecciosidade da doença “permanecem limitados” e são uma área” importante para estudos futuros”.

Os casos

 

Quatro dos casos relatados foram tratados entre 2018 e 2019: três deles importados da África Ocidental e o quarto ocorreu em um profissional de saúde no Reino Unido, que se infectou no hospital.

Os primeiros três pacientes foram tratados com o brincidofovir sete dias após aparecerem as primeiras lesões na pele, mas nenhum benefício foi observado com o tratamento. Também foram observadas alterações nos exames de fígado após o uso do remédio.

Por outro lado, os pesquisadores também apontaram não saber se, caso o remédio tivesse sido dado de outra forma – de forma mais precoce ou em dosagem diferente –, teria funcionado.

Lesões causadas pela varíola dos macacos no braço e na perna de uma menina na Libéria. — Foto: Domínio público (via Wikipedia)

Os outros três casos ocorreram em uma família que chegou ao Reino Unido vinda da Nigéria em 2021, país onde a doença é endêmica. Dois dos casos representaram os primeiros de transmissão doméstica da doença fora da África.

O paciente tratado com o tecovirimat teve duração menor dos sintomas, além de ter expelido vírus por menos tempo em comparação aos outros.

Leia Também:  Covid-19: em um mês, taxa de transmissão sobe de 0,72 para 1,22 no DF

“Os casos relatados em nosso estudo, além dos surtos recentes, destacam a importância de manter uma rede colaborativa de centros de prontidão para gerenciar surtos esporádicos de patógenos de alta consequência, como a varíola dos macacos”, avaliou Nick Price, autor sênior da pesquisa.

 

Atualmente, mais de 15 países fora da África enfrentam surtos da varíola dos macacos, com mais de 100 casos confirmados. A doença não costuma aparecer fora do continente africano, onde é endêmica em 12 países.

Price apontou, ainda, que os casos de 2018 e 2021 foram “desafiadores” e exigiram uso intensivo de recursos, mesmo em um país de alta renda como o Reino Unido.

“Com as viagens internacionais retornando aos níveis pré-pandemia, autoridades de saúde pública e profissionais de saúde em todo o mundo devem permanecer vigilantes à possibilidade de novos casos de varíola dos macacos”, alertou o pesquisador.

Por outro lado, lembrou o pesquisador High Adler, da Universidade de Liverpool, autor principal da pesquisa, embora o surto atual esteja afetando mais pacientes do que nos surgimentos anteriores da doença fora da África, “historicamente a varíola dos macacos não se transmitiu de forma muito eficiente entre as pessoas e, em geral, o risco para a saúde pública é baixo”.

Sintomas e letalidade

 

Os sintomas da varíola dos macacos incluem febre, erupção cutânea e gânglios (linfonodos) inchados. Complicações incluem inflamação dos pulmões, cérebro, córnea (com risco à visão) e infecções bacterianas secundárias.

As taxas de mortalidade publicadas variam entre 1% a 10% na Bacia do Congo e menos de 3% na Nigéria. A maioria das mortes pela doença ocorre em crianças e pessoas que vivem com HIV.

Fonte: G1

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.

ENVIAR MENSAGEM
Estamos Online!
Olá
Podemos Ajudar?
ENVIAR MENSAGEM
Estamos Online!
Olá
Podemos Ajudar?