BRASÍLIA

CÂMARA DISTRITAL

Lucas Kontoyanes é o novo presidente do PMN

Publicados

em

O Advogado Lucas Kontoyanis, conhecido como “GREGO” e tido como o maior estrategista politico do DF, assume a presidência do PMN.

O Grego não perde tempo e já assume o comando do partido com uma nominata fortíssima para 2022.

O partido é nanico mais Kontoyanis é um especialista em eleger deputados distritais.

Em 2018, no Avante, fez dois:

  • João Cardoso Professor-Auditor (Avante) – 12.654 votos e,
  • Reginaldo Sardinha (Avante) – 6.738 votos.
  • E a legenda ainda ficou com a vice-governadoria com Paco Brito

Durante o ano de 2020 e 2021, não faltaram Políticos eleitos e não eleitos, Lideres comunitários e, diversos propensos candidatos a cargos públicos para que Lucas os orientassem para o pleito de 2022.

Aguardemos para vermos quantos novos políticos o Grego fará em 2022.

Fonte: Redação

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Guedes: reforma tributária pode esperar novo presidente da Câmara

CÂMARA DISTRITAL

Sancionada lei da Deputada Júlia Lucy, que garante absorvente e coletor menstrual a mulheres vulneráveis

Publicados

em

Por

O Governador Ibaneis Rocha sancionou nesta terça-feira a Lei 7051/2022, de autoria da Deputada Júlia Lucy (Novo), que prevê que o GDF forneça coletores menstruais a mulheres de baixa renda. A nova legislação altera a Lei nº 6.569, de 5 de maio de 2020, que institui a Política de Assistência Integral à Saúde da Mulher no DF. O texto acrescenta o acesso ao coletor à lei já em vigor na capital federal que decreta a distribuição de absorventes em escolas públicas e UBS’s.

O coletor menstrual, que começou a ser produzido industrialmente nos anos 1930, possui inúmeras vantagens, como a autonomia (diferente dos absorventes, que devem ser rocados em intervalos de poucas horas, os coletores menstruais só precisam ser retirados, esvaziados e lavados aproximadamente a cada 12 horas), o conforto e a sustentabilidade.

Para a autora da lei, Deputada Júlia Lucy (NOVO), a medida irá dar mais opções para as mulheres a um custo menor e com proteção ao meio ambiente. “Além de dar a liberdade de escolha às mulheres, essa alteração na lei vai representar uma grande economia aos cofres públicos, já que a vida útil dos coletores é de até 10 anos. Irá também diminuir significativamente a produção de lixo, contribuindo para a preservação do meio ambiente”, justifica.

Leia Também:  Sancionada Lei que garante igualdade nas premiações esportivas no DF

A matéria ainda acrescenta que a opção pelo coletor menstrual importará na realização de curso sobre utilização e higienização do produto, ministrados em ambiente escolar ou em UBS, bem como na assinatura de Termo de Uso Livre e Esclarecido.

Segundo a proposta, o Poder Executivo poderá firmar parcerias e realizar convênios com órgãos governamentais e entidades privadas e/ou não governamentais.

No Brasil, 713 mil meninas vivem sem acesso a banheiro ou chuveiro em seu domicílio, e mais de 4 milhões não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas escolas. É o que mostra a pesquisa Pobreza Menstrual no Brasil: Desigualdade e Violações de Direitos, lançada em maio de 2021 pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Dos 4 milhões de meninas que sofrem com pelo menos uma privação de higiene nas escolas, quase 200 mil estão totalmente privadas de condições mínimas para cuidar da menstruação.

Fonte: Assessoria Dep. Julia Lucy

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

Nos siga no Facebook

DISTRITO FEDERAL

ECONOMIA

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Gostou da notícia? Quer mais?

Nos Siga no Facebook 

para mais Notícias

Gostou da notícia? Nos Siga para Mais.