BRASÍLIA

SAÚDE

Ritmo de vacinação no Brasil é mais que o dobro da média mundial

País aplicou ao menos uma dose em mais de 35 milhões de pessoas, ou 16,5% da população, enquanto média mundial é de 8,11%

Enquanto os coronalovers se esforçam na defesa de que a vacinação no Brasil está “parada” ou segue “a passos lentos”, os números comprovam que isso não passa de mais uma fake news. De acordo com a plataforma independente de monitoramento vacinabrasil.org, o País aplicou ao menos uma dose em mais de 35 milhões de pessoas, ou 16,5% da população brasileira. Isso equivale a mais que o dobro da média mundial de 8,11%, registrada no portal Our World in Data. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Quando falamos de pessoas 100% vacinadas, que tomaram duas doses, Brasil tem cerca de 18 milhões ou 8,4%. No mundo, a média é de 3,82%.

Leia Também:  Covid: com fila, postos começam a vacinar idosos de 72 e 73 anos no DF

Se Brasil tem 8,4% da população imunizada, a poderosa e rica Alemanha imunizou 8,78%, mesmo tendo começado a vacinar quase um mês antes

A campanha no Brasil também segue ritmo melhor que a América do Sul, que tem média de só 6,25% da população completamente imunizada.
Fonte: Diário do Poder
COMENTE ABAIXO:

SAÚDE

DF registra aumento de 46% nos óbitos por Covid-19 no mês de maio

Publicados

em

Por

O Distrito Federal registrou crescimento de mortes por Covid-19 em comparação ao mesmo mês do ano passado. Mesmo com um número expressivo de mortes desde o início da pandemia, o mês de maio mostrou que a doença ainda está longe de ser controlada.

Se comparados com a média de óbitos causados pelo novo coronavírus desde a chegada da doença na capital federal, o mês que se encerrou registrou aumento de 46% no número de falecimentos, atingindo a marca de 735 mortes, frente a uma média de 502.

Especialistas avaliam a constitucionalidade da importação das vacinas Sputnik V e Covaxin

Com a pandemia, queimaduras causadas por álcool registram aumento de 40% em unidade de tratamento do Hospital João XXIII

Os números de maio são melhores quando comparados com os de março e abril deste ano, os piores meses da pandemia no Distrito Federal, auge da segunda onda da doença que lotou UTIs de hospitais em todo o território nacional. Na comparação com março, maio aponta queda de 37% no número de óbitos, enquanto na comparação com abril a redução foi de 48%. 

Leia Também:  Covid-19: Anvisa certifica Pfizer, uma das produtoras de vacina

Os dados constam no Portal da Transparência do Registro Civil, base de dados abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos praticados pelos Cartórios de Registro Civil do País, e podem ainda sofrer mudanças, uma vez que o prazo legal para envio de óbitos à plataforma nacional pode chegar a até 12 dias do falecimento.

Brasil 61

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA